Setra confirma fim do vandalismo no primeiro mês com seguranças nas estações do Move


Às vésperas de completar um mês do início das atividades dos seguranças nas estações do Move em Belo Horizonte, o resultado até o momento é bem positivo. Conforme levantamento feito Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte (Setra-BH) desde o último dia 12 de junho até esta sexta-feira, nenhum caso de vandalismo, como quebra de portas, monitores e catracas, foi registrado dentro dos terminais na capital.

Ainda de acordo com a assessoria de imprensa do sindicato, dos 67 monitores, instalados dentro das estações para orientar o passageiros sobre os horários de chegada e partida dos coletivos, que apresentavam algum tipo de problema, sendo 55 quebrados e 12 inoperantes, apenas oito, que estão nas avenidas Pedro I e Vilarinho, na Região de Venda Nova, ainda não foram trocados. O sindicato diz que já fez o pedido e aguarda a chegada dos televisores para realizar as trocas.

Desde o início da operação do sistema Move em Belo Horizonte, dezenas de portas foram quebradas e vários monitores danificados. Desde o mês passado, com a atuação de 192 profissionais, que trabalham em esquema de revezamento, a situação foi controlada. Eles estão equipados com cassetetes de borracha, coletes a prova de bala, algemas e um rádio comunicador. Em alguns terminais, dois seguranças podem trabalhar em conjunto, ao mesmo tempo, de acordo com a necessidade.

O Por Dentro de Minas procurou a BHTrans para ter acesso ao balanço do número de roubos e assaltos registrados dentro dos terminais neste primeiro mês de trabalho dos seguranças, mas a empresa informou que os dados serão repassados na próxima segunda-feira. Apesar disto, a BHTrans confirmou a redução drástica da criminalidade nas estações de transferência.

Conforme o Por Dentro de Minas informou, os seguranças impediram um assalto no primeiro dia de trabalho. De olho em uma passageira distraída que aguardava o ônibus do BRT/Move na Estação São Francisco, na Avenida Antônio Carlos, um rapaz tentou tomar dela a bolsa e o celular. O roubo acabou sendo impedido por um dos seguranças, que pelo rádio chamou a Guarda Municipal. Em questão de minutos, duas viaturas e três motocicletas da corporação chegaram ao local e começaram as buscas pelo assaltante nos arredores e até em estações próximas, como a IAPI. Esse foi apenas um dos conflitos que os vigilantes encontraram em seu primeiro dia de trabalho, que teve ainda pessoas tentando burlar catracas ou entrar pelas plataformas sem pagar.

Total
0
Shares

Relacionados