fbpx
Redes Sociais

Últimas Notícias

Professores protestam contra condução coercitiva de reitor da UFMG

A operação investiga se ocorreram desvios de recursos para o Memorial da Anistia Política do Brasil.

Por Dentro de Minas - Google News (pordentrodeminas - googlenews)

Professores fizeram uma vígilia de protesto contra a condução coercitiva do reitor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Jaime Arturo Ramirez, pela Polícia Federal (PF) na Operação Esperança Equilibrista. O reitor deixou a delegacia e foi recebido pelos docentes. A operação investiga se ocorreram desvios de recursos para o Memorial da Anistia Política do Brasil.

Além de Ramirez, também foram encaminhados à delegacia a atual vice-reitora e reitora eleita para assumir em 2018, Sandra Goulart Almeida; a vice-reitora entre 2006 e 2010, Heloísa Starling; a vice-reitora entre 2010 e 2014, Rocksane Norton; e Alfredo Gontijo de Oliveira, presidente da Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa (Fundep), que viabiliza e dá apoio a projetos da universidade.

Durante o dia, entidades representativas de estudantes, docentes e servidores técnicos-administrativos da UFMG se mobilizaram contra a operação. Uma manifestação teve início na entrada da delegacia. Os participantes classificaram a operação como “ataque à democracia” e “criminalização da educação”. Às 17h, membros da comunidade acadêmica também realizaram uma assembleia no gramado em frente ao edifício da reitoria, no campus Pampulha.

O Sindicato dos Professores da UFMG (ApuBH) disse em nota que as conduções coercitivas causam “estranhamento a forma como a operação foi conduzida pela Polícia Federal que, antes de notificar a UFMG, nos parece ter informado à imprensa, transformando a ação em um espetáculo midiático, a exemplo do que ocorreu em Santa Catarina”, em menção ao suicídio do reitor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Luiz Carlos Cancellier de Olivo. Ele se matou ao se atirar do quarto piso do Beiramar Shopping, em Florianópolis. O reitor estava afastado de suas funções e era alvo na Operação Ouvidos Moucos.

A ação da PF também foi criticada por 11 ex-reitores e ex-vice-reitores da UFMG que publicaram uma nota. “Repudiamos o uso de medida coercitiva quando sequer foi feita uma intimação para depoimento, em claro descumprimento ao disposto nos artigos 201, 218 e 260 do Código de Processo Penal. (…) A UFMG e seus dirigentes sempre se pautaram pelo respeito à lei e pelo cumprimento de decisões judiciais”.

A instituição recebeu ainda notas de apoio de reitores de outras universidades federais, como a de São João del Rei e do Paraná. A Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior no Brasil (Andifes) colocou sua assessoria jurídica à disposição da UFMG.

Operação

As ordens judiciais foram expedidas dentro da Operação Esperança Equilibrista, que apura possíveis desvios de recursos destinados às obras do Memorial da Anistia Política. De acordo com a PF, até o momento teriam sido gastos mais de R$ 19 milhões no projeto – tanto em pesquisas de conteúdo quanto em obras -, mas o único produto aparente é um dos prédios anexos ainda inacabado. “Do total repassado à UFMG, quase R$ 4 milhões teriam sido desviados por meio de fraudes em pagamentos realizados pela Fundep, contratada para pesquisas de conteúdo e produção de material para a exposição de longa duração. Os desvios até agora identificados teriam ocorrido por meio de pagamentos a fornecedores sem relação com o escopo do projeto e de bolsas de estágio e de extensão”, informou em nota.

Idealizada em 2008, a implantação do memorial envolve a reforma de um edifício da universidade e a construção de dois anexos, nos quais seriam estruturados um local adequado para armazenamento do acervo e uma sede para a Comissão da Anistia, vinculada ao Ministério da Justiça. O projeto envolve uma exposição voltada para a preservação e para a difusão da memória política dos períodos de repressão. A UFMG detém um vasto acervo científico e acadêmico sobre o tema da anistia, sobretudo por meio do Projeto República, grupo de pesquisa conduzido pela professora de história Heloisa Starling, que foi vice-reitora entre 2006 e 2010 e também foi alvo de condução coercitiva. O projeto obteve financiamento do Ministério da Justiça.

