Redes Sociais

Startups

Quinta rodada do Seed traz aceleração 100% feita dentro do programa

Programa do Governo mineiro para desenvolver startups já ajudou mais de 150 startups; empresas recebem orientação personalizada e colhem os frutos da participação

A quinta rodada do Startups and Entrepreneurship Ecosystem Development (Seed), um dos maiores programas públicos de aceleração de startups da América Latina, conduzido pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sedectes) com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (Fapemig), está a todo vapor e agora conta com uma equipe 100% do Seed em toda a aceleração.

Para a quinta rodada do programa, que começou em agosto, o Seed recebeu 1.073 inscrições e selecionou 40 startups (denominação para empresas em busca de um modelo de negócio repetível e escalável, que desenvolvem produtos ou serviços inovadores com potencial de rápido crescimento).

Para participar, as empresas devem ter um protótipo funcional já implementado e capacidade de entregar seu produto para clientes reais. No total, já passaram pelo programa 190 startups (contando as que estão atualmente em aceleração), sendo 36 delas estrangeiras.

Minas Gerais é o segundo estado do país com maior número de startups, atrás apenas de São Paulo, segundo levantamento feito pela plataforma 100 Open Startups. Cerca de 90% delas estão instaladas em Belo Horizonte, e 77% já em estágio avançado, com clientela formada e faturamento fixo.

Desde a quarta rodada, em iniciativa inédita no país, o Seed passou a treinar seus próprios agentes de aceleração, responsáveis pela capacitação das startups participantes. Para a quinta rodada, o treinamento ganhou metodologia própria e foi batizado de Seed Academy. Até então, parte dessas ações era terceirizada.

O processo consistiu em uma jornada de seis semanas, nas quais dez pessoas foram treinadas pelo time do Seed e convidados do ecossistema de empreendedorismo e inovação. “Este treinamento foi fundamental para entregar pessoas mais qualificadas para auxiliar os projetos selecionados”, afirma o coordenador do Seed, Daniel Oliveira.

“Para a quinta rodada temos um programa mais robusto, com uma equipe 100% do Seed. Assim, conseguimos customizar todos os processos, o que se reflete em maior eficiência e agilidade”, aponta o coordenador.

O programa também mudou de local e agora funciona no HUB, que fica no prédio Rainha da Sucata, no Circuito Cultural da Praça da Liberdade. “É um ambiente propício para inovação, com diversas universidades no entorno, e que abriga, ainda, o HUB Minas Digital e o Meu Primeiro Negócio, programas também conduzidos pelo Governo estadual. Essa proximidade permite maior integração, aumentando e fortalecendo o ecossistema”, enfatiza Oliveira.

“Outra novidade é que desenvolvemos um sistema interno de inteligência para metrificar todas as ações e gerar insights a partir de cada interação que os participantes têm ao longo do programa. Esse sistema nos permitirá mais assertividade nas ações”, completa Oliveira.

Em 2014, o educador físico carioca Paulo Campos começou a coletar dados relacionados a doenças crônicas não transmissíveis, como hipertensão e diabetes. “Hoje, o plano/seguro de saúde é como um cheque em branco: a operadora espera o usuário ter o problema e procurar atendimento. Ela não sabe nada sobre ele, ao contrário do que faz uma seguradora de carro, por exemplo, que precisa saber em que bairro o carro fica estacionado, se fica fora ou dentro de garagem etc. Isso é um problema, já que essas doenças têm um grande período assintomático. A pessoa pode contratar o plano sem saber que tem qualquer uma dessas doenças, que são responsáveis por entre 75 a 80% dos gastos das empresas de saúde atualmente”, relata.

