Descaso “rouba” principal beleza de praça no bairro Cidade Jardim


Há mais de quatro meses, a praça Professor Godoi Bethônico, conhecida como praça da Fonte, no bairro Cidade Jardim, não tem água jorrando do seu principal atrativo. A fonte está seca por causa da quebra de um motor. Ela era bastante utilizada como cenário para ensaio fotográfico de noivas. O bebedouro também está desativado.

Para a aposentada Ana Silva, de 60 anos, que frequenta a igreja Santo Ignácio de Loyola, em frente à praça, o local está descuidado. “É um lugar muito lindo, mas precisam conservar mais aqui. A fonte ficava muito bonita à noite, mas eles não ligaram mais”, disse. Ela também reclama da pouca iluminação no entorno. “Fica perigoso. Já até quebraram o vidro da igreja”.

Os amigos Tiago Esteves, de 30 anos, e Adriano Bertoldi, de 25, concordam com Ana, mas consideram que o consumo de água precisa ser avaliado. Eles trabalham em frente ao local e passam o horário de almoço na praça.

“O diferencial da praça é a fonte, tanto que todo mundo conhece como Praça da Fonte. Mesmo assim, é preciso avaliar se água volta para ela ou se é jogada fora”, afirmou Tiago.

Já Adriano defende que o bebedouro seja reativado, mas com o mecanismo modificado. “A água ficava jorrando o dia inteiro. É preciso instalar um sistema como o da Praça da Liberdade, que evita desperdício”.

Fonte de renda

A água do bebedouro era utilizada por lavadores de carro que atuam no entorno. Com a mudança, eles passaram a buscar água no Museu Abílio Barreto, na avenida Prudente de Moraes. “Sempre usamos a água daqui. Estamos torcendo para que seja reativada”, disse o lavador Reginaldo Alves, de 33 anos.

A regional Centro-Sul, responsável pela manutenção da praça, informou que a fonte está em manutenção, mas, em breve, voltará a funcionar normalmente.

Ainda esclareceu que a água do local é proveniente de um poço, circulando no sistema, e, por isso, não é desperdiçada. Quanto ao bebedouro, devido ao uso inadequado e A depredações constantes, o equipamento precisou ser desativado para evitar desperdício de água, que é fornecida pela Copasa, segundo a regional.

Quanto à escuridão na praça, a Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap) salientou que assumiu a iluminação pública há dois meses e meio e já restabeleceu 15 mil pontos de luz em toda a cidade. O órgão destaca, ainda, a necessidade de os usuários formalizarem as reclamações por um dos canais de atendimento (BH Resolve, regionais, portal da PBH e telefone 156.

Total
0
Shares
Relacionados