Nas investigações, a PF conta com o apoio da Controladoria-Geral da União (CGU) e do Tribunal de Contas da União (TCU). Ao todo, foram cumpridos 11 mandados de busca e apreensão e oito de condução coercitiva. O nome da operação foi batizado com um trecho de O Bêbado e o Equilibrista, música de João Bosco e Aldir Blanc que faz referência aos anistiados.

UFMG

Em nota, a UFMG informou que não pode se manifestar sobre os fatos que motivam a investigação em curso por se tratar de apuração que tramita em sigilo. “Dada a transparência com que lida com as questões de natureza institucional, a UFMG torna público que contribuirá, como é sua tradição, para a correta, rápida e efetiva apuração do caso específico”, acrescenta o texto.

Por sua vez, a Fundep disse que gerencia os recursos dos projetos de acordo com as ordenações dos respectivos coordenadores e em conformidade com normas dos órgãos financiadores e com a legislação vigente. “No âmbito do projeto Memorial da Anistia, a Fundação desconhece as inconformidades apontadas e iniciou a apuração dos pontos questionados. A Fundep prestou informações e disponibilizou documentações requeridas pela Operação. Com experiência sólida de mais de 40 anos de atuação, a Fundep sempre manteve sua postura de transparência e colaboração e segue à disposição dos órgãos de fiscalização e controle”, registra.

MF Press Global

Do Brasil para o mundo: Instituto Nossa Missão leva ajuda para apátridas da República Dominicana

Por

Reprodução / MF Press Global

Em 2019, quatro amigos se reuniram com o objetivo de cuidar de pessoas vulneráveis e em situação de risco, realizando obras de caridade em Brasília. Assim surgia o Instituto Nossa Missão, que hoje atua no Distrito Federal cuidando de menores e na República Dominicana em um trabalho desenvolvido com apátridas naquele país.

Erika Helenn, diretora do Instituto, revela um pouco da história do Instituto: “Motivados por preceitos e valores cristãos, nos unimos em prol daqueles que estão à margem da sociedade. Por isso a logo do Instituto possui quatro corações: um verde que simboliza esperança e saúde, um azul que passa serenidade, harmonia e amizade, um amarelo simbolizando otimismo e alegria e um coração laranja simbolizando sucesso, e por fim a cor branca da paz.

Atuação Internacional

Os diretores do Instituto Nossa Missão vão à República Dominicana a cada 4 meses para levar mais doações e ficarem mais próximos desse projeto, que começou durante a primeira visita de Erika Helenn e seu esposo Fause Nabil El Haje ao país caribenho: “presenciamos o preconceito e a segregação étnica, manifestos no racismo e na discriminação que afeta dominicanos de ascendência haitiana e os haitianos que vivem naquele país. Muitos meninos e meninas, que nasceram nas províncias da República Dominicana, quando tentam tirar seu registro civil para obter a sua cédula de identidade, os oficiais lhe negaram porque seus pais eram haitianos, negando-lhes os direitos civis”, relata a diretora do Instituto.

Segundo a ONG, apesar de o Estado dominicano reconheceu como cidadãos dominicanos, os filhos e filhas nascidos em seu território de pais estrangeiros, sem importar seu status migratório, essas pessoas se depararam com uma sentença do Tribunal Constitucional da República Dominicana que transformou da noite para o dia mais de 200 mil pessoas sem pátria.
Segundo dados da Anistia Internacional, a República Dominicana está entre os cinco países do mundo com mais pessoas apátridas: cerca de 250.000, por serem descendentes de haitianos.

