Redes Sociais

Últimas de Variedade

Conheça o templo dos Santos dos Últimos Dias no Brasil

• atualizado em 12/03/2019 às 20:32

A Igreja dos Santos dos Últimos dias, erroneamente conhecida como Igreja Mórmon, começa sua história no Brasil em 1913, com a chegada dos alemães Max e Amelie Zapf.

Quase 20 anos depois, foi construída a primeira capela da igreja em Joinville para receber aos 148 membros que existiam nessa época e desde então a igreja não parou de crescer.

Atualmente dos 159 templos existentes da Igreja, 6 se encontram no Brasil e se espera que nos próximos anos seja construindo um sétimo templo para atender a mais de um milhão de membros no país.

Os templos no Brasil

Um templo é o lugar mais sagrado de adoração para os membros da Igreja. Ali, além de aprenderem mais sobre o Evangelho de Jesus Cristo, os membros participam em cerimônias sagradas.

Templo de São Paulo – Foto: Divulgação

Templo de São Paulo

Foi inaugurado em 30 de outubro de 1978 e foi o primeiro templo da igreja que foi construído no Brasil e em toda América do Sul. Está localizado na Avenida Professor Francisco Morato, 2390, Caxingui.

O Templo possuí duas salas de ordenações e quatro salas de selamento, e tem uma área total de 5.504 m2.

Templo de Recife

Foi inaugurado faz 19 anos e se encontra na rua Dr. José de Góes, 280, Parnamirim. Foi o segundo Templo construído no país e conta com 3.460 m2 de construção, dois salões para as ordenações e três salões de selamento matrimonial.

Templo de Porto Alegre

Foi inaugurado dois dias depois do de Recife, em 17 de dezembro de 2000 e é o terceiro Templo no país. Está localizado na Rua General Salvador Pinheiro, 50, sobre uma colina no distrito de Vila Jardim.

Foi construído com granito branco extraído do estado do Ceará e conta com dois salões para as ordenações e dois salões de selamento matrimonial.

Templo de Campinas

Está localizado na Rua James Esdras Faust, 400, Notre Dame desde o dia 17 de maio de 2002. O terreno do templo conta com 2.5 hectares e 4,470 m2 de construção. Possui quatro salões para as ordenações e três salões de selamentos matrimoniais. Foi o quarto templo construído no Brasil.

Templo de Curitiba – Foto: Divulgação

Templo de Curitiba

Está localizado na Rua Deputado Heitor Alencar Furtado, 3641, Mossunguê e desde o dia 1 de junho de 2008. Tem um total de 2.590 m2 de construção sobre um terreno de 4,4 hectares e conta com dois salões para as ordenações e dois salões de selamentos matrimoniais.

Templo de Manaus

O sexto Templo no país está localizado na Avenida Coronel Teixeira, 3162, Ponta Negra e foi inaugurado no dia 12 de junho de 2012. Tem aproximadamente 3.000 m2 de construção e uma altura total de 38,4 metros.

Tem apenas um pináculo onde está localizada a tradicional estátua dourada de Moroni, com quatro metros de altura. Foi construído em uma propriedade de 3,2 hectares. Conta com dois salões para ordenações SUD com capacidade para 84 pessoas e dois salões de selamentos matrimoniais.

Templo de Fortaleza

Atualmente está sendo construído e será o sétimo templo no país. Ainda não se sabe a data de inauguração.

O edifício contará com apenas uma torre e uma cúpula construída sobre uma colina ligeiramente ascendente para oferecer lindas vistas da cidade. O projeto para a construção também inclui a instalação de um edifício de residências para patronos viajantes de longas distâncias, uma capela e um edifício de manutenção.

Quem pode entrar nos templos

Como mencionamos anteriormente, os templos não estão abertos ao público. Mas por um tempo, especialmente quando os templos foram recém construídos, existem “open houses”. Durante esses eventos as pessoas de todas as idades e religiões são bem-vindas para entrarem e andarem no templo.

