Simoni Pinto Coelho

Opinião: O que os empreendedores podem aprender com o filme Fome de Poder

O filme Fome de Poder conta a história do McDonald’s, mostrando a inovação realizada pelos irmãos criadores da lanchonete até sua transformação em uma rede de franquias, tendo a frente o ex-vendedor e ambicioso Raymond Kroc que adquiriu o controle acionário da marca.

Muitas lições empreendedoras podem ser aprendidas com o filme:

Simplificação e padronização de processos – bem à maneira de Taylor e Ford, os criadores da lanchonete idealizaram um sistema de produção que gerou economia de tempos e movimentos, numa linha de montagem de produção do sanduíche, garantindo a qualidade e padronização;

Disrupção no modelo de negócios – enquanto a moda eram os drive-ins que ofereciam serviço de lanchonete servido por garçonetes diretamente nos carros, os irmãos, criaram um modelo que abrangia mais pessoas com um preço mais acessível, eliminando os talheres e pratos e as garçonetes. No novo modelo, o cliente pedia direto no balcão e recebia seu sanduíche em embalagens descartáveis, pelo preço de $0,35 (sanduíche, batata e refrigerante).

Estratégia do Oceano Azul – Ao eliminar elementos dos modelos tradicionais, o McDonald’s criou seu oceano azul, diminuindo custos e  diferenciando a entrega de valor ao cliente.

Valor e identidade de marca – os arcos dourados passaram a ser a referência da lanchonete, assim como as igrejas têm a cruz e os tribunais a bandeira do país. A marca se firmou como uma lanchonete da família para a família. Os primeiros franqueados eram casais recém-casados, com forte senso de trabalho para garantir a padronização e qualidade do produto oferecido.

Monetização – Mas e quando o negócio está tendo sucesso de mercado, mas não está dando o retorno financeiro correspondente? É hora de rever o que de fato lhe rende receita. É hora de rever seu modelo de negócios. No caso da lanchonete mais conhecida no mundo inteiro, com a ajuda de um consultor financeiro, pôde-se perceber que de fato o negócio era imobiliário e não de alimentação. Ao exigir que os franqueados escolhessem um terreno e construíssem o prédio de acordo com as especificações, a franquia passou a comprar os terrenos e arrendá-los aos franqueados. Atualmente a marca é dona das esquinas mais valorizadas do mundo, com um patrimônio imobiliário em torno de R$ 40 bilhões de dólares.

*The Founder. Direção:  John Lee Hancock. EUA, 2017

Relacionados
Simoni Pinto Coelho

Opinião: Qual é a tua obra faz 10 anos e quem ganha o presente sou eu!

Na coluna de Simoni de Cássia Pinto Coelho desta semana, leia: “Qual é a tua obra faz 10 anos e quem ganha o presente sou eu!”.

Deixe uma resposta