O Por Dentro de Minas é um portal de notícias de Belo Horizonte e todo o estado de MG. Últimas notícias, informações em tempo real do trânsito, previsão do tempo, agenda cultural, emprego, colunas, blogs e coberturas especiais.

Exposição “Yaya Tupynambá – 70 anos de carreira” volta ao formato presencial no CCBB BH

Para que o público possa apreciar as obras por mais tempo, a mostra será estendida até 30 de agosto, com direito a visitas guiadas pela própria artista, aos domingos. Os ingressos para visitação são limitados e estão disponíveis no site bb.com.br/cultura
Claridade no Centro da Mata - Foto: André Senna/Divulgação
Claridade no Centro da Mata – Foto: André Senna/Divulgação
Por Dentro de Minas - Google News

Um bom programa para essa fase de reabertura dos teatros e galerias em Belo Horizonte é a exposição “Yara Tupynambá – 70 anos de carreira”. Com visitações suspensas desde a inauguração, em março, a mostra volta ao formato presencial e será estendida até 30 de agosto, seguindo os protocolos de segurança. São 74 obras de diferentes fases da carreira da maior muralista brasileira, que trazem temática voltada para o meio ambiente. Uma novidade é que a artista pretende estar com o público, aos domingos, para dividir sobre os bastidores de sua criação. A exposição fica aberta à visitação de quarta a segunda, das 10h às 22h. Será possível encontrar-se com a pintora aos domingos, entre 16h e 20h. No 1º andar da exposição podem circular 28 pessoas, por vez, e no 2º, até 8 visitantes. Para acesso ao prédio do CCBB BH é necessária retirada prévia de ingresso online no site bb.com.br/cultura ou pelo Eventim (site ou app), e apresentação na entrada, por meio do QR Code no celular. Quem preferir ficar no conforto de casa, pode apreciar as obras da artista via tour virtual www.yaratupynamba.org.br. Este projeto tem o patrocínio do Banco do Brasil.

“Artes plásticas são silêncio, contemplação. É muito seguro permitir a presença de pessoas circulando durante uma exposição”, diz a artista que, já neste domingo, dia 18 de julho, tem a intenção de encontrar com o público para abordar os desafios e curiosidades do que está por trás da criação de suas telas. “Eu sou uma artista, quero que as pessoas possam ver meu trabalho, quero saber como a obra chega nelas. Com a exposição reaberta e a vacina em dia, estou duplamente aliviada”, diz.

Com telas que ultrapassam 1 metro de altura, a mostra conta com quadros e gravuras de alguns dos mais importantes painéis da trajetória de Yara, além de uma série inédita sobre o Parque Municipal e os jardins da casa da artista. “O digital possibilita o acesso, mas não é a mesma coisa de você ver um grande painel de perto. É um trabalho longo para conclusão de uma obra dessas e o computador não pega as sutilezas de cor. No contato ao vivo com a obra de artes plásticas, o impacto é muito maior”, afirma a artista.

SOBRE A EXPOSIÇÃO

O percurso da exposição começa com obras das matas e florestas densas de Minas Gerais – o Vale do Rio Doce e o Vale do Tripuí, resquícios de Mata Atlântica, bioma da costa leste do Brasil, representando a universalidade ambiental. O Cerrado Mineiro é outro importante bioma retratado na exposição, destacado em flores e espécies raras existentes no Parque Nacional da Serra do Cipó.

Os Jardins do Inhotim, o maior centro de arte contemporânea a céu aberto do planeta, são também retratados por Yara, que valoriza a natureza reinventada pelo homem. Rio Doce e Tripuí, os vales e as florestas, os recantos e recortes de Mata Atlântica são representados com paixão e refinamento. A Serra do Cipó e o cerrado se refletem em obras marcadas pela delicadeza e riqueza de detalhes.