Uma vez inaugurado, a entrada ao templo está reservada aos membros que se comprometeram a viver o evangelho de Jesus Cristo e que estão preparados para participar das ordenações, embora os terrenos ao redor do templo permaneçam abertos ao público. Para entrar, os membros são recebidos na entrada onde apresentam um cartão certificado pelo chefe da Igreja local.

O vestuário dos templos

Os membros da Igreja que entram no templo devem mudar de roupa para uma roupa branca antes de participar dos serviços do templo. Essa mudança de roupa serve como uma lembrança de que estão entrando em um lugar sagrado. O vestuário branco simboliza a pureza, enquanto que se vestir igual no templo cria um sentido de unidade e igualdade.

A diferença entre um templo e uma capela

Os centros de reuniões regulares (capelas) são utilisadas para os serviços de adoração dominicais e as atividades diárias, como grupos juvenis, eventos sociais e eventos esportivos. Esses estão abertos ao público em geral e os visitantes podem observar ou participar, diferente dos templos.

Devido ao crescimento da Igreja, várias pessoas se perguntam sobre o que os Santos dos Últimos Dias acreditam; se você também tem essa dúvida te convidamos a visitar o página na internet.

Continua lendo
Publicidade
Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas de Variedade

Cirque Du Soleil estreia encantando Belo Horizonte

Espetáculo OVO, do Cirque du Soleil, estreou a sua turnê pelo Brasil

OVO - Cirque du Soleil - Foto: Lucas Hallel/IMM

A expectativa acabou. Finalmente o espetáculo OVO, do Cirque du Soleil, estreou a sua turnê pelo Brasil. Para tornar tudo ainda mais especial, a primeira parada foi justamente Belo Horizonte. Na noite de quinta-feira, 07/03, o público mineiro teve a oportunidade de acompanhar de perto a magia das cores, o contorcionismo impressionante e as acrobacias de tirar o fôlego do show dirigido pela brasileira Deborah Colker, primeira mulher no comando de um show da companhia. Quem esteve no Mineirinho, pôde vivenciar uma apresentação vibrante que mostrou uma viagem por um ecossistema repleto de vida, em uma produção amplamente inspirada na cultura brasileira. Momento para ficar na memória.

O Cirque du Soleil segue encantando os mineiros até o próximo dia 17/03, domingo que vem. E ainda dá tempo de garantir uma entrada. Os ingressos seguem a venda no site: //www.tudus.com.br/ e na Bilheteria Oficial do evento, no Shopping Cidade. Após BH, OVO segue para o Rio de Janeiro (21 a 31 de março), Brasília (05 a 13 de abril) e, por fim, São Paulo (19 de abril a 12 de maio).

 CIRQUE DU SOLEIL – ESPETÁCULO “OVO” EM BELO HORIZONTE

Local: Ginásio Mineirinho

Endereço: Av. Antônio Abraão Caram, 1001 – Pampulha

Data: 07 A 17 de março de 2019

Horário: Terça-feira, às 21h

               Quarta, quinta e sexta-feira, às 17h* e 21h

               Sábado, às 13h*, 17h e 21h

               Domingo, às 14h* e 18h* / às 16h e 20h

               *apenas em datas específicas

Abertura do local: 1h30 antes do evento

Capacidade: 5.918 lugares

Duração: 2 horas com 20 minutos de intervalo

Classificação: Livre. Menores de 12 anos de idade somente acompanhados dos pais ou responsáveis legais. Sujeito à alteração por decisão Judicial.

