Redes Sociais

Últimas Notícias

Homem que esfaqueou Bolsonaro é transferido para presídio de Campo Grande, no MS

Ataque ocorreu na última quinta-feira, enquanto participava de uma caminhada no Centro de Juiz de Fora

Adelio Bispo de Oliveira, 40 anos, foi transferido de Juiz de Fora, na Zona da Mata, para um presídio federal de Campo Grande, no Mato Grossos do Sul. Adélio, foi preso na última quinta-feira, após esfaquear o candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSL).

Com força tarefa, com agentes fortemente armados, Adelio deixou a cidade da Zona da Mata, em um avião da Polícia Federal, por volta das 7h55, após foi determinada pela Justiça Federal em audiência de custódia, na tarde desta sexta-feira (7).

O avião chegou na cidade de Mato Grosso do Sul, por volta das 12h, após uma escala em Ribeirão Preto, para abastecimento. Onde foi levado para Instituto de Medicina e Odontologia Legal (IMOL) e em seguida para o presídio.

O ataque a Bolsonaro

Foto: Reprodução

Bolsonaro levou uma facada enquanto participava de uma caminhada no Centro de Juiz de Fora, durante a tarde desta quinta-feira, 6. O candidato à presidência, foi socorrido para à Santa Casa de Misericórdia da cidade.

O hospital informou que ele deu entrada na emergência com uma “lesão por material perfurocortante na região do abdômen”.

Flavio Bolsonaro, filho do candidato, informou inicialmente que o ferimento havia sido superficial, mas exame de ultrassonografia indicou a suspeita de uma lesão no fígado. Até a publicação desta reportagem, Bolsonaro estava sendo operado.

O candidato foi transferido para o hospital Albert Einstein, em São Paulo (SP), nesta sexta-feira, onde está se recuperando.

Prisão preventiva

Na audiência de custória realizada nesta sexta-feira, 7, a juíza federal Patrícia Alencar Teixeira de Carvalho, da 2ª Vara de Juiz de Fora, converteu a prisão em flagrante de Adelio em prisão preventiva, sem prazo determinado.

Adelio foi indiciado pela Polícia Federal (PF) pelo crime de “atentado pessoal por inconformismo político” com base no artigo 20 da Lei de Segurança Nacional por dar uma facada no candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro. Com isto, ele pode ser condenado a uma pena de 3 a 10 anos de prisão.

Continua lendo
Publicidade
Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias

Quatro pessoas morrem em acidente na MG-259, em Governador Valadares

Acidente envolveu um ônibus, um caminhão e dois carros de passeio

• atualizado em 07/01/2019 às 19:43

Acidente em distrito de Governador Valadares - Foto: Divulgação

Quatro pessoas – duas crianças e duas mulheres – morreram em uma acidente na MG-259, próximo a São Vítor, distrito de Governador Valadares, no Vale do Rio Doce, na tarde desta segunda-feira, 7.

Conforme o Corpo de Bombeiros, o acidente envolveu um ônibus, um caminhão e dois carros de passeio. A motorista perdeu o controle, invadiu a contramão e acertou um ônibus de frente. O carro capotou na pista e uma caminhonete que vinha atrás atingiu o veículo.

As vítimas fatais estavam no mesmo carro. As crianças, de 6 meses e dois anos, estavam no bebê conforto, além duas mulheres Três pessoas que estava na caminhonete também ficaram feridas.

Uma adolescente de 16 anos foi socorrida em estado grave. A motorista do ônibus também sofreu ferimentos leves. Os feridos foram conduzidos por ambulâncias do Samu e Corpo de Bombeiros ao Hospital Municipal de Valadares.

Acidente em distrito de Governador Valadares – Foto: Divulgação

Continua lendo

Últimas Notícias

Telhado de casa desaba e deixa dois soterrados em Vespasiano, na Grande BH

Homem trabalhava no imóvel quando ocorreu o acidente

Feridos foram socorridos por populares e bombeiros - Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros

Dois homens ficam feridas após ficarem soterrados na queda de um telhado na tarde desta segunda-feira, 7, em Vespasiano, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Segundo o Corpo de Bombeiros, o telhado cedeu e desabou no momento em que as vítimas trabalhavam em uma obra na residência.

Moradores da região retiraram um dos feridos dos escombros. A segunda vítima, um homem de 33 anos, foi resgatado pela equipe de socorro dos Bombeiros e encaminhado para a Upa (Unidade de Pronto Atendimento) de Vespasiano com escoriações pelo corpo.

Ainda não há identidade dos soterrados e o estado de saúde deles não haviam sido divulgados.

Continua lendo

Últimas Notícias

Disque Denúncia 181 completa 11 anos com mais de 812 mil denúncias recebidas

População contribuiu para a prisão de 193 mil pessoas e a retirada de circulação de 38 toneladas de drogas; previsão é de expansão do serviço a partir deste ano

Crédito: Gil Leonardi/Imprensa MG

O 181 Disque Denúncia Unificado (DDU) está completando 11 anos de atuação ultrapassando a marca de 8,1 milhões de ligações recebidas em Minas Gerais, uma média de 736 mil por ano. Dessas chamadas, 812 mil se transformaram em denúncias apuradas pela Polícia Militar, Polícia Civil e Corpo de Bombeiros Militar. Por meio da contribuição dos cidadãos, que repassam informações de forma sigilosa e anônima, foi possível retirar de circulação mais de 38 toneladas de drogas, entre cocaína, maconha e crack; 20,9 mil armas de fogo, como fuzis e submetralhadoras; além de realizar 193,7 mil conduções, prisões, apreensões ou recapturas de criminosos.

