O Por Dentro de Minas é um portal de notícias de Belo Horizonte e todo o estado de MG. Últimas notícias, informações em tempo real do trânsito, previsão do tempo, agenda cultural, emprego, colunas, blogs e coberturas especiais.

1 a cada 5 mulheres adultas sofrem com doenças cardíacas no Brasil

Por Dentro de Minas - Google News

Especialista alerta para cuidados preventivos a patologias que podem provocar o infarto.

Enganam-se aqueles que pensam que o infarto acomete mais os homens. As mulheres também são propícias a infartar. No Brasil, 20% possui algum tipo de patologia associada ao sistema cardiovascular. Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), as doenças cardíacas estão associadas a 31% das mortes por ano no mundo.

O Ministério da Saúde, informou ha algum tempo atrás que a principal causa de morte entre o sexo feminino são doenças do coração. Aproximadamente 20 mil óbitos são decorrentes de problemas cardíacos, sendo a primeira causa, o AVC (Acidente Vascular Cerebral) e o infarto ocupando o segundo lugar.

Gilmar Reis é cardiologista, ele explica que os sintomas cardíacos em mulheres não são os mesmos nos homens. “Biologicamente, os corpos femininos e masculinos são diferentes em termos anatômicos, fisiológicos e funcionais. Exatamente por isso, também existem diferenças quanto ao risco de diversos tipos de doença, inclusive cardiovasculares”, esclarece.

Ele ressalta que “o coração feminino é ligeiramente menor que o do homem, algo que influencia na quantidade de sangue que ele ejeta. Enquanto isso, a ação dos hormônios femininos em conjunto com artérias coronárias mais estreitas também provoca uma pressão arterial mais baixa em mulheres. Além disso, outras diferenças também influenciam.

O especialista reitera que “enquanto nos homens o principal sintoma é a dor no peito, nas mulheres, os sinais são bem diferentes. Elas reclamam de dor nas costas, cansaço, queimação no estômago e náusea. Com isso, pensam que se trata de crise de problemas gastrointestinais ou ortopédicos, e assim retardam a procura do socorro médico (sendo estes, alguns dos motivos que levam ao óbito)”.

De acordo com informações da Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista (SBHCI), a cada ano, 8 milhões de mulheres morrem devido a complicações de doenças cardíacas. “A taxa de mortalidade em pacientes com infarto agudo do miocárdio com supra de ST (IAMCSST) é definitivamente maior em mulheres do que em homens”.

Prevenção e cuidados diários

Apesar dos diferentes sintomas em ambos, o cardiologista frisa que a prevenção é igual entre ambos. “A forma de evitar em ambos é sempre a mesma: prevenção! Cuidados ao longo da vida com a alimentação, exercícios físicos e visitas frequentes ao médico ajudam a melhorar o bem-estar e qualidade de vida”.

Conforme elucida  a SBHCI, é preciso se atentar às políticas públicas preventivas ao infarto entre elas também. “Presume-se que uma maior atenção à dor torácica no sexo feminino deva ser dada, tanto pela população geral, quanto pelos médicos responsáveis pelo atendimento extra e intra-hospitalar. Programas de governo educacionais visando a saúde cardiovascular nas mulheres devem ser priorizados e, talvez, estratégias intra-hospitalares de cuidado, como a utilização da via radial e utilização mais criteriosa dos agentes antitrombóticos, também possam reduzir ainda mais as complicações vasculares (também mais frequentes) nesse grupo de pacientes”.

Para manter a saúde do coração em dia, o cardiologista deixa as dicas: “manter uma alimentação saudável e controlar o peso; Manter uma boa rotina de sono; Praticar exercícios físicos semanalmente, pelo menos 3 vezes, com uma  Não fumar e controlar o consumo de bebidas alcoólicas; Ficar em alerta a qualquer sintoma e realizar check-ups anualmente”.

Aos que já sofreram algum tipo de ataque cardíaco, o médico também deixa algumas dicas: “após um infarto, o paciente pode sofrer com o surgimento de algumas condições, como arritmia, parada cardiorrespiratória, entre outras doenças cardiovasculares. Por isso, ao passar por um ataque, geralmente, o médico fica atento as primeiras 72h para observar a recuperação. Além disso, os cuidados regulares passam a ser ainda mais importantes. Caso já tenha sofrido com um infarto – ou não – nunca hesite em manter suas consultas de rotina e hábitos saudáveis”.

Fonte: Gilmar Reis, Cardiologista e especialista em Clínica Médica e Medicina Intensiva, é pesquisador e coordenador do Centro de pesquisa Clínica CARDIOLAB (@dr_gilmarreis).

Para ler mais notícias do Por Dentro de Minas, clique em pordentrodeminas.com.br. Siga também o Por Dentro de Minas no Facebook, no Twitter e por RSS
Total
0
Shares
Relacionados