Redes Sociais

Últimas de Variedade

VAC 2019 reúne 24 atividades em 11 espaços culturais de BH

De 23 de janeiro a 17 de fevereiro, o Verão Arte ocupará 11 espaços culturais da cidade com 24 atrações; João das Neves e Agnès Varda serão homenageados no VAC 2019

Verão Arte Contemporânea (VAC) chega a sua 13ª edição e traz inúmeras atrações para os belo-horizontinos de 23 de janeiro a 17 de fevereiro. Durante 26 dias, serão 24 atividades em 11 espaços culturais da capital mineira. Artes Visuais, literatura, gastronomia, música, dança, cinema e teatro estão na programação do Verão Arte. O festival é realizado e idealizado pelo Grupo Oficcina Multimédia (GOM), que em 2018 completou 40 anos de existência. Toda a programação do VAC tem preços populares ou entrada franca. Nas atrações gratuitas é necessário retirar convite uma hora antes do espetáculo.

Ione de Medeiros, diretora do GOM, ressalta que o VAC tem, desde a sua primeira edição, a proposta de incentivar a pesquisa e a experimentação nas artes. “É uma característica do festival valorizar a criação artística local e introduzir novidades a cada edição. O GOM investe na organização do VAC e na curadoria das atrações. A diversidade das artes também é algo que caracteriza o VAC”.

O destaque para a edição de 2019 fica por conta das homenagens especiais que serão realizadas para dois grandes nomes, um do teatro e outro do cinema. No teatro, o VAC vai fazer uma homenagem póstuma ao dramaturgo e diretor João das Neves. A homenagem será realizada em um evento de encerramento no CCBB. Com duração de três dias, o evento terá duas apresentações do espetáculo Madame Satã e um show reunindo músicos como Titane e Rufo Herrera e convidados. Também haverá leituras de textos escritos por João das Neves com a presença de Frei Chico e Pedrina com a Guarda de Congados de Oliveira.

A outra homenageada será a cineasta Agnès Varda, considerada uma das mais importantes representantes da Nouvelle Vague. A mostra será realizada em parceria com o Instituto Francês, Cinemateca da França no Brasil, Embaixada da França no Brasil, Cine Sesc Palladium, Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), Cine Humberto Mauro, Fênix Distribuidora de Filmes e Instituto Moreira Salles. Para esta mostra, no Cine Sesc Palladium e CCBB haverá um debate com o público com a participação do crítico e jornalista francês Serge Kaganski, inaugurando uma parceria entre o VAC e o Instituto Francês, por meio do adido de cooperação e ação cultural da Embaixada da França em Minas Gerais, Philippe Makany.

O VAC 2019 se estende para o interior de Minas, em parceria com o projeto Poente Cultural UFMG do Campus Cultura UFMG em Tiradentes com a apresentação do espetáculo O Atormentador no Museu Casa Padre Toledo.

Este ano, o VAC conta com a parceria das instituições: UniBH, Centro Cultural Banco do Brasil, Sesc em Minas, Centro de Referência da Juventude, Fundação Municipal de Cultura, Secretaria Municipal de Cultura, Prefeitura de Belo Horizonte, Cinema Belas Artes, Restaurante Bem Natural, Restaurante Cantina do Lucas, Hotel Dayrell, Fênix Distribuidora de Filmes, Textura, Impressões de Minas, Bird House, Cinemateca da Embaixada da França, Instituto Francês, Embaixada da França no Brasil, Instituto Moreira Salles, Museu Casa Padre Toledo, Fundação Rodrigo Mello Franco de Andrade, Campus Cultural UFMG, Diretoria de Ação Cultural da UFMG, Minas Tênis Clube, Fundação Clóvis Salgado, Rede Minas, Memorial Minas Gerais Vale, Circuito Liberdade, IEPHA, Secretaria Estadual de Cultura de MG, Governo de Minas, Governo Federal, além das parcerias com os artistas loca is.

“Além dessas importantes parcerias, temos que destacar a apresentação e patrocínio do Banco do Brasil e do UniBH. Isso nos possibilita uma festival com melhores condições financeiras, retorno para os artistas e uma melhor divulgação do evento”, ressalta Ione de Medeiros. O Verão Arte Contemporânea 2019 é realizado com recursos da Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Belo Horizonte.