Pensando nisso, ele criou a Medex, startup que está sendo acelerada pelo Seed. “Nossa ideia é entregar soluções para essas operadoras de seguro, seguradoras de saúde, cooperativas médicas e até mesmo para o Sistema Único de Saúde (SUS). Os dados dos usuários ficam concentrados em um aplicativo. Semanalmente, os pacientes crônicos devem nos atualizar sobre seu estado de saúde, por meio de fotos – sejam da balança, do medidor de pressão ou de glicose. O grande barato é que há um conceito de inventivo financeiro para a prática de hábitos saudáveis”, completa Campos.

Segundo Campos, atualmente cerca de 80% dos contratos de planos de saúde são de pessoas jurídicas, isto é, empresas que pagam o benefício para seus empregados. “O nosso programa reflete em uma economia grande para a empresa – cujo segundo maior custo mensal normalmente é com o seguro saúde – e em maior qualidade de vida para o usuário”, acrescenta.

Com 32 mil pessoas já mapeadas nos estados de Rio de Janeiro, São Paulo e Piauí, a Medex veio para Minas Gerais em busca de mais conhecimento e captação de clientes. “Não tínhamos tentado entrar em nenhum outro programa de aceleração, até porque não existe iniciativa parecida com o Seed no Rio de Janeiro. Pensamos em fazer negócios em um estado que sabemos que tem um mercado muito promissor para nós”, enfatiza o empreendedor. “O Seed é um MBA na prática. Tem muita coisa que a gente, que está começando, não consegue perceber e colocar como prioridade. E o programa te faz ver isso. Estamos muito felizes”, enaltece Campos.

Aceleração

O Seed oferece aceleração personalizada, mentorias, eventos, conexões e capital semente (como é chamado este primeiro investimento em empresas ou novos negócios em fase de desenvolvimento) de até R$ 80 mil.

O alto número de inscrições recebidas a cada rodada mostra o potencial do estado para o desenvolvimento de empresas tecnológicas e inovadoras. “Minas Gerais é positivamente impactada, uma vez que as empresas se desenvolvem e geram renda e empregos no estado. Além disso, muitas se estabelecem aqui mesmo após o término da aceleração. Mesmo as que não permanecem levam o nome de Minas Gerais para onde forem”, afirma o coordenador do Seed, Daniel Oliveira.

Há quase um ano, as mineiras Magali Alvarenga e Andressa Assis criaram o Wicar, aplicativo e site que conectam o proprietário de veículo automotivo ao profissional especializado em lavagem e estética automotiva. “O cliente quer qualidade e segurança, e na outra ponta existe a pessoa que oferece o serviço, mas que muitas vezes não sabe se vender. O nosso aplicativo faz o link entre os dois”, conta Magali.

Para ser cadastrado, o profissional de lavagem recebe treinamento, além de ter todos os seus antecedentes checados junto à Polícia Civil. “Também oferecemos a ele todo o suporte, inclusive para virar pessoa jurídica, para se profissionalizar”, explica a empreendedora.

“A partir das mentorias que estamos recebendo no Seed nós já mudamos inclusive o conceito do negócio, estamos investindo mais em parcerias com empresas, como condomínios residenciais, estacionamentos, supermercados e clubes, para atender os clientes. Já conseguimos fechar parcerias com estacionamentos e condomínio”, comemora Magali.

Quarta rodada

Os números da quarta rodada do Seed impressionam. Foram mais de 45 mil pessoas impactadas, mais de 500 atividades de difusão realizadas em todos os 17 Territórios de Desenvolvimento de Minas Gerais, 960 horas de mentoria personalizada e 120 horas de conteúdo compartilhado. Foram gerados, diretamente, 164 empregos, captados mais de R$ 7,5 milhões em investimentos e as startups faturaram mais de R$ 2,8 milhões (veja arte abaixo).

A quarta rodada foi de muito aprendizado e testes para o novo modelo de aceleração do Seed, consolidado agora na quinta rodada. “Internalizamos a aceleração na quarta rodada. Montamos um time próprio para desenhar o processo, ao invés de contratar uma empresa terceirizada. Essa mudança foi fundamental para a evolução e maturidade do Seed, tendo em vista que precisamos gerar conhecimento interno e nossa própria rede de contatos para crescer e aumentar nosso impacto. Na quinta rodada esse time foi ainda mais fortalecido, inclusive pelos agentes formados no Seed Academy”, destaca Oliveira.