Projeto Filhos do Acaso

O projeto Filhos do Acaso, desenvolvido pelo Instituto Nossa Missão na República Dominicana consiste em atender as crianças apátridas e suas famílias descendentes de haitianos ou haitianos imigrados recentemente para lá em situação de extrema pobreza e vulnerabilidade social: “Essas famílias vivem em casas feitas de latas, onde não há o mínimo de saneamento básico e nem consumo de água potável”, relata Erika.

Como ajudar?

O Instituto Nossa Missão entrega cestas básicas para essas famílias, doação de roupas e calçados principalmente para as crianças, vitaminas, kit dental e sabonete para higiene das mãos antes das refeições e após fazerem suas necessidades fisiológicas. Também fazem a doação de anticoncepcionais para as mulheres da comunidade, atuando no planejamento familiar.

Para fazer doações é possível entrar em contato pelo site http://www.institutonossamissao.com.br

Continuar lendo

Notícias

Culturadoria lança curso Divulgação de Negócios Criativos

• atualizado em 06/04/2020 às 13:20

Foto: Carol Braga – Crédito: Arthur Senra 

TURMA #1

A constante transformação do cenário da comunicação exige atualizações periódicas, tanto de técnicas como de pensamento sobre o funcionamento das principais mídias da atualidade. Pensando em capacitar cada vez mais os diversos setores da área cultural afetado pela crise, o Culturadoria, por meio do Culturadoria Lab, expande sua atividade e lança o primeiro curso on-line do portal voltado para a Divulgação de Negócios criativos. As aulas serão on-line e ao vivo, por meio da plataforma Zoom, nos dias 14 e 15 de abril, entre 15h e 17h15.

Divido em dois módulos, o objetivo é capacitar profissionais da cadeia criativa para o uso estratégico das ferramentas disponíveis para comunicação digital. O conteúdo ministrado pela jornalista Carol Braga, é voltado para o crescimento de negócios em redes sociais nas áreas da moda, artesanato, mídias, editorial, gastronomia, serviços culturais em geral, música e artes cênicas.

“Percebemos que neste contexto de crise a divulgação por meio dos canais digitais é ainda mais importante. Reuni a experiência como jornalista na área e também como consultora de comunicação no Sebrae para oferecer um conteúdo especializado para quem vive de produzir cultura”, explica Carol.

Além de um momento dedicado à compreensão teórica sobre o que caracteriza as lógicas de comunicação na contemporaneidade, o curso também prevê uma efetiva parte prática. Ou seja, com o auxilio de Carol Braga, os participantes vão planejar o conteúdo paras próprias redes sociais além de definir as estratégias de ação nos respectivos espaços digitais.

Sobre o Culturadoria Lab
O curso “Divulgação de Negócios Criativos” é também a primeira ação do Culturadoria Lab. O projeto educacional é um laboratório de desenvolvimento de habilidades sócioemocionais e ampliação de repertório para criatividade. Além disso, também é um espaço de formação na área de comunicação digital.
Com mais de 20 anos de experiência em comunicação, com passagens por veículos como Rádio Guarani, TV Alterosa e Jornal Estado de Minas, Carolina Braga fundou o Culturadoria em 2016. É um projeto de curadoria de informação sobre artes e espetáculos, que inicia a expansão para a área da educação para criatividade. É multiplataforma, composto pelo site www.culturadoria.com.br, hospedado do Portal Uai, perfis no Instagram, Facebook e Twitter além de um canal no YouTube. Culturadoria também é uma coluna apresentada por Carol Braga na Rádio CBN-BH.

Sobre Carol Braga
Carolina Braga é jornalista cultural desde 2001, com experiências na Rádio Guarani, TV Alterosa e como repórter e crítica do caderno de cultura do Jornal Estado de Minas. Colaborou com veículos como Revista Bravo e Correio Braziliense. É professora nos cursos de comunicação do UNI-BH e consultora no Sebrae-MG.