Abertura

O show “Caminhando contra o vento” abre a programação do VAC 2019 com a Orquestra UFSJazz Big Band, de São João Del Rei, e Aline Calixto com participação especial de Assucena Assucena e Raquel Virgínia(As Bahias e a Cozinha Mineira). A apresentação será no dia 23 de janeiro, às 20h, no Grande Teatro do Sesc Palladium. Os ingressos serão vendidos por R$ 2,00 (inteira) e R$ 1,00 (meia). A classificação é livre. “Vamos lançar o evento em clima de festa homenageando o direito à liberdade criativa. Com esta proposta queremos promover uma reflexão sobre os tempos atuais”, conta Ione de Medeiros.

Teatro

De 25 a 28 de janeiro, o CCBB recebe o espetáculo “O Atormentador”, com direção de Eid Ribeiro. A peça é inspirada na história política e poética da América Latina, experiência extremamente rica com pinceladas de humor, a trama mescla lendas, fábulas, utopias e distopias. Com apresentações sempre às 19h, os ingressos para “O Atormentador” serão vendidos por R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia). A classificação é 12 anos. Este mesmo espetáculo será apresentando no dia 22 de janeiro em Tiradentes no Museu Casa Padre Toledo às 20 horas. Com entrada franca.

O coletivo Toda Deseo entra em cartaz com o espetáculo “Glória” de 01 a 04 de fevereiro, também no CCBB. A montagem da companhia formada por artistas mineiros debate o papel das religiões e a relação com o preconceito contra LGBTs. O coletivo define “Glória” como uma tentativa árdua de criar outra narrativa sobre o pecado, um manifesto pela anti-culpa. Um trabalho sobre liberdade. Os ingressos serão comercializados por R$ 30,00 (inteira) e R$ 20,00 (meia). A classificação é 18 anos.

Já de 08 a 11 fevereiro é a vez do Coletivo Bacurinhas ocupar o Teatro II do CCBB com o espetáculo “Ópera Bruta”. A peça lança um olhar para aquilo que nos soa masculino. As narrativas sobre o homem e a partir do homem. Em cena as artistas Ana Cecília, Fernanda Rodrigues, Manu Pessoa, Michelle Sá e Idylla Silmarovi. A direção é de Juan Castrel. Os ingressos serão vendidos por R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia). A classificação é 18 anos.

“Jornada” do Planos Incríveis estreia no VAC 2019 no dia 13 de fevereiro e fica em cartaz até o dia 16 de fevereiro, no Teatro II do CCBB. O espetáculo conta a história de três mulheres que se encontram numa jornada rumo a outro país. A peça é dividida em três partes e o elenco é formado por Camila Morena da Luz, Gláucia Vandeveld e Juliana Martins. De quarta a sábado, às 18h. Ingressos por R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia). A classificação é de 14 anos.

Encerrando a programação teatral do VAC, o Grupo dos Dez apresenta “Madame Satã” homenageando João das Neves. Madame é um espetáculo poético e político sobre a luta de invisíveis. No espetáculo, o Grupo das Dez se vale da biografia de um dos mais peculiares personagens brasileiros para dialogar com questões que permeiam a crítica contra a homofobia e o racismo. Apresentações serão realizadas nos dias 15 e 16 de fevereiro, sexta e sábado, às 20h, no Teatro I do CCBB. Ingressos a R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia. Classificação 16 anos.

Música

Formado pelos músicos Joanna Bello, Rodrigo Bustamante, Gerry Varona e Isabele Alves, o Quarteto Guignard apresenta o “Concerto de Música de Câmara” no dia 24 de janeiro, quinta-feira, às 19h, no Teatro II do CCBB. O programa escolhido para a apresentação no VAC abrange obras dos compositores brasileiros Arthur Barbosa, Maria Cimbleris, Daniel Wolff e Ernesto Nazareth, além dos compositores Bela Bartok e Claude Debussy. Os ingressos para o concerto custam R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia). A classificação 10 anos.