“A partir da execução interna do processo de aceleração, aprendemos que podemos aumentar a nossa capacidade de impactar as startups e o ecossistema por meio de processos customizados, alinhados, inclusive, ao nosso contexto brasileiro de inovação, além de desenvolver uma rede própria de parceiros e mentores que, sem dúvida nenhuma, são nossos principais recursos para a jornada empreendedora de cada projeto selecionado”, finaliza o coordenador do Seed.

Empreendedorismo e Inovação

Mais de 500 startups se mobilizaram para as inscrições do FIEMG Lab 4.0

As 50 selecionadas para participarem do programa serão divulgadas em maio

As inscrições para a nova jornada do FIEMG Lab se encerraram com sucesso. Agora, as startups participantes passarão por um processo seletivo para que 50 sigam adiante no programa. Ao todo, 525 startups, de todas as regiões do Brasil e três de fora do país, se mobilizaram para participar do FIEMG Lab 4.0 – que será voltado para o desenvolvimento de soluções para a indústria. Dessas, 170 – 107 mineiras e 63 de outras localidades – finalizaram a inscrição.

A seleção das 50 startups será feita por um grupo formado por membros do mercado, do ecossistema de startups, profissionais das indústrias-madrinhas e especialistas. As selecionadas serão divulgadas na primeira quinzena de maio.
Para ser selecionada, a startup precisa ter um modelo de negócios B2B (business to business) com solução focada na indústria, seja na área de produção ou na área corporativa. A jornada de aceleração terá duração de 12 meses, divididas em três fases: análise, desenvolvimento e implantação. A metodologia será flexível e focará na evolução dos aspectos tecnológicos e de negócios de acordo com o estágio de desenvolvimento das startups.

Indústrias-madrinhas e parceiros

Nessa nova jornada, grandes indústrias estabeleceram o programa como uma de suas plataformas oficiais de inovação aberta com startups e irão patrocinar e participar ativamente do programa com a disponibilização de know-how, informações estratégicas, estrutura para testes industriais e recursos financeiros. As chamadas indústrias madrinhas são a Companhia Energética de Minas Gerais – CEMIG, a GERDAU e a RHI Magnesita.

Além de se relacionar com as indústrias-madrinhas, as startups que ingressarem no programa terão acesso a 15 mil indústrias que compõe a rede da Federação, já que o programa tem como premissa ser hub de inovação aberto para todas as indústrias.

Na medida em que avançarem pelas fases do programa, as startups selecionadas também acessarão recursos de bolsas para empreendedores e de desenvolvimento tecnológico de suas soluções. O valor total acessível ultrapassa os R$ 105 mil para os que chegarem até a fase final.

Além disso, as indústrias-madrinhas aportaram R$ 240 mil em fundo administrado pelo programa para realização de provas de conceito (POCs) remuneradas com o intuito de testar as tecnologias das startups em suas instalações e, posterirormente, efetivar uma possível contratação.

Ao todo, o FIEMG Lab 4.0 reuniu mais de R$ 2 milhões para investir no desenvolvimento e aplicação das tecnologias das startups em sua rede de indústrias sem exigência de participação de capital (equity free), um modelo de grande atratividade para empreendedores.

Também são apoiadores do programa o Governo do Estado de Minas Gerais, por meio de sua Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais – FAPEMIG e o Sebrae Minas.

Continua lendo

Empreendedorismo e Inovação

Governo anuncia permanência do Seed para aceleração de startups no estado

Demoday marcou o encerramento da 5ª rodada de aceleração do Seed. Evento também marcou o anúncio, pela Sedectes, de permanência do programa público

Governo de Minas Gerais, por meio da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sedectes), vai manter o programa estadual de aceleração de startups – Seed. O anúncio foi feito pelo secretário da Sedectes, Vitor de Mendonça, com base nos resultados deste que é um dos maiores programas públicos de aceleração da América Latina.

