Connect with us

Cinema

Cine Pop Mais – Cinema: Vingadores Guerra Infinita surpreende pelos efeitos e aguça o imaginário dos fãs

Thanos é o grande protagonista; Cenas finais deixam claro que haverá novidades em 2019.

• atualizado em 08/05/2018 às 17:07

*Coluna / Cine Pop Mais
*Jornalista
*Felipe de Jesus
*Avaliação: 8 estrelas
*Imagem: papelpop.com

 

[dropcap size=big]P[/dropcap]ara quem já está acostumado a ver o Homem de Ferro, Thor, Capitão América e demais heróis salvando o mundo é bom se preparar para a trama de Vingadores: Guerra Infinita (2018). Ao contrário do que vimos em Vingadores (2012) e Vingadores – Era de Ultron (2015), nesse longa o temível Thanos (Josh Brolin) toma as cenas de assalto arremessando heróis para cima deixando até mesmo Hulck (Mark Ruffalo) sem ação. Estive recentemente no cinema assistindo o filme e me surpreendi com o que vi no telão.

Na trama, os super-heróis mais poderosos e influentes do mundo se unem mais uma vez, para enfrentar uma ameaça vinda do espaço. Porém, dessa vez o inimigo é superior à todas as suas forças unidas: Thanos. Em busca das seis joias do Infinito espalhadas por diferentes planetas e lugares, incluindo a Terra, ele enfrenta tudo e a todos e deixa claro que para completar a sua Manopla e restabelecer o equilíbrio do universo, ele não deixará nada te atrapalhar, nem mesmo seus laços afetivos com Gamora (Zoe Saldana) que é sua filha.

Entre batalhas, Guerra Infinita distrai a plateia também pelas piadas do Homem de Ferro (Robert Downey Júnior) Thor (Chris Hemsworth), Homem-Aranha (Tom Holland) e Doutor Estranho (Benedict Cumberbatch). Piadas que acabam funcionando muito bem no filme para espantar a angustia de pensar que há qualquer momento um dos personagens poderá partir de vez. Em relação aos efeitos, a produção do filme não poupou esforços e modernizou roupas e poderes dos heróis como Homem de Ferro que já tem sua armadura embutida e Thor, que forjou um novo martelo mais poderoso. Apenas Thanos em minha opinião acabou ficando muito na base da computação gráfica (algo bem visível em certos momentos do filme), tanto pelo seu exagerado tamanho, como pelo seu caminhar em algumas cenas.

Quanto ao roteiro, não há muito que falar, pois ele demonstra claramente que os irmãos Joe e Anthony Russo focaram na união e na cumplicidade dos heróis. Existe também um misto de entusiasmo’visível nos espectadores’ ao verem personagens que nunca se conheceram antes, como Pantera Negra (Chadwick Boseman), Viúva Negra (Scarlett Johansson) e parte dos Guardiões da Galaxia: Peter Quill (Chris Pratt), Gamora (Zoe Saldana) e Drax (Dave Bautista) se unindo para derrotar Thanos. Todavia, deixa alguns atores em segundo plano, como foi o caso do Capitão América (Chris Evans), que não consegue se sobressair e o temível Hulck (Mark Ruffalo) que só aparece no início da trama e a todo o momento se esconde em seu personagem como se estivesse com medo de ressurgir para enfrentar Thanos.

Fim?

Após muitas batalhas, o filme chega ao fim, mas a falta de conclusão clara deixa uma lacuna gigante e espectadores irritados. Os que ficam no cinema após os créditos ‘talvez fiquem mais aliviados”, apesar de não saber o que virá depois, pois não fiquei e se tivesse ficado, não contaria o que vi não é mesmo? Seria Spoiler demais. Vale a pena assistir para que você mesmo tire suas conclusões. Apenas um problema em Vingadores: Guerra Infinita (2018): Filas gigantes e salas de cinema entupidas por todo o Brasil. Mas com sorte tenho certeza de que você conseguirá se encantar com esse que com certeza é um dos grandes lançamentos de 2018. Avaliação: 8 estrelas.

Cinema

MIS Cine Santa Tereza lança documentário sobre o congado mineiro

O curta-metragem “O Bastão e o Rosário” foi viabilizado pelo Edital de Cultura Popular e Tradicional aberto pelo Museu da Imagem e do Som, em 2014.

A Fundação Municipal de Cultura promove no próximo domingo, dia 16 de julho, às 19h, no MIS Cine Santa Tereza, o lançamento do documentário “O Bastão e o Rosário”, de Ana Luísa Cosse. O curta-metragem foi viabilizado pelo Edital de Cultura Popular e Tradicional aberto pelo Museu da Imagem e do Som, em 2014. A sessão de lançamento do filme tem entrada gratuita, com distribuição de ingressos com meia hora de antecedência.