É doutora em Comunicação e sociabilidade contemporânea pela Universidad Autónoma de Barcelona em convênio com a UFMG, mestre em Jornalismo e novas linguagens também pela Universidad Autónoma de Barcelona e pós-graduada em Crítica de música pop e cinema pela Universidad Ramon Llull, de Barcelona. Realizou estágio pós-doutoral na Universidade Federal de Minas Gerais com projeto sobre narrativas transmídia no jornalismo.

FORMATO CURSO LIVRE – DIVULGAÇÃO DE NEGÓCIOS CRIATIVOS
– 2 aulas online (ao vivo) com duas horas de duração e um intervalo de quinze minutos entre elas.
– O curso será dado na plataforma Zoom. O link de acesso será distribuído no dia da aula.
– Datas e horários: 14 e 15 de abril das 15h às 17h15.
– Investimento: R$ 89.90 (preço promocional) https://www.sympla.com.br/divulgacao-de-negocios-criativos-com-carol-braga__831128

Conheça o conteúdo programático do curso

DIA 01 – 2h com intervalo de 15 min – 15h às 17h15
>> Introdução
Por que as redes sociais são fundamentais para os negócios criativos?
Entendendo as lógicas de comunicação para fazer uso delas;
>> Ecossistema midiático contemporâneo
História das mídias sociais
Características predominantes Instagram, YouTube, Twitter, Facebook, WhatsApp

DIA 02 – 2h com intervalo de 15 min – 15h às 17h15
>> Planejamento estratégico para redes sociais
O que são algoritmos: de que forma isso afeta meu negócio criativo?
Criação de conteúdo
Planejamento Editorial
Estratégias de engajamento em textos, fotos e vídeos
>> Métricas
Métricas específicas dos principais canais
Análise de desempenho, relevância e envolvimento

SERVIÇO
O QUE: CURSO “Divulgação de negócios criativos”, com Carol Braga
QUANDO: 14 e 15 de abril, das 15h às 17h15
QUANTO: Investimento: R$ 89.90 (preço promocional) (https://www.sympla.com.br/divulgacao-de-negocios-criativos-com-carol-braga__831128)
ONDE: Online, por meio de plataforma Zoom

Para agendamento de entrevistas:
(31) 98761-0144 ou pelo e-mail [email protected]
Thiago Fonseca

Continuar lendo

Economia

Empresária de Belo Horizonte lança plataforma de cursos para especialização em beleza e estética

• atualizado em 30/03/2020 às 16:56

Foto | Crédito – Fotógrafa Marcele Valina. 

Amanda Dâmaso é a criadora do Aprenda Beleza, que surgiu da vontade de empoderar mulheres que querem empreender no ramo da beleza

Das boas experiências que vivemos podem surgir ótimas ideias. Mas, daquelas situações que complicam nossa vida e trazem certo desconforto, também é possível tirar lições importantes e até o estímulo que faltava para iniciar um projeto novo. Após algumas mudanças de vida pessoal e profissional, Amanda Dâmaso, decidiu criar a plataforma de cursos ‘Aprenda Beleza’.

De acordo com a empresária, o projeto surgiu da vontade de empoderar mulheres que querem empreender no ramo da beleza. “Uma mulher empoderada passa por diversos desafios diários para alcançar os seus objetivos. O nosso foco, além de ampliar os horizontes e expandir o conhecimento, nossa missão é tornar as mulheres cada dia mais independentes e fortalecer cada vez mais o mercado de trabalho feminino”, explica.

Amanda também ressalta que os cursos online são para todos os públicos e é uma maneira fácil e prática de adquirir conhecimento. “As professoras são mulheres capacitadas, renomadas e que possuem experiência no mercado. Outro ponto importante é o preço acessível, ou seja, alinhamos qualidade e preço”, diz.

Dâmaso reforça que o projeto para este ano é levar o curso para toda a América Latina. Já a expectativa para 2021 é expandir o projeto para outros países. “O projeto é levar os cursos para o Canadá e Estados Unidos. Para isso, já estamos gravando os cursos em inglês e preparando todo o material”, finaliza.

Continuar lendo