A informação foi divulgada, nesta semana, durante a realização do Demoday Seed, no Auditório JK, na Cidade Administrativa, em Belo Horizonte. Na oportunidade, cerca de 500 pessoas – dentre elas empreendedores, autoridades, investidores e membros do ecossistema de tecnologia e inovação – celebraram o encerramento das atividades da 5ª rodada do programa.

“Nosso Governo, falo nosso porque é de todos nós, acredita na plataforma de inovação, ciência e tecnologia em prol do nosso estado. Isso me deixa muito satisfeito em saber da valorização do trabalho que iremos desenvolver em nossa secretaria para recuperar a economia do nosso Estado”, afirmou Vitor.

Para o secretário, simplificar e desburocratizar os processos é uma das estratégias para a aceleração do estado, o que beneficia o empreendedorismo.

A decisão de manter o programa em atividade foi fortalecida pelos resultados da última aceleração. Ao todo, 22.552 pessoas foram impactadas em todo o estado, por meio de 853 atividades realizadas em 2.030 horas. No montante, as startups passaram por 720 horas de checkpoint, 146 horas de mentorias, 33 horas de workshops, seis bancas e somaram um faturamento de R$ 5.032.358,27.

“Agradeço a vocês por fazerem a inovação acontecer no nosso estado. Vamos fazer de Minas um estado focado na política da inovação com um ecossistema forte e a gente trabalhando juntos”, afirma o subsecretário de Ciência, Tecnologia e Inovação, Victor Becho.

Durante o Demoday, a equipe Seed também anunciou o lançamento do documentário da 5ª rodada. O material conta a jornada dos empreendedores nos seis últimos meses de programa, os desafios e habilidades desenvolvidas. Além disso, haverá, ainda, o lançamento do Playbook Seed, um guia prático que compartilha a forma com que o programa acelera startups e fomenta ecossistemas. Os materiais são inéditos e ficarão disponíveis para o público a partir da próxima segunda-feira (4/2).

O programa conta com uma equipe de agentes de aceleração formada pelo próprio Seed, que acompanha os empreendedores semanalmente e ajuda no desenvolvimento do negócio. Também oferece diversas atividades, como bancas de avaliação, workshops, mentorias com profissionais experientes, visitas a startups de sucesso, palestras e eventos.

“A quinta rodada foi a consolidação da metodologia de aceleração que o programa foi desenvolvendo ao longo do tempo. Fizemos um processo visando profundidade técnica, engajamento e conexão com o ecossistema. Termino a rodada muito satisfeito com o resultado e certo da evolução contínua do Seed”, reforçou o coordenador do programa, Daniel Oliveira.

Sobre o Seed

O Seed é um dos maiores agentes de fomento do ecossistema de empreendedorismo e inovação brasileiro. Sua principal iniciativa é o programa de aceleração de startups para empreendedores do mundo todo que queiram desenvolver seus negócios de base tecnológica em Minas Gerais.

O programa é uma experiência única com foco em desenvolvimento das startups e transferência de conhecimento, além de um ambiente fértil para a troca de experiências entre os empreendedores da rodada e o ecossistema. É viabilizado por meio de um convênio com a UFMG e financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig).

Lançado em 2013, o Seed já promoveu cinco rodadas de aceleração, todos com a elegibilidade de pessoas físicas e não apenas de startups já cadastradas como pessoa jurídica. O programa atingiu a marca de  6.481 inscrições, e contou com a participação de 192 startups, sendo 155 brasileiras e 37 estrangeiras, de 26 nacionalidades, total de 490 empreendedores.

O Seed funciona como um espaço de coworking no Hub Minas, localizado no edifício Rainha da Sucata, integrante do Circuito Liberdade.

Continua lendo