Acesso para deficientes: Acesso e assentos destinados apenas para cadeirantes mais 01 acompanhante

Continua lendo

Últimas de Variedade

8ª edição do Festival do Japão em Minas será em fevereiro no Expominas

Evento será entre os dias 22 e 24/02 e terá apresentações culturais, oficinas de arte, exposições, campeonato de hashi, concursos e muitas outras atrações

Uma verdadeira imersão nas tradições, delicadeza, beleza, cultura e muita diversão aguardam os visitantes do 8º Festival do Japão em Minas, entre os dias 22 e 24 de fevereiro de 2019, no Expominas, em Belo Horizonte. É o maior evento do Estado sobre a cultura japonesa e vem sendo realizado na capital mineira desde 2012, com foco em propagar a cultura e possibilitar o intercâmbio cultural, social e econômico.

O tema desta edição aborda a história do Japão feudal, seus castelos e samurais. A exposição “História do Japão Feudal, seus Castelos e Samurais” vai apresentar os três castelos que receberam o título de Patrimônio da Humanidade pela Unesco, além dos tesouros nacionais e outros castelos famosos do Japão. Há também o destaque aos samurais, sua origem e seu rígido código de conduta, lealdade e disciplina, o Bushido. O festival conta com a exposição “Províncias Japonesas e Cidades Históricas Mineiras”, com detalhes e curiosidades das duas nações e a exposição de Ikebanas, os famosos e artísticos arranjos florais japoneses.

O evento busca aproximar o público mineiro da cultura japonesa, trazendo diversos grupos nacionais e locais. A programação se ampliar a cada ano e inclui apresentações culturais, oficinas de arte, concursos e áreas de experimentação, além dos estandes institucionais e empresariais, games, gastronomia e bazares.

Apresentações e oficinas

Entre as apresentações artísticas, grupos selecionados confirmaram sua presença para mostrar a beleza e força da música e tradição japonesas: Rio Nikkei Taiko (RJ), Grupo de Taiko Mitsuba (SP), Mitsuba Yosakoi Soran (Nipo Campinas – SP), Mitsuba Wadaiko (Nipo Campinas – SP), Pop Mania (Nipo Campinas – SP) e também o Rizumo Taisso (SP). Além disso, temos os grupos de taiko, danças tradicionais japonesas e artes marciais de Minas Gerais, entre outras atrações.

Este ano serão oferecidas 12 oficinas, com diversas turmas, dentre as modalidades: Taiko, Orinuno, Oshibana-ê, Washi-ê, Sumi-ê, Oshi-ê, Furoshiki, Mangá, Pipamodelismo e Ikebana. Os horários previstos são das 15h às 21h no dia 22/02 (sexta-feira); de 11h às 13h e das 14h às 20h30, no dia 23/02 (sábado) e das 11h às 13h e 14h às 16h, no domingo (24/02). As vagas são limitadas e as inscrições serão feitas por ordem de chegada. Para participar, basta procurar a área de oficinas no Expominas e se inscrever 10 minutos antes de cada atividade.

A oficina de Taiko ensina mais sobre essa espécie de tambor, que é um importante instrumento de percussão da cultura japonesa. Kirigami é a arte refinada de recortar papéis e Orinuno é a arte japonesa de dobradura de tecido. Oshibana-ê é uma técnica de desidratar flores, folhas, galhos, frutas e verduras mantendo sua textura e cor originais com o objetivo de transformá-las em trabalhos artísticos e a técnica de Washi-ê utiliza papel produzindo artesanalmente no Japão para formar e construir desenhos.

Sumi-ê significa tinta preta e ê significa pintura, desenho e traduz-se como a arte de produzir pinturas singelas com temas da natureza e do cotidiano. O Oshi-ê consiste em compor figuras como flores, pássaros e personagens através de desmembramentos de várias partes as quais são recortadas em papelão forrado com espuma e algodão. Já o Furoshiki é a técnica tradicional de embrulho japonês, uma modalidade eco-friendly pela reutilização de tecidos. O Mangá, mais conhecido entre os brasileiros é uma técnica de desenho para quadrinhos, assim como o Pipamodelismo é a técnica de criação de pipas. Por fim, a Ikebana é a arte japonesa de arranjos florais.

