Redes Sociais

Últimas Notícias

Livro ilustrado da Funed ajuda a população a diferenciar as cobras corais verdadeiras das falsas

Obra possibilitará que qualquer pessoa seja capaz de diferenciar as espécies encontradas em Minas Gerais.

Caso você se depare com uma cobra coral, saberia distinguir se o animal é peçonhento ou não? Se você não for um biólogo ou profundo conhecedor desses animais, dificilmente conseguirá. O fato é que a coral verdadeira pode inocular seu veneno em uma pessoa ou em outros animais e a falsa, não. Isso acaba causando a matança indiscriminada desses animais.

Com o objetivo de evitar que isso se torne recorrente, a Fundação Ezequiel Dias (Funed), por meio de seu Serviço de Coleção Científica (SCC), criou o livro Cobra Coral, que busca produzir material educativo para que qualquer pessoa seja capaz de diferenciar espécies de corais verdadeiras e falsas encontradas no estado de Minas Gerais.

“Em todos os eventos de divulgação científica que participamos, uma das perguntas mais frequentes do público era: como podemos diferenciar as corais verdadeiras das falsas? Assim, surgiu a ideia de produzirmos um material educativo que ensinasse de uma maneira simples as características que nos permitem identificar esses animais”, explica Flávia Cappuccio Resende, bióloga do SCC.

No Brasil, existem 37 espécies de corais verdadeiras e aproximadamente 60 espécies de corais falsas. Para que o trabalho fosse feito, foi realizado um levantamento bibliográfico para identificar as espécies de corais verdadeiras e falsas que ocorrem em Minas Gerais.

Espécimes tombados presentes na Coleção Científica de Serpentes da Funed de cada uma das espécies de corais foram analisados, visando reconhecer características morfológicas que permitem identificar as diferentes espécies. Foram realizadas fotografias da cabeça, dorso e ventre dos animais.

Para identificar os animais, os biólogos usam uma chave de identificação, também conhecida como chave dicotômica. Ela possibilita descobrir a família, gênero, ou espécie de um organismo através da observação de suas características morfológicas.

“A chave dicotômica oferece usualmente duas alternativas, que o biólogo decide observando o animal. Por exemplo, se estivermos identificando uma cobra coral, um dos itens da chave dicotômica poderia ser: presença de anéis pretos, vermelhos e brancos completos, ou anéis pretos, vermelhos e brancos incompletos. Ventre branco, creme ou manchado”, explica Flávia, que acrescenta que os passos da chave devem ser seguidos, e, ao final, eles vão sinalizar a espécie daquele organismo.

A equipe adaptou esse método para que qualquer pessoa consiga diferenciar as cobras. Foi elaborada uma chave de identificação didática com auxílio de um profissional design gráfico.

“Identificamos cinco espécies de corais verdadeiras que ocorrem no estado de Minas Gerais: Micrurus corallinus, Micrurus frontalis, Micrurus lemniscatus, Micrurus brasiliensis e Micruus decoratus. Uma réplica de uma coral verdadeira da espécie Micrurus frontalis foi confeccionada em tecido”, detalha a especialista.

Além dessas, também foram mapeadas quatro espécies de corais falsas comumente encontradas no estado foram selecionadas: Oxyrhopus guibei, Oxyrhopus trigeminus, Erytrholamprus aesculapii, Apostolepis assimilis. Para cada uma dessas espécies, foram registradas características morfológicas que permitem a identificação das mesmas.

Com base nessas informações, um exemplar do livro foi confeccionado todo em material reciclado e de modo artesanal. O trabalho foi realizado em conjunto com o bolsista de iniciação científica Júnior Leonardo Carvalho da Silva, com a artista plástica Miriani Rezende, e com Fábio Neves, profissional de design gráfico.

“Pretendemos publicá-lo em formato digital para estar disponível na internet, e também em mídia impressa. A chave de identificação didática das corais será incluída no próximo mês na cartilha Animais Peçonhentos, disponibilizada no site da Funed”, conta Flávia.

Para a fundação – que é especializada na produção e pesquisa de soros antipeçonhentos no Brasil – fornecer informações úteis à população sobre esses animais é fundamental para cumprir o seu papel.

