O Por Dentro de Minas é um portal de notícias de Belo Horizonte e todo o estado de MG. Últimas notícias, informações em tempo real do trânsito, previsão do tempo, agenda cultural, emprego, colunas, blogs e coberturas especiais.
Seguir

PF indicia Aécio e mais onze por irregularidades na construção de Cidade Administrativa

Inquérito investiga corrupção passiva e ativa, desvio de recursos públicos e falsidade ideológica, por ilegalidades cometidas na construção de Cidade Administrativa
Brasília – Senador Aécio Neves, após encontro com o presidente Michel Temer, fala sobre a reforma da Previdência, no Palácio do Planalto (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)
Por Dentro de Minas - Google News
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

A Polícia Federal concluiu a investigação que apura irregularidades na construção da Cidade Administrativa do Estado de Minas Gerais e indiciou o ex-governador e atual deputado federal Aécio Neves (PSDB-MG) e outras onze pessoas por corrupção passiva e ativa, desvio de recursos públicos e falsidade ideológica, por ilegalidades cometidas.

A investigação foi iniciada em 2017 para apurar os fatos revelados por diretores executivos e funcionários do Grupo Odebrecht em procedimento de colaboração premiada homologada pelo Supremo Tribunal Federal. Os fatos remontam ao período entre 2007 e 2010, durante o processo de licitação, contratações e execução da construção da Cidade Administrativa.

Mediante cláusulas restritivas identificadas no edital da obra, o processo de licitação foi dirigido para que determinado grupo de empreiteiras vencesse a licitação. Além disso, há indícios de desvio de recursos públicos mediante contratações fictícias, cujas prestações de serviços não foram executadas. A fraude à licitação e os recursos desviados resultaram no total de 232 milhões de reais de prejuízos que, em valores atualizados, totalizam R$ 747 milhões de danos à Administração Pública.

Doze pessoas foram indiciadas pelos crimes de corrupção passiva e ativa, desvio de recursos públicos e falsidade ideológica, cujas penas máximas, se somadas, totalizam 41 anos de reclusão.

A Por Dentro de Minas não conseguiu contato com a defesa de Aécio Neves.

Para ler mais notícias do Por Dentro de Minas, clique em pordentrodeminas.com.br. Siga também o Por Dentro de Minas no Facebook, no Twitter e por RSS
Total
1
Comp.
Relacionados