Destaque para a série de telas sobre os jardins da casa da artista, com as plantas e flores por ela cuidadas, assim como sua visão da casa e dos jardins de Claude Monet, em Giverny, na França dos anos 80. “Meus jardins são meu privado, íntimo e pessoal, é aquilo que sinto. A arte do artista está naquilo que ele vive. É a vivência que faz com que você trabalhe. Tantas cidades, tantos lugares, tantos objetos absolutamente mineiros que posso trabalhar sobre, que posso fazer evocações. Mas não posso trabalhar sobre o Ceará, por exemplo, pois não vivi essa realidade”, explica.

José Theobaldo Júnior, que assina a curadoria da exposição, diz que “o registro dos próprios jardins convida todos a preservarem o meio ambiente e de certa forma também se tornarem artistas, com criações cotidianas no jardim de seus lares. Já a tela, com releitura dos Jardins de Monet, valoriza a necessidade universal de cuidados com a natureza”. Para o curador, telas e obras da exposição, como um todo, “deixam um alerta de preservação e conservação ambiental”.

As imersões artísticas de Yara, inspiradas nos parques de BH, completam o ciclo da natureza iniciado quando a artista tinha 17 anos e recebeu as icônicas aulas do mestre Guignard. Dessa época vêm os primeiros registros do Parque Municipal, ao qual Yara retorna agora, 60 anos depois, para oferecer novos olhares e reavivar sua íntima relação com a natureza. “A arte é um documento de seu tempo. Ela tem uma função social. Faço o que faço pois estou em 2021. Em 1960 fiz outras coisas. Cada época focalizei um período da minha história e do meu povo. Quando falo do gado, falo do meu povo. Quem não vê um documento em Guignard?”. E, acrescenta: “sou uma ecologista, meu trabalho está voltado para a natureza, mais do que muita gente de gabinete” (risos).

SERVIÇO

EXPOSIÇÃO “YARA TUPYNAMBÁ – 70 ANOS DE CARREIRA”
Até 30 de agosto | 2021
Quarta a segunda – 10h às 22h
Tour virtual – livre acesso pelo site www.yaratupynamba.org.br
Visitas presenciais no CCBB BH – mediante retirada de ingresso gratuito no bb.com.br/cultura ou pelo Eventim (site ou app) e agendamento de visita.
Obs.: No 1º andar da exposição podem circular 28 pessoas, por vez, e no 2º, até 8 visitantes.

YARA & seu jardim - Foto: Divulgação/Raquel Guerra
YARA & seu jardim – Foto: Divulgação/Raquel Guerra

SOBRE YARA TUPYNAMBÁ

Natural de Montes Claros, Minais Gerais, fez estudos artísticos com Alberto da Veiga Guignard e Oswald Goeldi; foi bolsista do Pratt Institute, em New York. Participante dos Salões de Arte Moderna do Rio de Janeiro, Belo Horizonte, São Paulo, Brasília, Paraná, Porto Alegre, Campinas, Ouro Preto e Pernambuco. Participante das Bienais de São Paulo e de Salvador.

Expôs na Sala especial na Bienal de São Paulo, no Salão Global TV Globo, Belo Horizonte e Salão da Gravura, Ouro Preto. Realizou exposições individuais nas galerias Guignard, Palácio das Artes, AMI, Inimá, Atelier Cor de Minas, Espaço Cultural da UNI-BH, em Belo Horizonte; em Juiz de Fora, Assir Artes e Funalfa; Exposições no Rio de Janeiro nas Galerias Chica da Silva, ICBEU e Museu Nacional de Belas Artes; Exposições individuais nas Galerias Danúbio, Sobrado, Casa das Artes e Portal, em São Paulo; Exposições individuais nas Galerias Oscar Seraphico, Performance e Teatro Nacional, em Brasília. Também realizou exposições em Espaços Culturais da Caixa Econômica Federal em São Luiz- MA, Ituiutaba e Juiz de Fora em Minas Gerais e Casas da Cultura em Sete Lagoas, Nova Era, e Uberlândia; Exposições individuais internacionais nas Galerias Hourian, em São Francisco; Institute of Education, em Londres; Galeria Inter-Art, em Paris; Brazilian Cultural Institute, em New York; Galeria de Vilar, Porto, Portugal.

