ÚLTIMASBelo Horizonte registra primeira morte por dengue em 2020 saiba mais
Marcelo Harger

Opinião: Febeapá

Sérgio Porto era o verdadeiro nome de um personagem que se tornou célebre no Brasil: Stanislaw Ponte-preta. Sob o pseudônimo citado o autor escreveu por vários anos, especialmente durante o regime militar, uma coluna, posteriormente transformada em livro, que se intitulava Febeapá. Febeapá era a abreviação de Festival de besteiras que assolam o país.

Noticiava em sua coluna situações que pareciam verdadeiras anedotas, mas que realmente haviam ocorrido. Relatava que em certa cidade notória pelos roseirais, o Município decidiu acabar com as formigas e para isso decidiu pagar uma soma em dinheiro por lata cheia de formigas que a ele fosse trazida. Não é preciso dizer que pessoas de cidades situadas a mais de cem quilômetros do local acabaram trazendo formigas para a cidade. Outra notícia foi que um prefeito do interior da Bahia declarou em um jornal que metade da câmara de vereadores era composta por ladrões. Diante da reação dos vereadores, no dia seguinte o prefeito ratificou a declaração dizendo que havia uma metade da câmara que não era composta de ladrões. Ninguém percebeu que o prefeito havia reafirmado o que havia dito anteriormente e as coisas se acalmaram.

Contava também que em uma cidade do interior o prefeito havia nomeado o seu cavalo como servidor público e que certo juiz ao ser chamado equivocadamente em um ofício de meretríssimo respondeu que meretíssimo vem de mérito e meretríssimo vem de coisa sem mérito algum.

Noticiava ainda os descalabros cometidos pela polícia. Havia a história de que os agentes do temido DOPS interromperam uma peça de teatro para prender o subversivo autor que se chamava Sófocles. Outra interessante foi uma nota expedida pela polícia do estado de São Paulo. Segundo a referida nota a vítima havia sido encontrada às margens de um rio, retalhada em quatro pedaços e dentro de um saco de aniagem atado a uma pesada pedra. A nota concluía que aparentemente estava descartada a hipótese de suicídio.

A lembrança do Stanislaw é importante, porque o Febeapá continua. No sul do país, por exemplo, foi feita a entrega da reforma no Centro de Eventos da cidade turística de Balneário Camboriú, há um ano e meio, mas as obras ainda não terminaram.

Já no oeste, lá por Rondônia, temos a notícia de um homem que se vestiu de mulher para fazer o teste do Detran no lugar de sua mãe. Alegou estar triste ao ver as tentativas frustradas dela nos testes de direção, e queria demonstrar seu amor lhe presenteando com a carteira de motorista surpresa. Surpresa foi a do policial ao detê-lo…

Sérgio Porto, o Stanislaw Ponte Preta, faleceu em 29/09/68. Passados cinquenta anos da sua morte o Febeapá continua. Resta saber quando o brasileiro dirá: CANSEI.

71 Publicações

Sobre
Colunista da Por Dentro de Minas. Marcelo Harger advogado em Joinville, escritor, membro da Academia Joinvilense de Letras, mestre e doutor em Direito do Estado pela PUC-SP, MBA em Gestão empresarial pela Fundação Getúlio Vargas.
Artigos
Relacionados
Marcelo Harger

Opinião: Quem queria ter sido

Na coluna de Dr. Marcelo Harger desta semana, leia: “Quem queria ter sido”
Marcelo Harger

Opinião: Abudo da Mocidade

Na coluna de Dr. Marcelo Harger desta semana, leia: “Abudo da Mocidade”
Marcelo Harger

Opinião: Um artigo para lembrar

Na coluna de Dr. Marcelo Harger desta semana, leia: “Um artigo para lembrar”
Power your team with InHype

Add some text to explain benefits of subscripton on your services.

Deixe uma resposta