O balanço aponta ainda que, em 11 anos de funcionamento, foram apreendidas nas operações policiais desencadeadas devido às denúncias mais de 9,7 mil balanças de precisão e cerca de 236,6 mil unidades de munição. Graças às ligações anônimas, as polícias também apreenderam R$ 27,4 milhões em espécie, oriundos do tráfico de drogas e de jogos de azar. No que se refere à pirataria, 1,16 milhão de CDs e DVDs piratas foram recolhidos.

O 181 é um serviço gratuito, por meio do qual os cidadãos passam informações sobre crimes e sinistros de forma anônima e sigilosa. O canal de comunicação está disponível em todos os municípios mineiros e contribui de forma significativa para o trabalho das forças de segurança pública do Estado.

Para a coordenadora do DDU, Flávia Gomes, os resultados dos últimos 11 anos refletem a confiança da população mineira no serviço, que é operacionalizado pelo Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp). “Um dos motivos que leva o cidadão a contribuir com o Disque Denúncia Unificado é a certeza de que sua identidade é preservada. As pessoas estão percebendo que, quando denunciam, as ações policiais dão mais resultados, e com isso acabam querendo ajudar cada vez mais”, avalia Flávia, ressaltando a importância da participação dos cidadãos para a efetividade do trabalho policial.

O crescimento da participação popular pode ser percebido na comparação ano a ano dos dados: há um aumento do número de chamadas e, consequentemente, nas denúncias geradas. Em 2008, primeiro ano efetivo de funcionamento do DDU, foram registradas 46.103 denúncias. Somente de janeiro a outubro de 2018, foram 64.467. Para 2019, a expectativa é de aumento ainda maior das denúncias, a partir do incremento nas campanhas de divulgação do serviço.

Ranking de denúncias

O tráfico de drogas é a maior ocorrência denunciada pela população. Em 11 anos, foram cerca de 503 mil denúncias desse tipo de crime, o equivalente a 61% da motivação de todas as chamadas direcionadas ao 181 no período. Em segundo lugar estão denúncias ligadas a atividades do Corpo de Bombeiros (demandas de vistorias e fiscalização, em sua grande maioria), seguida por jogos de azar e, depois, os crimes ambientais. Também entram no ranking denúncias sobre armas de fogo e munições, homicídios, maus tratos a animais, pessoas foragidas e procuradas pela Justiça, comércio ilegal, receptação e desmanche de carros, pirataria, entre outros.

Belo Horizonte, Contagem, Juiz de Fora, Uberlândia, Betim e Ribeirão das Neves são, respectivamente, os seis municípios que mais originaram chamadas ao longo dos 11 anos de atuação do DDU. Os municípios, juntos, representam 48% do total de denúncias registradas pelo serviço. No interior, cidades como Governador Valadares, Divinópolis e Montes Claros também registraram milhares de denúncias.

Balanço de 2018

De janeiro a outubro do último ano, a população mineira realizou 420.706 ligações ao DDU, que resultaram em 64.467 denúncias. Nestes dez meses, foram mais de 24,5 mil pessoas conduzidas, presas, apreendidas e ou recapturadas por meio de informações recebidas via denúncias. Além disso, foram apreendidas 2.564 armas de fogo, 25,9 mil munições e 3.580 animais silvestres.

Com relação à apreensão de drogas, o 181 possibilitou o recolhimento de 478,7 quilos de cocaína, maconha e crack entre janeiro e outubro de 2018, frente a 418,2 quilos no mesmo período do ano anterior. Também foram apreendidas 1.618 balanças de precisão, instrumento importante do tráfico de entorpecentes.

Entre os destaques mais recentes do serviço está a captura de um foragido que estava com mandado de prisão em aberto, além de um indivíduo envolvido em homicídio, pela Polícia Civil. A operação que resultou nas prisões foi realizada em novembro, após uma denúncia anônima recebida pelo 181.

Sigilo Absoluto

Com o slogan “O importante é o que você diz, não quem você é”, o DDU busca aprimorar constantemente o serviço para garantir ao cidadão que as informações repassadas aos atendentes sejam trabalhadas de forma eficiente e qualificada. As ligações são criptografadas, garantindo o sigilo do denunciante.

Para denunciar, basta ligar, gratuitamente, para o número 181, que funciona com uma central de atendimento unificada, formada por profissionais treinados e capacitados que trabalham em regime 24 horas para atender a população.

Quando o telefone chama na central, o tempo médio de espera do denunciante é de vinte segundos. Ao ser atendido, quem faz a denúncia recebe uma senha para acompanhar o andamento das investigações. As informações repassadas a um dos atendentes são registradas e encaminhadas para analistas das Polícias Civil e Militar e do Corpo de Bombeiros. Esses servidores analisam, classificam e incorporam à denúncia outras informações, quando já existentes em bancos de dados dessas instituições, que também auxiliam na solução de cada caso.

Continua lendo