Já no dia 31 de janeiro, quinta-feira, às 19h, os cantores Felipe Continentino e Fred Selva se apresentam no Teatro II do CCBB. Com um repertório baseado na experimentação e na improvisação a partir de um roteiro previamente definido, o duo explora as sonoridades possíveis com a mescla entre bateria, vibrafone e ferramentas da música eletrônica. Na apresentação, o duo receberá a participação especial de instrumentistas e artistas visuais. Ingressos a R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia). Classificação livre.

O projeto Poliphonicos ocupa o Teatro II do CCBB no dia 1º de fevereiro, sexta-feira, às 19h. Os DJ’s Preto C e Tobias realizam releituras ao vivo de clássicos da Black Music Nacional. Acompanhados do guitarrista Helder e do baixista Luiz Prestes, eles apresentam hits de Jorge Ben Jor, Tim Maia e outros grandes nomes da MPB. Os ingressos custam R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia). A classificação é livre.

A banda mineira Unión Latina apresenta o show “La Negra Tierra” no Teatro I do CCBB. O repertório do show será baseado no disco de mesmo nome misturando diferentes ritmos latinos como salsa, son, cumbia, maracatu, samba, latin jazz, entre outros. O show será no dia 07 de fevereiro, quinta-feira, às 20h. Ingressos por R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia). Classificação livre.

O músico Artur Andrés apresenta o show “Artur Andrés Ensemble” nos dias 09 e 10 de fevereiro, sábado e domingo, às 20h, no Teatro I do CCBB. O espetáculo apresenta músicas do flautista e compositor que é ex-integrante do Grupo Uakti. Artur estará acompanhado pelos músicos Alexandre Andrés, José Henrique Soares, Natália Mitre, Bruno Vellozo e Regina Amaral. Ingressos a R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia). Classificação livre.

O Duo Qattus (cello e percussão) se junta ao grupo Sonante 21 (voz, flautas, piano, guitarra, contrabaixo e percussão) para o concerto Coming Together, de Frederic Rzewski, e improvisações sobre filmes mudos. A apresentação será no dia 13 de fevereiro, quarta-feira, às 20h, no Teatro I do CCBB. Classificação livre.

Também no dia 13 de fevereiro, Gustavito Amaral e Thiago Braz lançam o álbum “Universo Reflexo”, às 21h, no Teatro do Minas Tênis Clube. Universo é o terceiro álbum de Amaral em parceria com Braz. São duas vozes e violões que trazem uma sonoridade leve com a participação de convidados especiais. Os ingressos custam R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia). E a classificação é livre.

Já no dia seguinte, 14 de fevereiro, quinta-feira, a cantora Júlia Branco apresenta o show “Soltar os Cavalos”, baseado em seu primeiro álbum solo produzido e dirigido por Chico Neves. Com repertório de composições próprias ou de parcerias com artistas como Letrux, Júlia é acompanhada por Chico e Luiza Brina no palco. O trabalho da artista apresenta versões em CD, vinil e vídeo-álbum. A apresentação será no Teatro I do CCBB, às 20h. A classificação é livre e os ingressos serão vendidos por R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia). Classificação Livre.

Titane, Rufo Herrera e convidados encerram o VAC 2019 com uma homenagem a João das Neves reunindo música, textos e vídeo com imagens e depoimentos de João das Neves.A cantora Titane convida renomados artistas mineiros para um show que homenageará o diretor e dramaturgo João das Neves, falecido em 2018. A apresentação será no Teatro I do CCBB no dia 17 de fevereiro, domingo, às 20h. Ingressos a R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia). Classificação livre.

M.A.R.P

O Movimento de Arte e Reflexão Política, M.A.R.P, foi criado em 2006, retornou ao VAC em 2018 e se mantém na programação do festival este ano. O M.A.R.P. pretende refletir sobre inquietações relacionadas à arte e à cultura na atualidade. No dia 08 de fevereiro, sexta-feira, às 19h, o Teatro I do Centro Cultural Banco do Brasil recebe a exibição do filme “Slam – Voz de Levante”, com direção de Tatiana Lohman e Roberta Estrela D’Alva. O filme será comentado pelo poeta Ricardo Aleixo, com mediação de Nilcéa Moraleida. A entrada é franca e a classificação é 16 anos.