A riqueza cultural do congado mineiro é representada no documentário “O Bastão e o Rosário” pela Irmandade de Moçambique Nossa Senhora do Rosário, do Bairro Alto dos Pinheiros, Belo Horizonte. Essa manifestação popular é retratada no curta-metragem por meio da perspectiva de um personagem real: Paulo Santos, um dos capitães dessa guarda e, ao mesmo tempo, integrante de um grupo parafolclórico. Os elementos caracterizadores do congado, tais como a musicalidade (marcada pelo som dos tambores, das gungas e dos patangomes) e a religiosidade, dentre outros aspectos, são abordados no curta-metragem em meio aos relatos das vivências e das experiências deste personagem principal.

Paulo integra essa guarda de congado há oito anos e se interessou em ingressar na Irmandade devido ao seu envolvimento com o grupo parafolclórico Aruanda. Essa é uma peculiaridade relativa ao protagonista que é tratada no documentário: como Paulo faz parte tanto de um autêntico grupo de congado mineiro como de um grupo que busca a preservação e divulgação dessa manifestação cultural por meio de sua projeção para a linguagem cênica, contribui sobremaneira para a perpetuação dessa tradição em Belo Horizonte e, até mesmo, fora do território nacional, uma vez que o Grupo Aruanda faz apresentações internacionais musicais e de dança.

Lançamento do documentário “O Bastão e o Rosário”
Dia 16 de julho | domingo às 19h
MIS Cine Santa Tereza (Rua Estrela do Sul, 89 – Santa Tereza – Praça Duque de Caxias)
ENTRADA GRATUITA
Informações para o público: (31) 3277-4699

Continua lendo

Cinema

Ator Nelson Xavier morre aos 75 anos em Uberlândia, no Triângulo

Nelson Xavier morreu durante a madrugada de hoje (10) em Uberlândia. A causa da morte não foi divulgado.

Léo Rodrigues – Correspondente da Agência Brasil
Edição: Lidia Neves

O ator Nelson Xavier morreu na madrugada de hoje (10) em Uberlândia (MG). Ele estava com 75 anos. A causa da morte não foi divulgada. Em 2004, o ator havia sido diagnosticado com câncer de próstata, mas, no Festival de Gramado, em agosto de 2014, ele anunciou que estava livre da doença.

Um comunicado público do falecimento foi feito nas redes sociais pela sua filha, Tereza Villela Xavier. “Ele virou um planeta! Estrela ela já era. Fez tudo o que quis, do jeito que quis e da sua melhor maneira possível, sempre”, escreveu.

De acordo com Tereza, o corpo do ator será levado para o Rio de Janeiro e deverá ser cremado amanhã (11) em cemitério ainda não determinado. Além de Tereza, Nelson Xavier deixa três filhos e esposa, a atriz Via Negromonte.

Carreira

Nascido em São Paulo, o ator fez extensa carreira na televisão, no cinema e no teatro. O início de sua trajetória cinematográfica se mistura com o Cinema Novo, um movimento criado por jovens nas décadas de 1960 e 1970, que buscavam superar a falência das grandes produtoras com a realização de filmes de menor custo e mais reflexivos, que combatiam as alienações culturais.

Entre os trabalhos de Nelson Xavier nesta época, destacam-se filmes dirigidos por Ruy Guerra, como Os deuses e os mortos, de 1970, e A Queda, de 1978, trabalho que lhe rendeu o Prêmio Urso de Prata no Festival de Berlim. Em 1967, Nelson Xavier atuou em O ABC do Amor, uma obra de três episódios filmados pelo brasileiro Eduardo Coutinho, pelo argentino Rodolfo Kuhn e pelo chileno Helvio Soto em seus respectivos países.

Ele integrou ainda o elenco de filmes como Dona Flor e seus Dois Maridos, dirigido em 1976 por Bruno Barreto, e Narradores de Javé, dirigido em 2003 por Eliane Caffé. Em 2010, foi protagonista da cinebiografia Chico Xavier, na qual interpretou o médium, sob a direção de Daniel Filho. Na televisão, seu último trabalho foi na novela Babilônia, em 2015. Ele também atuou em novelas como Gabriela, Pedra Sobre Pedra, Renascer, A Favorita e Senhora do Destino.

Na dramaturgia, em que deu seus primeiros passos como ator, Nelson Xavier ficou marcado por integrar o elenco de peças de diretores renomados integrantes do Teatro de Arena, um dos mais importantes grupos das décadas de 1950 e 1960, que tinha como objetivo fazer desta arte uma ferramenta de transformação social. Em 1959, subiu aos palcos em Eles Não Usam Black-tie, escrita por de Gianfrancesco Guarnieri. Também atuou em Julgamento em Novo Sol, em 1962, de autoria de Augusto Boal.