Mais atrações

Uma das atrações mais apreciadas de todas as edições é a famosa Cerimônia do Chá. É uma manifestação que pode ser considerada a síntese de todas as expressões culturais do Japão, onde se encontram os conceitos contemplativos e meditativos do zen, entre outros. Esta cerimônia vai muito além de uma simples degustação de chá, sendo um verdadeiro caminho praticado para despertar e conscientizar os valores humanos. Seus princípios são a harmonia, respeito, pureza e tranquilidade.

Várias outras áreas permitem a participação do público como a Experimentação de Origami (a tradicional arte japonesa de dobradura de papel criando quaisquer figuras e objetos com as dobras “geométricas” de papel), a Experimentação de Baseball (com detalhes sobre esse esporte tão popular no Japão) e também  a Experimentação de Artes Marciais Japonesas, onde quem visitar o festival poderá ver e aprender um pouco sobre os diversos tipos de artes marciais com professores e praticantes de alto nível.

Outra área concorrida que envolve o público é o campeonato de hashi. Em poucos minutos, quantos grãos de feijão uma pessoa consegue pegar usando os hashis, os famosos palitinhos japoneses que funcionam como talheres? Além de habilidade, é preciso saber como segurar e usar corretamente os palitos ou o feijão pode escapar e essa é a premissa do campeonato, que movimenta o público do festival e rende muita diversão.

A Área de Cultura Pop Japonesa terá diferentes atrações para o público como a exposição inédita de “Hobby Japan- Action Figures, Estátuas e Plastimodelismo” e a Exposição de Ilustrações de Shojo Mangá. O espaço também terá um local dedicado aos quadrinhos, apresentações de grupos cover e de J-pop, karaokê de músicas de anime e games.

O concurso Miss Nikkey Minas Gerais 2019 será realizado no sábado (23/02), às 19h30, durante o Festival do Japão em Minas. Seu foco é promover a integração das descendentes japonesas de diferentes cidades, divulgar a beleza nipo-mineira e também preservar e exaltar a cultura japonesa. Nossas misses tem destaque no cenário nacional. As inscrições são gratuitas. Podem participar candidatas com ascendência japonesa de qualquer grau, inclusive mestiças, de 15 a 30 anos de idade.

As candidatas desfilarão com três trajes: vestido longo, traje japonês e traje casual ou banho. A primeira colocada, além de receber o título de Miss Nikkei Minas Gerais 2019, ganhará uma viagem para São Paulo para participar do Miss Nikkey Brasil em julho. As vencedoras receberão também prêmios oferecidos pelos patrocinadores.

Também neste ano temos o concurso Harajuku Fashion. Harajuku é o bairro da moda de Tóquio. Nas suas ruas principais encontram-se tanto as butiques mais prestigiosas do mundo, como algumas lojas que uma pessoa desavisada não saberia o que pegar se a roupa fosse grátis. É um fenômeno tratado acima do conceito de moda, como um estilo de vida para homens e mulheres. A ideia do concurso é a de trazer exemplos do estilo que faz a cabeça dos jovens japoneses.

Já o concurso de Cosplay será realizado no domingo (24/02), às 16h30. Seu objetivo é estimular a prática e mostrar aos presentes um pouco dessa tendência símbolo da cultura pop japonesa. Os troféus serão entregues para 1º, 2º e 3º lugares. Cosplay é a abreviação do termo em inglês costume play (costume/fantasia+play/brincar), podendo ser traduzido como “representação de personagem a caráter”. Os jovens se fantasiam de personagens oriundos de animes, mangás, quadrinhos, jogos ou ainda de grupos musicais. A diferença do cosplay para uma fantasia comum é que a pessoa incorpora a personagem em todos os aspectos, reproduzindo seus movimentos e trejeitos. Os participantes (ou jogadores) dessa atividade chamam-se, por isso, cosplayers.