Gastronomia

O “VER(ÃO) – O Jantar Secreto” será realizado no dia 25 de janeiro, sexta-feira, às 19h, no CRJ – Centro de Referência da Juventude/PBH. Nesse jantar, é montada uma grande mesa para 30 pessoas desfrutarem de uma refeição, cujo cardápio é mantido em segredo até o momento da degustação. “O Jantar nasceu para formar significados, para nomear aquilo que sentimos dentro, sem a necessidade sequer de buscar por sinônimos. É uma noite com experiências e sensações desafiadoras que despertam a imaginação e a cumplicidade”, conta Jonnatha Horta Fortes, coordenador do VAC.

A refeição será preparada pelo chef Carlos Normando que servirá entrada, prato principal e sobremesa. A entrada para o “VER(ÃO) – O Jantar Secreto” é gratuita e os interessados devem retirar convite uma antes do evento no CRJ, limitado a um convite por pessoa.

Artes visuais

Este ano, o VAC participará do Projeto Parede do Sesc Palladium com o artista Daniel Jack. O artista usa das linguagens dos meios de comunicação de massa, tais como a publicidade, design gráfico, tipografia e a mídia impressa, fazendo recortes e sobreposições de elementos em diferentes escalas, brincando com as improváveis formas que os cartazes rasgados assumem. Para Daniel, uma única imagem pode abrigar muitas imagens distintas. O trabalho poderá ser acompanhado de 24 de janeiro a 17 de fevereiro, de terça a domingo, das 9h às 21h. A obra ficará em exposição até 21 de abril no Foyer Augusto de Lima do Sesc Palladium.

Nas Artes Visuais, de 02 a 06 de fevereiro, a instalação Fatality será realizada no Teatro 2 do CCBB com o artista plástico Desali e o Coletivo Videoardi, mudando o perfil do espaço originalmente voltado par o teatro e a dança. A entrada é franca e a classificação 18 anos.

Literatura

No dia 07 de fevereiro, quinta-feira, às 20h, dando continuidade a parceria com o Sarau do Memorial Minas Gerais Vale. O VAC recebe o poeta Ricardo Aleixo, apresentando e lendo trechos do seu livro mais recente “Pesado demais para a ventania”, lançado em 2018. A entrada é franca e a classificação livre.

No dia 16 de fevereiro, sábado, de 11h às 17h, o bairro Prado recebe a “Feira Textura”, pequena feira de impressões e literatura. O evento, pensado pela Impressões de Minas, é uma feira que mescla publicações independentes e objetos que se relacionem com a literatura em seus diferentes suportes. O objetivo é abrir espaço para que editores, artistas e designers locais mostrem seu trabalho, contribuindo para a aproximação das linguagens literárias e das editoras independentes à gastronomia, às artes plásticas e a outros modos de colocar o texto em prática. A entrada é franca e a classificação livre.

Dança

O “Palco Hip Hop – Danças Urbanas” ocupa o Grande Teatro do Sesc Palladium nos dias 02 e 03 de fevereiro. O Palco propõe a valorização, difusão e promoção das danças da cultura hip hop. O centro cultural receberá apresentações de MCs, DJs, grupos de danças e grafiteiros, além de batalhas de danças urbanas. Ingressos a R$ 4,00 (inteira) e R$ 2,00 (meia). No sábado, a apresentação será às 20h. E, no domingo, às 19h. Classificação Livre.

Cinema

Este ano, o VAC homenageia Agnès Varda realizando uma Perspectiva da cineasta com exibições de filmes e bate-papo. A mostra será realizada em parceria com o Instituto Francês, Cinemateca da França no Brasil, Embaixada da França no Brasil, Cine Sesc Palladium, CCBB, Cine Humberto Mauro, Fênix Distribuidora de Filmes e Instituto Moreira Salles.

Nesta perspectiva, serão exibidos os filmes “Visages, Villages” (2018); “As praias de Agnès” (2011); “Jacquot de Nantes” (1991) e “As duas faces da felicidade” (1965). De 5 a 10 de fevereiro, de terça a domingo, será no Cine Sesc Palladium, às 20h. No dia 10 de fevereiro, após a exibição do filme “As duas faces da felicidade”, haverá um bate-papo com o crítico e jornalista francês Serge Kaganski. Na segunda, 11 de fevereiro, é a vez do CCBB receber o filme “Visages, Villages”, às 20h. Neste dia haverá também um bate-papo com o crítico e jornalista francês Serge Kaganski.

