Uma dose de solidariedade

Por Dentro de Minas - Google News (pordentrodeminas - googlenews)

Dentista com especialização em harmonização facial, oferece cirurgia grátis para os filhos das participantes do grupo, Amor de Mãe, que sofrem com orelhas de abano. 

As crianças costumam ser expressivas e sinceras, sem medir nas palavras, o que é normal nesta fase da vida. Logo, quando enxergam algo diferente no coleguinha, comentam, fazem piadas e brincadeiras a respeito. É o que acontece, por exemplo, com os pequeninos que possuem orelhas de abano. O problema é caracterizado pelo distanciamento exorbitante do crânio.

Geralmente, a orelha de abano acomete as duas, de forma simétrica, ou não, entretanto, há casos em que somente uma é afetada, chamada de unilateral. Sua origem é genética e atinge de 2% a 5% da população, tanto do sexo feminino, comodo masculino, sendo observada desde o nascimento.

Além disso, especialistas afirmam que com 3 anos de idade, a criança já tem 70% do tamanho definido das orelhas, ou seja, a tendência é crescer apenas 30%, portanto, se o caso não for perceptível nos primeiros dias de vida do bebê, ainda na primeira infância, as orelhas de abano podem ser observadas.

Preocupada com os sofrimentos dessas crianças e o atual momento de crise financeira no país, a cirurgiã dentista, Natália Caiaffa, realiza nesta semana, a operação da orelha de abano nos filhos das participantes do grupo, Amor de Mãe. “A finalidade é ajudar as mães do grupo que sonham em fazer esse procedimento nos filhos, mas não tem condição, especialmente num momento delicado como esse, onde a renda delas caiu drasticamente”, explica.

A ideia surgiu de uma conversa com a coordenadora da comunidade, Márcia Machado. “A Natália me procurou e disse que queria fazer algo em prol da sociedade, logo, teve a ideia de realizar esse procedimento nos pequenos e viu a oportunidade de seguir com a ideia aqui no nosso grupo”, lembra Márcia.

Autoestima cultivada desde cedo

O projeto, além de ajudar as mães que não conseguem pagar pela cirurgia, também tem como objetivo, aumentar a autoestima das crianças. “Sabemos que o fato de ter algo diferente causa desconforto com as brincadeiras de mau gosto, principalmente, entre as crianças. Por isso, é importante a realização do procedimento para evitar essas piadinhas”, conta a coordenadora do grupo.

Outro ponto interessante é o fato de levar essa oportunidade para classes sociais de baixa renda. Segundo as idealizadoras do projeto, o intuito é proporcionar alegria e uma melhor sensação aos garotos e garotas que, em sua maioria, se sentem mal diante das outras crianças e sociedade como um todo, por ter as orelhas um pouco mais avantajadas. Ademais, essa alegria também vem em dose dupla, pois, o projeto agradou as mães que não possuíam condições de arcar com o procedimento.

“O objetivo principal é resgatar a autoestima dessas crianças e fazer esse carinho no coração das mães do grupo que já sofreram tanto nessa pandemia, além de diminuir a desigualdade. Sabemos que muitas sonham em proporcionar um procedimento desses aos filhos, mas, não tem condição ou tem prioridades mais urgentes nesse momento tão difícil”, reitera a dentista.

 

Fontes: Márcia Machado, empresária, influenciadora digital e moderadora do Grupo Amor de Mãe BH. Casada, mãe de 2 filhos e boadrasta de 2 crianças.

Natália Caiaffa-Cirurgiã dentista há 11 anos. Tem especialização em prótese e estética e pós graduação em harmonização facial.

Foto: Coordenadora- Márcia Machado

Crédito: Renato Matos

Total
1
Shares
Reportagem Anterior

Mulheres sofrem 15% a mais com as varizes do que os homens

Próxima Reportagem

Academia Mineira de Letras lança projeto “22 entrevistas no Bicentenário da Independência”

Postagens Relacionadas