Nelson Xavier ainda poderá ser visto na telas em novo trabalho. Ele protagoniza o filme Comeback, de Erico Rassi, que retrata a história de um ex-pistoleiro aposentado que reage com violência à hostilidade do mundo que o cerca. Apresentado pela primeira vez no Festival do Rio do ano passado, o filme deve chegar aos cinemas brasileiros no próximo dia 25. Na semana passada, a distribuidora O2 Play Filmes divulgou o trailer do filme.

Continua lendo

Cinema

Domingos Montagner, de ‘Velho Chico’, morre aos 54 anos em Alagoas

Ator paulistano morreu nesta quinta-feira (15) em Sergipe, Alagoas.
Acompanhado de Camila Pitanga quando foi tomar banho de rio e acabou afogando.

• atualizado em 15/09/2016 às 19:52

O ator Domingos Montagner, da TV Globo, onde interpreta o personagem Santo da novela “Velho Chico”, morreu nesta quinta-feira (15). Durante a manhã, gravou cenas de “Velho Chico”, em Alagoas e após término da gravação, ele almoçou e, em seguida, foi tomar um banho de rio.

Ele teria dado um mergulho, onde não voltou à superfície. A atriz Camila Pitanga que estava próxima, chamou a produção, que iniciou imediatamente as buscas pelo ator, que contou com presença de Helicópteros do Grupamento Tático Aéreo, Policia Militar, Corpo de Bombeiros e pescadores da região ajudaram nas buscas.

Segundo a Globo para o portal Ego, o corpo foi encontrado a 30 metros de profundidade do Rio São Francisco, onde são gravados cenas da novela das nove.

Veja a repercussão da morte de Domingos Montagner:

Valesca Popozuda, funkeira, no Twitter:
“Que Deus conforme a família e amigos do Domingos Montagner! Que notícia triste”

Bruno Guedes, ator, no Twitter:
“Confirmaram a morte do ator Domingos Montagner. Grande perda pra Dramaturgia! Que Deus conforte a família e amigos”

Thiago Pasqualotto, blogueiro e roteirista, no Twitter:
“Que triste a confirmação da morte do Domingos Montagner. Um grande ator. Meus sentimentos aos familiares e amigos”

Fiuk, cantor e ator, no Twitter:
“Que momento difícil… Até agora tá difícil de acreditar que ele se foi… Que tristeza. Grande ator Domingos Montagner, descanse em paz”

Xuxa, apresentadora, no Twitter: “Não quero acreditar… Que Deus dê força a toda família.”

Ana Maria Braga, apresentadora, no Twitter: “Há uma semana estávamos dividindo esta manhã tão especial. Que você vá em paz, com luz, porque o que você é e fez continuarão aqui pra sempre… Força a todos!”

Franciely Freduzeski, atriz, no Twitter: “Que triste. Tudo é efêmero, nada se sabe. Um dia aqui, o outro ninguém sabe. Deus conforte a família, principalmente as crianças que ainda são pequenas.”

Deborah Secco, atriz: “Sem palavras pra traduzir a dor… Tanta admiração por você. Vou guardá-la comigo pra sempre… Que Deus te receba cheio de amor!”

Felipe Andreoli, jornalista, no Twitter:
“Triste demais essa historia do Domingos Montagner. Inacreditável. Nao tem palavras, explicação”

Gaby Amarantos, cantora, no Twitter:
“Siga em paz Domingos, que Jesus console sua família e que por sua arte seja lembrado para sempre! Tem coisas na vida que a gente não consegue entender pois elas pertencem a Deus”

Valesca Popozuda, funkeira, no Twitter:
“Que Deus conforme a família e amigos do Domingos Montagner! Que notícia triste”

Laerte Coutinho, quadrinista, no Twitter:
“Domingos Montagner morreu, acabo de saber. Querido. Foi Capitão dos Piratas, foi um dos Palhaços Mudos. Grandão. Querido”

Isabela Freitas, youtuber e escritora, no Twitter:
“Era ele mesmo… Confirmaram. Domingos Montagner, que você vá em paz, e muita força pra amigos e família. Doeu o coração o que aconteceu. O que me arrepia é que seu personagem também desaparece no Rio São Francisco. A nossa vida é mesmo muito frágil. Temos que viver mesmo como se cada dia fosse o último, porque realmente, pode ser”

Klara Castanho, atriz, no Twitter:
“Eu e o Domingos Montagner estreamos juntos em Mothern, ele foi meu pai, era palhaço de circo, brilhou aqui e agora ainda mais!”

Carreira

Domingos Montagner, é paulista, onde começou a carreira artística no teatro e em circos, participou de séries e novelas e filmes.

Outras informações dentro de instantes aqui no Por Dentro de Minas

Continua lendo