De 12 a 14 de fevereiro, terça a quinta, às 17h, 19h e 21h, o Cine Humberto Mauro, no Palácio das Artes, recebe também exibições desta Perspectiva. Toda a mostra tem entrada franca, com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão. Classificação 16 anos.

Serviço

Verão Arte Contemporânea 2019

Data: de 23 de janeiro a 17 de fevereiro

Ingressos: R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia). Há espetáculos com entrada franca, mediante retirada de ingressos uma hora antes do evento

Informações: www.veraoarte.com.br

Últimas de Variedade

Ator Tarso Brant e ex-BBB Vinicius Póvoa estarão no 1º influuteco de BH

Em parceria com SebraeLab, evento vai reunir influenciadores digitais da região nesta quinta-feira, 25, às 18h30

Foto: Divulgação

Tradição em São Paulo, o influuteco, encontro que reúne influenciadores digitais com um clima de boteco, tem rodado o país. Em sua 18ª edição, o evento chega a Belo Horizonte e será realizado nesta quinta-feira, 25, às 18h30, com a participação do ator trans Tarso Brant e do ex-BBB Vinicius Póvoa, como painelistas.

Pela primeira vez na cidade, o evento organizado pela influu, ecossistema de influenciadores digitais, também contará com as influencers Mayara Guimarães e Anna Magalhães. Juntos os painelistas somam mais de 950 mil seguidores no instagram.

“O objetivo do encontro é fazer com que os influenciadores se conheçam e saiam do evento sabendo, ao menos, uma coisa nova para implementar em suas redes sociais”, explica Talita Lombardi, sócia da influu e criadora do canal Menina Executiva. A empreendedora palestrará sobre marketing de influência, explicando como fazer uma campanha bem sucedida e o que as marcas esperam desses profissionais.

O marketing de influência tem ganhado cada vez mais relevância na estratégia das empresas. De acordo com o estudo “ROI & Marketing de Influência 2019”, da aceleradora YOUPIX, 68% das empresas enxergam esta como uma boa estratégia para os negócios. Além disso, 69% dos porta-vozes dessas empresas acredita que a internet pode trazer resultados que nenhuma outra mídia poderia.

A 18ª edição do influuteco acontece em parceria com o SebraeLab, espaço do Sebrae que estimula a inovação, o consumo de informações e as múltiplas conexões nos negócios.

Serviço

Data: 25 de abril
Horário: 18h30
Local: SebraeLab – av. Barão Homem de Melo, 329 – Nova Granada, Belo Horizonte
Valor do ingresso: R$20
Os ingressos podem ser adquiridos pelo Sympla: //www.sympla.com.br/xviii-influuteco—belo-horizonte__500837

Continua lendo

Últimas de Variedade

Belo Horizonte ganha mais uma comemoração ao Dia Nacional do Choro em 2019

Esta é a primeira edição do “Festival Circuito do Choro BH”. O festival acontece entre os dias 21 e 27 de abril de 2019, simultaneamente em 20 bares da capital unindo música, cultura e gastronomia. A proposta do festival é integrar a programação de rodas de choro que acontecem semanalmente em Belo Horizonte.  Durante uma semana intensa o público poderá degustar o melhor do choro que acontece na cidade, circulando de bar em bar e apreciando boa música brasileira.

O projeto foi idealizado pelo violonista André Milagres e está sendo realizado em parceria com a Cervejaria Viela com a proposta de difundir e popularizar cada vez mais as rodas de choro de Belo Horizonte. “O público precisa saber que de fato existe um Circuito do Choro em BH com aproximadamente 30 rodas que ocorrem semanalmente. Isto é incrível, é um patrimônio cultural da cidade e precisamos celebrar”, conta André.

Os bares que participam da programação atendem aos mais variados estilos de público, de crianças a idosos, realizando rodas de choro todos os dias na cidade. É importante lembrar que os bares continuam com a programação de choro durante o ano inteiro e a agenda já está sendo divulgada diariamente na página @circuitodochorobh via Instagram.