Ações de Responsabilidade Social

A organização do Festival desenvolve diversas as ações de promoção à cidadania, como a disponibilização de 1.600 ingressos gratuitos para alunos de escolas públicas municipais da cidade de Belo Horizonte. Além disso, serão distribuídas mudas de cerejeiras, como forma de fomento à sustentabilidade, por meio de sorteio entre os participantes.

Além da infraestrutura acessível do Expominas, o evento conta com um intérprete de libras, que permanecerá durante toda a programação no palco principal, e também haverá um painel em braile para deficientes visuais conhecerem e acompanharem as mais de 30 atividades previstas.

Assim como na edição passada, haverá coleta seletiva de lixo produzida pelo evento. As novidades da 8ª edição são a divulgação do “Projeto Piloto de Reciclagem de Veículos”, do CEFET de Minas Gerais, que foi empreendido com tecnologia japonesa e desenvolvido em parceria com o Consulado.

Quem faz

O Festival do Japão em Minas é uma realização da Associação de Cooperação em Cultura e Tecnologia Brasil-Japão e do Escritório do Cônsul Geral Honorário do Japão em Belo Horizonte e do Consulado Geral do Japão no Rio de Janeiro (Jurisdição Minas Gerais). O evento conta com apresentação da CBMM e patrocínio da CEMIG, Cenibra, Usiminas, VSB, Bradesco, além do apoio da BELOTUR/Prefeitura Municipal de Belo Horizonte, por meio de patrocínio de editais e das Leis Federal e Estadual de Minas Gerais de Incentivo à Cultura.

O visitante do Festival do Japão pode aproveitar a vinda ao evento para conhecer os atrativos de Belo Horizonte, uma cidade surpreendente que proporciona novas experiências como uma forma de promovermos uma integração entre culturas tão ricas e diversas. Vale à pena conferir a riqueza da tradição japonesa e conhecer Belo Horizonte!

8º Festival do Japão em Minas – edição 2019

Data: 22 a 24 de fevereiro de 2019

Horários: Dia 22/02 – sexta-feira, das 14h às 22h

Dia 23/02 – sábado, das 10h às 22h

Dia 24/02 – domingo, das 10h às 19h

Local: Expominas – Avenida Amazonas, 6200 – Gameleira – Belo Horizonte – Minas Gerais

Ingressos: R$18,00 inteira, R$9,00 meia-entrada – por dia de evento, vendidos na portaria

Mais informações: //www.festivaldojapaominas.com.br

Continua lendo

Últimas de Variedade

Premiação e festa são destaques da 1ª BH Dance Conference

Cena eletrônica mineira viverá importante encontro para networking, balanço e celebração da música e seus grandes personagens, como DJ’s e empreendedores da área

O Expominas receberá, no próximo dia 31 de janeiro, a primeira edição da BH Dance Conference, um encontro de produtores, DJs e interessados pela música eletrônica. Na pauta, discussões no formato de painéis, premiação e festa farão parte do roteiro oferecido ao público. O evento promete apresentar grandes nomes da cena nacional para reflexões sobre o segmento, além de um intercâmbio focado na troca de experiências de quem vive da Techno music e a respeito dos principais festivais do país – com relatos de seus próprios organizadores, como Luiz Eurico – responsável pelo Skol Beats e a Tomorrowland Brasil, Du Serena – DJ e sócio do “Tribe”,e Fabrício Capute, comandante de uma das festas mais comentadas de Minas Gerais: o Sunset Festival.

As categorias “Personalidade”, “Melhor DJ / Produtor”, “Melhor DJ do Interior (de MG)”, “DJ Revelação”, “Melhor VJ”, “Melhor Casa Noturna” e “Melhor Festa” surgem para incentivar os profissionais e aspirantes, bem como destacarem os talentos que o Estado vem projetando na área do entretenimento musical. A escolha será feita pelo público, a partir do dia [acrescentar data correta], por meio de votação popular disponibilizada no site bhdanceconference.com.br. A partir de 21h30, logo após as conferências, o “Melhores da Cena Mineira” apresentará os grandes nomes escolhidos pelos internautas.

