Já são mais de 35 coletivos queimados em 18 cidades do estado

• atualizado em 05/06/2018 às 12:22  

Entre a noite desta segunda-feira (4) e a madrugada desta terça-feira (5), nove coletivos foram incendiados no estado. A onda de ataques que começou no fim de semana, já deixa um prejuízo milionários para o setor de transporte.

Veículo da Cemig foi incendiado – Foto: Divulgação

Os últimos ataques ocorrerão nas cidades de Passos, Itajubá e Varginha, no Sul de Minas e Tupaciguara, Uberaba e Uberlândia, no Triângulo Mineiro. Em Itajubá, foram dois coletivos foram queimados e três pessoas presas. Já Passos, ocorreu dois ônibus e um caminhão da Cemig (Companhia Energética de Minas Gerais) incendiados. Em Varginha, uma viatura do sistema prisional foi destruída.

No Triângulo Mineiro, em Uberaba, mais um ônibus foi incendiado, na cidade de Tupaciguara, três coletivos foram queimados e em Uberlândia, houve uma incêndio a ônibus e uma tentativa.

Segundo a Polícia Militar (PM), estão sendo investigadas se os crimes têm ligação com a facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital), de São Paulo, já que nas redes sociais estão circulando áudios de supostos envolvidos articulando o ataque pela internet.

Conforme a PM, desde domingo, 40 pessoas foram conduzidas por suspeita de envolvimento na onda de ataques em Minas.

Lista das cidades onde os crimes ocorreram:

  • Alfenas
  • Araxá
  • Belo Horizonte
  • Brasópolis
  • Cruzília
  • Guaxupé
  • Itajubá
  • Lagoa da Prata
  • Monte Santo de Minas
  • Passos
  • Poços de Caldas
  • Pouso Alegre
  • Santa Luzia
  • Três Corações
  • Tupaciguara
  • Uberaba
  • Uberlândia
  • Varginha

Nota conjunta da Sesp, Seap, Polícia Militar, Polícia Civil e Corpo de Bombeiros Militar

O Estado de Minas Gerais ressalta que está empenhado na resolução e no esclarecimento das motivações que levaram à queima de ônibus e outros eventos de segurança desde o último domingo (3/6), em diferentes cidades mineiras. Por determinação do Governador Fernando Pimentel, todas as forças de segurança trabalham de forma integrada e com prioridade na questão, na busca de resultados e punição de responsáveis.

Vale ressaltar que a resposta dada até o momento pelas instituições mostra mais uma vez a força das polícias mineiras e a confiança que a população pode e deve ter na resolução dos fatos. Até o momento, já foram conduzidos, pela Polícia Militar, 30 suspeitos de integrar as ações; outras pessoas poderão ainda ser responsabilizadas na continuidade dos trabalhos.

As áreas de Inteligência da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp), Secretaria de Estado de Administração Prisional (Seap), Polícia Militar, Polícia Civil e Corpo de Bombeiros Militar estão e continuarão debruçadas sobre o tema de forma diuturna. A Polícia Civil também já está com investigações em curso e, o Corpo de Bombeiros, atendendo imediatamente todas as ocorrências que permanecem felizmente sem vítimas.

Entretanto, apesar de entender todo o desejo de mais detalhes oriundos da imprensa, é imprescindível o sigilo das ações e investigações que estão sendo desenvolvidas, potencializando, desta forma, o objetivo final que é o esclarecimento dos fatos para a sociedade.

A Polícia Federal e o Gabinete Militar do Governador também foram envolvidos neste esforço de resolução dos eventos. Na manhã desta segunda-feira (4/6), ambas as instituições se juntaram à Sesp, Seap, PM, PC e Bombeiros em uma reunião estratégica para tratar do tema, realizada com a presença do governador.

Secretaria de Estado de Segurança Pública, Secretaria de Estado de Administração Prisional (Seap), Polícia Militar, Polícia Civil e Corpo de Bombeiros Militar

comentários