Confira a programação completa disponível no site www.circuitodochorobh.com.br e também no instagram @circuitodochorobh

Hoje é dia de choro, vamos celebrar!

“Festival Circuito do Choro BH” – 1ª Edição

Domingo 21/04

Tua Pizza  (31) 2510-4410

Av. dos Bandeirantes, 1299 – Anchieta BH

Grupo Beco do Choro, a partir das 10:30

Entrada gratuita

Info: //www.sympla.com.br/festival-circuito-do-choro-bh—grupo-beco-do-choro—2104__504478

Beco do Choro

Músicos oriundos da roda de choro do bar do Salomão buscaram um novo espaço e atualmente se apresentam no Tua Pizza, para tocar obras um repertório de chorinhos inéditos, ou pouco executados. Outra característica importante é o horário e dia dos encontros, que acontecem aos domingos, de 10:30h as 13:30h.

Zona Last     (31) 3352-0002

  1. Pouso Alegre, 2952 – Horto, BH

Grupo de alunos do Arena, a partir das 17h

Entrada gratuita

Info: //www.sympla.com.br/festival-circuito-do-choro-bh—choro-do-arena—2104__504487

Choro do Arena

Oficina Roda de choro coordenada pelo professor Eduardo Macedo, no Centro Cultural Padre Eustáquio às quartas feiras, entre 19 e 21 h, como parte da rede curricular da Escola Livre de Artes- Arena da Cultura (PBH).

Segunda 22/04

Bar do Salomão     (31) 3221-5677

  1. do Ouro, 895 – Serra BH

Grupo Regional do Salomão, a partir das 19h

* Informações sobre cobrança de couvert, no link abaixo

Info://www.sympla.com.br/festival-circuito-do-choro-bh—regional-do-salomao—2204__504489

Regional Do Salomão

Formado por amigos músicos residentes da cidade de Belo Horizonte, semanalmente realiza a tradicional Roda de Choro do Bar do Salomão.

No repertório, encontram-se obras dos mestres Pixinguinha, Altamiro Carrilho, Waldir Azevedo, Jacob do Bandolim, entre outros.

Saruê

Av. Altamiro Avelino Soares, 1269 – Castelo

Grupo Guiné de Riga, a partir das 19h

Programação sujeita à cobrança de couvert. Informações: (31) 98471-8978

Info: //www.sympla.com.br/festival-circuito-do-choro-bh—grupo-guine-de-riga—2204__504493

Guiné De Riga

O Guiné de Riga é um grupo dedicado à divulgação do primeiro gênero instrumental brasileiro, o choro, com a diversidade de suas composições, a singularidade de seus ritmos, melodias e harmonias. Considerado como a primeira música urbana tipicamente brasileira, o choro sofreu influências de ritmos africanos como o batuque e o lundu, e das harmonias europeias. Tem como característica a improvisação instrumental, como se fosse um jogo criativo, executado com muita habilidade.

Formado por violão, flauta, percussão, cavaquinho e saxofone – musicalidade típica do instrumental característico do gênero, que, pode-se dizer, revela a alma brasileira, o Guiné de Riga dedica-se ainda à pesquisa de elementos e ritmos africanos que contribuíram para a formação da MPB. Possui como uma de suas características a de incorporar as tradições em suas composições autorais e as transformar. Além delas, outras de Jacob do Bandolim, Altamiro Carrilho, João Pernambuco e Pixinguinha, compõem o repertório.

O Grupo atua desde 2011, no cenário instrumental de Belo Horizonte, apresentando-se em casas musicais da cidade, projetos e festivais. É composto pelo violonista e compositor Jorge Bonfá, pela flautista Vera Pape Pape, o percussionista Alexandre Cruz, o cavaquinista Rogério Pagé e pelo saxofonista Anderson dos Santos,

Continua lendo

Últimas de Variedade

1º FeNAPI – Festival Nacional de Arte para as Infâncias de Belo Horizonte

Pioneiro no gênero em Minas e um dos primeiros do país, o FeNAPI conta ainda com uma programação formativa gratuita com seminário, palestra do dramaturgo e jornalista Dib Carneiro (SP), oficinas, publicações de jornalistas convidados e bate-papos

