Filho de Geraldo Alckmin morre em acidente de helicóptero


São Paulo – Thomaz Alckmin, filho do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) morreu hoje no acidente de helicóptero em Carapicuíba, na Grande São Paulo. Ele tinha 31 anos.

Outras quatro pessoas morreram na queda da aeronave, que pertencia à empresa Seripatri Participações.

O acidente ocorreu por volta das 17h10, durante um voo de teste, após o helicóptero passar por uma manutenção preventiva.

O governador, que estava em viagem pelo interior do estado, voltou para o Palácio dos Bandeirantes, sede do governo na capital paulista.

A mãe de Thomaz, Lu Alckmin, estava na cidade de Campos do Jordão, mas também se dirigiu ao prédio e se encontrou com Alckmin por volta das 21h50, segundo a TV Globo.

De acordo com auxiliares do Palácio, citados pela Estadão Conteúdo, pessoas ligadas a Geraldo Alckmin disseram que o governador tentava convencer o filho a parar de voar.

Ainda segundo a agência de notícias, Thomaz era muito ligado à mãe, quem considerava “uma espécie de psicóloga”.

Thomaz Rodrigues Alckmin trabalhava como piloto de helicóptero e estava, segundo a Seripatri, como tripulante no momento do acidente. Ele era o mais novo dos três filhos do governador e deixa duas filhas e a esposa Thais Fanato.

A queda ocorreu em um condomínio da cidade, na altura do km 26 da rodovia Castello Branco, e a aeronave chegou a atingir duas casas, mas ninguém em solo se feriu.

O piloto tinha mais de 30 anos de experiência na área. O helicóptero (marca Eurocopter, modelo ECC 155B1, prefixo PPLLS) possuía cerca de 4 anos de uso, 600 horas de voo e estava com documentação e manutenção em ordem, segundo nota da Seripatri.

A Seripatri Participações é uma empresa de investimentos de José Seripieri Jr., fundador e principal acionista da Qualicorp, que administra planos de saúde.

O piloto Carlos Haroldo Isquerdo Gonçalves, de 53, e o mecânico Paulo Henrique Moraes, 42, eram funcionários da empresa. As outras duas vítimas eram Erick Martinho, 36, e Leandro Souza, 34, mecânicos da Helipark Táxi Aéreo e Manutenção Aeronáutica, empresa que havia sido contratada para realizar a manutenção preventiva na aeronave.

Tentativa de assalto

Em 2004, Thomaz havia sido vítima de assalto quando andava de moto na Marginal Pinheiros, em São Paulo.

Em fevereiro de 2014, Thomaz sofreu uma tentativa de assalto no Morumbi, a cerca de 1 km do Palácio dos Bandeirantes, quando levava de carro a filha mais velha, de 10 anos, de volta para casa.

Após os criminosos cercarem o veículo, houve troca de tiros entre os bandidos e a escolta do filho do governador, que não se feriu.

Depois da ocorrência do ano passado, a mãe da criança e ex-esposa de Thomaz, Fabíola Trombelli, entrou com uma ação na Justiça para tentar se mudar com a criança para a Noruega, onde mora.

Segundo a Estadão Conteúdo, Fabíola ligou para o governador assim que soube da notícia. “O Dr. Geraldo só chorou”, disse.

O Diretório Estadual do PSDB de São Paulo divulgou uma nota sobre o acontecimento. “Nossos corações e orações estão com a família Alckmin neste momento. Que a fé que sempre os guiou os ampare e dê forças para enfrentar tão difícil momento”, diz o comunicado.

O Palácio dos Bandeirantes confirmou o acontecimento em uma nota de pesar divulgada agora à noite. “Sob o impacto dessa tragédia, a família Alckmin, inconsolável, agradece as manifestações de pesar e carinho e busca conforto na fé que sempre a alimentou. Seus pensamentos e preces se estendem às famílias das outras vítimas”, afirma a nota.

Total
0
Shares

Relacionados