Artista selecionada para numerosas mostras nacionais em São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Porto Alegre, Brasil. Selecionada para representar a arte mineira em grandes exposições coletivas organizadas por entidades oficiais como Palácio das Artes, CEMIG, Secretaria da Cultura e Fundação Newton Paiva Ferreira. Participante de mostras internacionais como I Certame Latino-Americano de Xilogravura, Buenos Aires; Artistas Brasileiros em Indiana e Ohio; Artistas brasileiros em The Brazilian American Cultural Institute, Washington; Artistas Brasileiros na Cité Universitaire, Casa do Brasil, Paris; Artistas Brasileiros selecionados para o acervo do Museu Spokje, Iuguslávia; Artistas Brasileiros na Nigéria; Artistas Brasileiros no BAC, New York. Participante das mostras da Xilon Internacional que, de dois em dois anos percorre a Europa. Selecionada para a Bienal Internacional de gravura sobre madeira, Evry, França.

Incluída em numerosos livros sobre arte brasileira como o Dicionário das Artes Plásticas do Brasil, Roberto Pontual; A Escola Guignard na Cultura Modernista, Ivone Maria Vieira; Tiradentes, Edição da Caixa Econômica Federal e Ministério da Educação; Arte Brasileira Contemporânea; Panorama da Arte Brasileira, Várias Tendências, Editora RMB; Artes Plásticas no Brasil, vol. 10 e 11, Júlio Louzada; Anuário da Arte Brasileira 2001; 60 Obras Selecionadas, Gravadores Brasileiros, publicação do ICBEU; Gabinete de Arte, livro publicado pela Prefeitura de Belo Horizonte, Editora Conarte e Fundação João Pinheiro; Brasil 500 anos, Artes Plásticas, RMB Editora; Brasil Art Show, Editora Jardim Contemporâneo Ltda.

Entre seus prêmios se destacam: II Prêmio de Escultura no Salão de Belo Horizonte; I Prêmio Gravura Salão de Belo Horizonte; I Prêmio de Desenho TV Itacolomi entre artistas mineiros; I Prêmio de Ilustração Diário de Notícias, Rio de Janeiro; II Prêmio de Desenho no Salão de Pernambuco; I Prêmio de Gravura no II Salão de Trabalho, São Paulo; Medalha de Ouro no Salão do Paraná; Prêmio aquisição no Salão De Porto Alegre; Prêmio Especial Paschoal Carlos Magno no Salão do Pequeno Quadro, Rio de Janeiro; Menção Especial no Salão do Paraná com a equipe Estandarte; I Prêmio de Gravura com a equipe Estandarte no IV Salão de Arte Contemporânea de Belo Horizonte. Recebeu como reconhecimento público a Medalha Ordem do Mérito Legislativo concedida pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais; Comenda da Inconfidência Mineira concedida pelo Governo de Minas Gerais; Palma de Ouro concedida pela Fundação Clóvis Salgado; Grande Medalha de Ouro Santos Dumont, Governo de Minas e Medalha Professora Lílian Câmara concedida pela agremiação Amigas da Cultura de Montes Claros. Recebeu o título de Artista do Ano concedido pela Associação Brasileira de Críticos de Arte em 2011. Tem 104 painéis e murais espalhados por numerosas cidades brasileiras, sendo que destes, 07 são tombados pelo Patrimônio Histórico Cultural de Belo Horizonte.

Para ler mais notícias do Por Dentro de Minas, clique em pordentrodeminas.com.br. Siga também o Por Dentro de Minas no Facebook, no Twitter e por RSS
Total
0
Shares
Relacionados