Belo Horizonte recebe entre os dias 14 e 21 de abril a primeira edição do FeNAPI – Festival Nacional de Arte para as Infâncias de Belo Horizonte, que vai ocupar 10 locais da capital mineira – teatros, praças e espaços alternativos. As apresentações compreendem 13 trabalhos nas áreas de teatro, dança e performance, originários de Pernambuco, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Pindamonhangaba, interior de Minas Gerais, Belo Horizonte e região metropolitana. Os ingressos para os espetáculos serão vendidos a preços populares de R$ 5 (inteira) e R$ 2,50 (meia-entrada), na bilheteria dos teatros ou pelo Sympla. Mais informações para o público: facebook/fenapibh e @fenapi.bh. O FeNAPI – BH tem idealização e realização da Insensata Cia de Teatro – que completa 10 anos este ano -, por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Belo Horizonte com patrocínio da UNIMED BH.

“O principal objetivo do Festival é afirmar a arte para as infâncias enquanto terreno de fruição, experiência estética e pesquisa, questionando hierarquias e o mercado de consumo”, explica uma das idealizadoras do festival, a pesquisadora de arte para as infâncias, Brenda Campos. Segundo a estudiosa, o conceito de Infâncias, no plural, valoriza a imaginação como sendo algo não pertencente somente à criança, mas à cada indivíduo, em qualquer fase da vida. “A fruição do espetáculo é para todas as idades, antes da lição de moral e do desenvolvimento pedagógico, porque acreditamos que a criança comunga de um mesmo universo que o adulto, de forma horizontal. Muitas produções ainda subestimam a capacidade de percepção dos pequenos”, questiona Brenda, idealizadora e coordenadora do festival que também integra a Insensata Cia de Teatro – o grupo desenvolve desde 2009 pesquisa dedicada às infâncias.

Para a curadora do FeNapi, Carol Fescina, o desejo é que o Festival funcione como um grande quintal, onde o encontro e as infâncias sejam protagonistas. “Acreditamos que construções coletivas e que prezam pela porosidade contribuem para criarmos lugares sociais mais amplos e horizontais”.

Nesta primeira edição será apresentado um panorama de 13 trabalhos de artistas e grupos brasileiros comprometidos com as crianças em todo o Brasil, alguns deles inéditos em Belo Horizonte, como“Pequenices: Minipeça Viajante de Dança (RS) e Juvenal, Pita e o Velocípede (Rio de Janeiro / RJ). A curadoria do festival considerou, como critério de seleção, espetáculos com foco na experimentação artística e que compreendam temas e estéticas destinados ao público de todas as idades. As propostas foram selecionadas por meio de chamamento público, divulgado nas redes sociais da Insensata Cia de Teatro e do festival.

Além dos espetáculos e performances, o festival prevê ainda uma programação gratuita como a palestra com o jornalista e dramaturgo Dib Carneiro, oficinas, bate-papos, seminário e o painel crítico, que irá reunir textos de jornalistas convidados sobre a programação. “O objetivo das atividades formativas é quebrar com as barreiras que ainda existem entre as produções, os projetos de pesquisas e a atividade acadêmica dedicada às infâncias, estimulando a atividade reflexiva”, completa Keu Freire, idealizador e coordenador do festival.

Para o jornalista, crítico e dramaturgo Dib Carneiro Neto (SP), que dará a palestra “Valorizando a imaginação”, iniciativas com foco na pesquisa cênica e reflexão sobre as infâncias ainda precisam de muito apoio para a quebra de preconceitos e de tabus. “A essência do teatro é o encontro. Quando surge um novo festival, é isso o que primeiro deve ser compreendido e aplaudido: a possibilidade de encontro. Encontro dos artistas com o público, encontro do público com as infinitas possibilidades de manifestações cênicas, encontro dos pensadores de teatro com os artistas e com o público, encontro das autoridades locais com a magia dos palcos. Celebrações que levam a descobertas e aprendizados“, afirma dramaturgo premiado que já passou por veículos como Veja São Paulo e O Estado de S. Paulo e atualmente é responsável, em São Paulo, pelo site Pecinha É a Vovozinha, portal de notícias sobre teatro infantil, do qual é fundador e editor-chefe.