De acordo com a bióloga, ao se deparar com esses animais, a pessoa deve se afastar, nunca tentar pegar com as mãos, pois é assim que acontecem os acidentes com as corais verdadeiras. Ela lembra também que esses animais não são agressivos, não dão bote, mas podem picar quando tentamos manipulá-los ou quando pisamos neles acidentalmente.

Para a pesquisadora, mostrar a diversidade de serpentes do nosso estado já é uma forma de alertar para a preservação desses animais, independente de serem venenosos ou não. “Precisamos conhecer para preservar! Difundir informações sobre as serpentes, sua história de vida, seu comportamento só ajuda a respeitarmos esses animais tão temidos e cheios de mitos que, infelizmente, passam entre as gerações”, acredita.

Continua lendo
Publicidade
Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias

Incêndio de grandes proporções destrói apartamentos no Cidade Nova, em BH

Uma pessoa precisou de atendimento médico

Foto: Reprodução/Whatsapp

O incêndio em um apartamento de prédio no Bairro Cidade Nova, na Região Nordeste de Belo Horizonte, na tarde desta sexta-feira, 5, assustou vizinhos pela grandes proporções. O Corpo de Bombeiros foi mobilizado para fazer o combate as chamas no apartamento.

De acordo com o Bombeiro, o prédio fica localizado na Rua Doutor Jarbas Vidal Gomes e com as grandes proporções foi preciso fechar a via para o trabalho dos militares.

Aproximadamente 10 viaturas do 3º Batalhão de Bombeiros Militar de Minas Gerais estão no local. As causas do incêndio ainda estão sendo apuradas.

Os próprios vizinhos realizaram a retiraram os moradores do local. Uma pessoas precisou receber cuidados médicos após inalar grande quantidade de fumaça e foi encaminhada para uma unidade do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU).

Continua lendo

Últimas Notícias

Polícia prende o criminoso mais procurado de Minas Gerais

Ele estava foragido da Justiça desde dezembro de 2017, quando saiu da Penitenciária Nelson Hungria com alvará de soltura falsificado

A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) concedeu coletiva à imprensa e passou detalhes sobre a prisão de Luis Henrique Nascimento do Vale, 35 anos, mais conhecido como “Totó”. Ele foi preso nessa quarta-feira (03/04), em Balneário Camboriú, Santa Catarina e chegou ontem (4) a Belo Horizonte.

Segundo as investigações, “Totó” era o criminoso mais procurado do Estado. Ele estava foragido da Justiça desde dezembro de 2017, quando saiu da Penitenciária Nelson Hungria com alvará de soltura falsificado. Ainda de acordo com as apurações, ele é apontado como envolvido em vários crimes relacionados ao tráfico de drogas, homicídios e outros contra o patrimônio.

De acordo com o Delegado João Prata, “Totó” é suspeito de liderar uma quadrilha cuja base é o bairro Santa Cruz, região Nordeste da capital. “As investigações dão conta de que ele está envolvido em diversos homicídios, dois deles cometidos com uso de fuzil. Uma ocorrência que teve bastante repercussão foi a morte de um advogado, executado em 2013, no bairro Castelo, região da Pampulha e um empresário morto em fevereiro do ano passado, no bairro Santa Cruz”, explicou.

Luis Henrique, o “Totó”, negou as acusações. O Delegado explicou que ele estava levando uma vida de luxo no Sul do País, onde foi preso. “Ele morava a um quarteirão da praia e levava uma vida luxuosa, sustentada pelos lucros do tráfico de drogas. Ele nos disse que não tem inimigos, porque todos ele já matou”, concluiu.

A operação foi realizada pela equipe da Delegacia Especializada em Repressão a Furto e Roubo , subordinada ao Departamento Estadual de Investigação de Crimes Contra o Patrimônio (DEPATRI).

Continua lendo

Últimas Notícias

Previsão do tempo para Minas Gerais, nesta sexta-feira, 5 de abril

Fim de semana a tendência é de tempo instável em todas as regiões mineiras

Nesta sexta-feira (5/4), áreas de instabilidade atmosféricas ganham força sobre o Brasil Central e favorecem ao aumento da nebulosidade e ocorrência de pancadas de chuva, porém localizadas, em boa parte do estado de Minas Gerais. E, durante o fim de semana a tendência é de tempo instável em todas as regiões mineiras e pode chover localmente forte no Sul, Oeste e Sudeste mineiro.

Continua lendo