No encerramento, o gran finale do BH Dance Conference reserva uma festa especial na Arena Expominas – com estimativa de público em três mil pessoas. Às 22h30, os DJs Gabe, Meme, Breno Rocha, Capute e The Fish House e diversos convidados agitarão os presentes. O acesso à BH Dance Conference será gratuito e mediante à doação de 1Kg de alimento não perecível, a ser destinado para o Servas – Serviço Voluntário de Assistência Social, associação civil, sem fins econômicos, que tem como objetivo promover e executar ações sociais em Minas Gerais.

SERVIÇO:

 

BH DANCE CONFERENCE

Data: 31 de janeiro (quinta-feira)

Horário: de 14h às 05h

Local: Expominas

Programação:

14h – Abertura – palestra com Aluízer Malab (Presidente

Belotur) e Gustavo Ziller (7 Cumes)

15h – Clubes & Festas: Tamanho é documento? Qual a

próxima tendência? Léo Ziller – MEDIADOR (BH Dance

Festival e #Secreto)

Eduardo Phillips (Green Valley)

Kiko Gravatá (naSala e NS Eventos)

Mário Sérgio Albuquerque (Laroc Club)

Octávio Fagundes (Privilège)

Otacílio Mesquita (OTM Produções)

Romeu Marques (Plim Produções)

16h – Booking & Managment: painel com as maiores

agências do país

Anderson Noise – MEDIADOR (DJ e Produtor)

 

Albie – Boost Management/Nova Bookings/Hub Records

Anderson Rago (Artist Factory)

Du Serena (Kontrol e Tribe)

Luiz Eurico (PlusNetwork)

Octávio Fagundes (Grupo Privilège)

Ralpho Albuquerquee (Season Bookings)

 

17h – Produção Musical: grandes produtores, grandes

carreiras

Anderson Rago – MEDIADOR (Artist Factory)

Anderson Noise (DJ e Produtor)

Fabrício Capute (DJ e Produtor)

Gabe (DJ e Produtor)

KVSH (DJ e Produtor)

Memê (DJ e Produtor)

 

18h – DJs: As definições de DJ foram atualizadas?

Cláudio da Rocha Miranda Filho – MEDIADOR (Brazil Music

Conference)

Anderson Noise (DJ e Produtor)

Breno Rocha (DJ e Produtor)

Du Serena (DJ e Produtor)

Fabrício Capute (DJ e Produtor)

Gabe (DJ e Produtor)

Memê (DJ e Produtor)

Pete Tha Zouk (DJ e Produtor)

 

19h – Marketing update: mixando mídias & experiências

Felipe Marreco – MEDIADOR (Behub e Major Lock)

Albie – Boost Management/Nova Bookings/Hub Records

Claudio da Rocha Miranda Filho – (BRMC e Rock in Rio)

Felipe Senne – (Boost Management/Nova Bookings/ Hun Records & Sonzeira)

Luiz Eurico – (Plusnetwork)

Pete The Zouk – (DJ e Produtor)

 

20h – Grandes Festivais: temos um belo passado pela

frente

Cláudio da Rocha Miranda da Rocha Filho – MEDIADOR (Brazil Music

Conference)

Didio Mendes (Label #12)

Du Serena (Tribe)

Eduardo Philipps (Green Valley)

Luiz Eurico (Plusnetwork & Tomorrowland Brasil)

Mario Sergio Albuquerque (Laroc Club & Tomorrowland Brasil)

Octavio Fagundes (Grupo Privilège)

Otacílio Mesquita (OTM Produções)

Romeu Marques (Plim Produções & Tr3nds Agency)

 

21h30 – Premiação Melhores da Cena Mineira

22h30 – Festa

05h – Encerramento

Informações e votação: www.bhdanceconference.com.br

Continua lendo