África / Economia: AfDBnovamente em crise!

Por Dentro de Minas - Google News (pordentrodeminas - googlenews)

Menos de um mês antes do final do mandato de seu presidente, Akinwumi Adesina, o Banco Africano de Desenvolvimento (BAfD) está em crise. Uma primeira crise em sua história que pode decidir o destino dos nigerianos e o futuro do banco pan-africano.

Ele certamente teve a cabeça na reeleição como chefe da instituição continental. Mas agora Akinwumi Adesina, que fala português com frequência, agora precisa enfrentar uma crise que pode custar-lhe a cadeira. De fato, Adesina é acusada de comportamento antiético, enriquecimento pessoal e favoritismo. As acusações apresentadas pelos reclamantes e publicadas na imprensa em janeiro passado. Como o sucessor de Donald Kaberuka tenta negar os fatos, ele se depara com a intransigência de atuadores não regionais, neste caso, dos Estados Unidos. E isso apesar de ter sido aprovado pelo comitê de ética do AfDB.

O apoio do seu país, Nigéria, CEDEAO e União Africana (UA) não saciará a sede de transparência dos americanos. Um alívio comparável aos benefícios do BetXpt.

Depois da segunda ação do BAD após a Nigéria, o tio Sam pediu um painel para investigar o caso.

Um desejo que se tornou realidade com a criação deste painel há alguns dias. Este painel, que será presidido pelo ex-presidente da Irlanda, Marry Robinson, também inclui o sul-africano Léonard F. McCarthy e o gambiano Hassan B. Jallow.

Este trio de pessoas eminentes tem entre duas e quatro semanas para apresentar as conclusões da investigação.

Brincando com transparência, o escritório da Assembléia de Governadores do AfDB, liderado pelo ministro da Costa do Marfim Kaba Nialé, queria apoiar o painel, garantindo a ambos a competência dos investigadores designados.

Essa situação pode custar caro ao 8º presidente do BAD, que estava em silêncio para um segundo mandato de cinco anos em setembro como o único candidato declarado até o momento.

Esta nova crise dentro do Banco com sede em Abidjan mostra o desequilíbrio administrativo que o governa. Uma luta de poder entre um presidente e administradores, mas a abertura feita a pessoas não regionais que estão tentando controlar.

Desde a sua criação em 1964, o AfDB passou por várias crises. É nessa atmosfera que o ganês Kwame Donkor começou a se abrir para o não regional. Uma idéia materializada em 1983 pelo senegalês Babacar N’Diaye que permitiu a entrada dos Estados Unidos.

A entrada nos EUA agora permite que o AfDB seja um dos 5 bancos classificados como triplo A pelas três principais agências de classificação de risco do mundo (Standard & Poors, Moody’s e Fitch).

Total
1
Comp.
Reportagem Anterior
Seis pessoas são presos por falsificação de documentos em Sete Lagoas - Foto: Divulgação/PCMG

Seis pessoas são presos por falsificação de documentos em Sete Lagoas

Próxima Reportagem

Neymar está pronto para voltar ao FC Barcelona neste verão

Postagens Relacionadas