PROGRAMAÇÃO  RESUMIDA

A abertura do FeNAPI, no dia 14 de abril (domingo), na Praça da Liberdade, conta com a intervenção “Intermitentes ou vai e vem” (grupo Teatro & Cidade), às 17h, e o espetáculo “Memórias de um Quintal” (BH), da Insensata Cia de Teatro, às 18h, além de um Quintal – espaço aberto para brincadeiras, jogos, lanche, trocas de ideias e compartilhamento de vivências entre os participantes – espaço que será montado ao longo do festival em diferentes dias na Praça da Liberdade e no Parque Municipal.

A programação do festival, que se estende ao longo de uma semana em teatros e espaços públicos, promoverá 13 apresentações cênicas (6 de BH, 3 de cidades do interior de Minas e 4 de outros estados do país), com Painel Crítico de análise dos espetáculos por convidados ao final. Serão oferecidas duas oficinas nacionias – “Jogos teatrais com objetos”, com Henrique Sichtin (Cia Truks), e “CBTIJ,  ASSITEJ  e  ITYARN:  instituições  de  fomento  ao  teatro  para  crianças e  jovens”, com Paulo Merisio (Trupe de Truões); uma palestra com o jornalista e dramaturgo Dib Carneiro Neto (SP), com o tema “Valorizando a imaginação”, e o Seminário “Arte Infância”, com comunicações de pesquisadores que investigam a arte para as infâncias.

SOBRE INSENSATA CIA DE TEATRO

O 1º FeNAPI é idealizado e realizado pela Insensata Cia de Teatro, no ano em que comemora 10 anos de existência. Fundada em 2009 a companhia vem, desde 2014, de maneira ininterrupta, desenvolvendo pesquisa dedicada ao teatro para as infâncias. “A gente defende a fruição do espetáculo pra todas as idades antes de qualquer coisa, antes da lição de moral, do desenvolvimento pedagógico, porque acreditamos que a criança compartilha de um mesmo universo que o adulto, sem hierarquia ou um distanciamento de ficar supondo o que a criança precisa”, diz Brenda Campos.

Em nossa cultura ainda prevalece uma concepção de infância que coloca a criança como incapaz, o que leva a construção de muitos tabus, do que se pode ou não fazer e discutir nas produções destinadas a tal público. “Na tentativa de quebrar com as barreiras que ainda existem entre a prática e a produção crítica e acadêmica, além das apresentações que já se caracterizam como atividade de formação de público, nas palestras, nas oficinas, bate-papos e críticas que serão desenvolvidas em parceria com críticos e pesquisadores da área, pretendemos impulsionar o pensamento crítico sobre o Teatro para as Infâncias”, diz Keu Freire.

SERVIÇO

FeNAPI – Festival Nacional de Arte para as Infâncias de Belo Horizonte

Quando: 14 a 21 de abril (domingo a domingo)

Espetáculos – Oficinas – Palestras – Painel Crítico – Seminário – Quintal de vivências

Onde:

Cine Theatro Brasil (Teatro de Câmara) – Av. Amazonas, 315 – Centro

Palácio das Artes (Sala João Ceschiatti) – Av. Afonso Pena, 1537 – Centro.

Parque Municipal – Av. Afonso Pena, 1377 – Centro.

Praça da Liberdade: Praça da Liberdade, s/n – Funcionários.

Praça Duque de Caxias: Praça Duque de Caxias, 220 – Santa Tereza.

Sesc Palladium (Grande Teatro) – Av. Augusto de Lima, 420 – Centro.

Teatro Espanca! – R. Aarão Réis, 542 – Centro.

Teatro Nossa Senhora das Dores- Av. Francisco Sales, 77 – Floresta.

UFMG (Escola de Belas Artes e Teatro Universitário): Av. Pres. Antônio Carlos, 6627 – Pampulha.

Quanto: R$ 5 (inteira) e R$ 2,50 (meia-entrada)

Vendas: bilheterias e sites dos teatros

Mais informações: [email protected]

Inscrições para oficinas, seminários e palestras pelo formulário online disponível nas redes sociais do festival ou solicitado pelo email [email protected]

Mais informações para o público: facebook/fenapibr e @fenapi.bh

Continua lendo