O Por Dentro de Minas é um portal de notícias de Belo Horizonte e todo o estado de MG. Últimas notícias, informações em tempo real do trânsito, previsão do tempo, agenda cultural, emprego, colunas, blogs e coberturas especiais.

Responsável por clínica de estética é presa com medicamentos proibidos em Patos de Minas

Investigações iniciaram após denúncias de que a clínica estaria utilizando substâncias proibidas nas pacientes
Responsável por clínica de estética é presa com medicamentos proibidos em Patos de Minas - Foto: Divulgação/PCMG
Responsável por clínica de estética é presa com medicamentos proibidos em Patos de Minas – Foto: Divulgação/PCMG
Por Dentro de Minas - Google News

Nesta quinta-feira (17/6), a Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) realizou buscas em uma clínica de estética, no bairro Rosário, em Patos de Minas, região do Alto Paranaíba, ocasião em que foi apreendido medicamento de uso proibido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Na ocasião, a responsável pelo estabelecimento, uma mulher de 35 anos, foi presa em flagrante.

As investigações iniciaram após denúncias de que a clínica estaria utilizando substâncias proibidas nas pacientes. No local, os policiais localizaram cinco frascos da substância Lipostabil (fosfatidilcolina), medicamento injetável, frequentemente utilizado com fins estéticos. O componente era utilizado para a redução de gordura localizada, mas teve a venda e utilização proibidas pela Anvisa.

O delegado Érico Resende, que conduz as investigações, ressalta que a Anvisa alerta aos consumidores, profissionais médicos, proprietários de clínicas de estética e farmácias de manipulação que o medicamento Lipostabil não está registrado na agência reguladora e, por isso, não existe autorização para fabricação, importação, distribuição, venda e uso desse produto no país. Ainda segundo estudos, o medicamento traz alguns riscos à saúde como náuseas, queimação, anorexia, diarreia, depressão, ganho de peso, arritmias, hipotensão e fraqueza.

A suspeita e o material apreendido foram encaminhados para a Delegacia de Polícia. O fato será, posteriormente, noticiado à Vigilância Sanitária para conhecimento e adoção das medidas pertinentes. A pena para esse crime varia de um a três anos de prisão.

De acordo com o delegado, as investigações prosseguem para detalhamentos dos fatos, bem como para levantar eventuais clientes que tenham sofrido qualquer dano ou efeito reverso durante tratamentos estéticos.

Para ler mais notícias do Por Dentro de Minas, clique em pordentrodeminas.com.br. Siga também o Por Dentro de Minas no Facebook, no Twitter e por RSS
Total
0
Shares
Relacionados