Opinião: Ano Novo

Na coluna de Dr. Marcelo Harger desta semana, leia: “Ano Novo”
Por Dentro de Minas - Google News (pordentrodeminas - googlenews)

Os finais de todos os anos são sempre parecidos. Parece que será o último de nossas vidas. Uma correria infernal. Aparentemente o capeta está solto no dia 31. Inicialmente olhamos as resoluções que fizemos para o ano que se encerra. Algumas são clássicas. Há quem coloque em suas resoluções fazer regime, parar de fumar e beber. É o que faz um grande amigo meu, que fica feliz ao ver que atendeu às próprias expectativas. Afirma sempre que cumpriu as suas resoluções, pois durante o ano que passou fez regime diversas vezes e também parou de fumar e beber outras tantas.

Resoluções de ano novo são assim. Refletem as nossas boas intenções para o ano que se aproxima. É como se a cada período de 365 dias estivéssemos prontos para um recomeço. Recomeçar efetivamente depende de cada um.

Acreditar que tudo irá mudar pela simples virada do ano é ingenuidade. Não é o ano que precisa mudar. Somos nós. Para termos um ano novo efetivo temos que merecê-lo. O ano novo verdadeiro está dentro de cada um e não em uma data específica. Não é preciso esperar o calendário para operar uma mudança de atitude. A data serve como um símbolo e nada mais. Cada dia que passa podemos dar início a um “novo ano” em nosso calendário interno.

Não é preciso uma lista para deixar mofando em uma gaveta. Tampouco adianta chorar pelas besteiras praticadas no ano que passou. É necessário seguir adiante. Certa vez uma tia-avó sábia, deu uma grande lição aos seus sobrinhos diante das adversidades. Dizia ela que a vida é como um livro. O passado são as páginas que já lemos. Aquele trecho da história já conhecemos, e não adianta voltar atrás porque não será mudado. Devemos seguir em frente, lendo o livro.

Lição importante, mas que merece um pequeno reparo. Ela vale para o passado. Não podemos mudar as páginas já escritas, mas em relação àquelas ainda não lidas, não somos meros espectadores. Não nos cabe o papel de ficar lendo mansamente a história. Na verdade somos os escritores. O futuro é uma página em branco. Cada um pode fazer o que quiser com ela. Podemos utilizar régua, esquadro e compasso e trazer coordenadas precisas para o nosso futuro, ou podemos desenhar a mão livre e continuar a utilizar constantemente a borracha do arrependimento.

Podemos escrever uma história de sucesso, amor e amizade, mas também uma verdadeira história de terror. Somos responsáveis pelo enredo, pois cada um tem a vida que escolheu viver. É certo que há dificuldades que não são criadas por nós, mas o modo de enfrentá-las depende de cada um. A boa e a má sorte constantemente se alternam na vida humana. Ninguém tem sempre a felicidade, tampouco viverá sempre na adversidade.

Certa vez um imperador pediu a um sábio duas frases lacradas em um envelope. A primeira para que ele pudesse ler no momento mais triste de sua vida e a segunda no momento mais feliz. Ao se deparar com o dia mais triste, abriu o envelope e leu a frase que encomendara: isso passará. No momento mais feliz abriu o segundo envelope e surpreendeu-se ao ler: isso também passará.

Parábola simples que retrata uma maneira sábia de encarar a vida. Ensinamentos como esses são repetidos nas canções de ano novo. Há uma que diz: marcas do que se foi, sonhos que vamos ter, como todo dia nasce novo em cada amanhecer. E outra que serve para encerrar definitivamente o ano e o artigo: adeus ano velho e um feliz ano novo a todos.

Total
1
Shares
Reportagem Anterior

Evite o coronavírus fortalecendo o seu sistema imunológico através da alimentação

Próxima Reportagem

Corpo de criança de 2 anos é encontrado quase 48 horas após desaparecer em Juatuba

Postagens Relacionadas