ÚLTIMASBelo Horizonte registra primeira morte por dengue em 2020 saiba mais
Gerais

BH ganha caixa postal comunitária para população de rua

Uma reunião técnica marcou, na manhã desta sexta-feira (6/12), a instalação, na capital mineira, da primeira caixa postal comunitária para as pessoas em situação de rua, no Brasil. A iniciativa foi gestada dentro do projeto Rua do Respeito, em parceria com a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos e o Vicariato da Arquidiocese de Belo Horizonte.

Instalada no local onde funciona a Pastoral de Rua de Belo Horizonte (Rua Além Paraíba, 208, no Bairro Lagoinha), a caixa postal comunitária irá garantir à população de rua um endereço postal seguro e gratuito para o recebimento de correspondência.

O juiz Sérgio Henrique Cordeiro Caldas Fernandes, um dos representantes do Judiciário mineiro no projeto Rua do Respeito, explica que a ideia foi inspirada na experiência da European Federation of National Organisations Working with the Homeless (Feantsa), no âmbito da União Europeia.

“A ideia é que a caixa postal comunitária seja uma ferramenta para a reaproximação da pessoa que vive nas ruas ou nos abrigos, aqui em Belo Horizonte, com os parentes e amigos, reestabelecendo laços familiares”, explica.

Além disso, pretende-se que ela sirva como referência para emprego, permitindo, por exemplo, o envio de currículos, e seja usada como indicação de endereço para os cadastros de serviço social e estatísticas e acompanhamento médico, em tratamentos de longa duração, e psicológico.

“A ferramenta poderá também ser útil para aqueles que estão cumprindo medidas penais, além de ser um meio de recebimento de documento, como certidão de nascimento”, avalia o magistrado.

De acordo com o juiz, a participação dos Correios, que alterou o seu normativo para adaptá-lo ao projeto piloto, com o objetivo de poder reproduzi-lo no Brasil, representa ainda mais uma forma de incluir a temática da população de rua nas políticas públicas.

Projeto piloto

“Essa é uma experiência inovadora também para os Correios, mas estamos fazendo isso de coração, na expectativa de que dê certo. É um projeto que nos traz muita esperança, pois um país não tem como se desenvolver se estiver desestruturado socialmente”, observa o administrador da Gerência de Distribuição dos Correios, Júnior Aguiar da Silva.

Marianna Maciel, servidora da Corregedoria-Geral de Justiça do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), explica que o módulo da caixa postal tem 108 “caixinhas” e será gerenciado pela Pastoral de Rua, entidade que é essencial na promoção dos direitos das pessoas em situação de rua e realiza trabalho diuturno junto e em prol dessa população.

“Os moradores poderão agora, quando for solicitado endereço para correspondência, informar o número de uma das caixinhas da caixa postal, com o CEP, e saberão que receberão as cartas e outros documentos de seu interesse ali. Cada número é um endereço único”, destaca Marianna, que também representa o TJMG no Rua do Respeito.

Claudenice Rodrigues Lopes, da equipe da Pastoral de Rua, explica que o atendimento e a gestão dessas caixas provavelmente serão feitos com outros serviços que existem no vicariato, como a Acolhida Solidária, que diariamente recebe muitas pessoas em situação de rua. “Vamos pactuar e acertar tudo isso, junto às pessoas que atendemos”, explicou.

Instalada na Pastoral de Rua de Belo Horizonte, a caixa postal comunitária irá garantir à população de rua um endereço postal seguro e gratuito

Exercício de cidadania

O vigário episcopal para ação social e política da Arquidiocese de Belo Horizonte, Padre Júlio, destaca o fato de que se trata de um projeto em benefício de uma população que vive à margem da sociedade e que muitas vezes não é vista. “Por isso, esse é um momento com um significado especial, histórico”, observa.

Na avaliação do vigário, a experiência tem tudo para ser bem-sucedida, uma vez que ela foi construída por diversas cabeças, mãos e corações. “É muito bom iniciar algo sabendo que não se está sozinho. Isso dá muita força a esse projeto”, avalia.

A desembargadora Maria Luíza de Marilac, presidente do Núcleo de Voluntariado do TJMG, também se diz cheia de esperança com a iniciativa. “Sonho que esse projeto tão bonito, de inclusão social, irá para a frente, com o empenho de todos. A caixa postal é uma ferramenta que possibilitará a essas pessoas reatar laços familiares e facilitará o acesso a documentos e a empregos”, ressalta.

Os diversos parceiros do Rua do Respeito também destacam a importância do projeto. O desembargador Lailson Braga Baeta Neves, representante do TJMG no Rua do Respeito, ressalta que ele representa “um ato de prestígio à cidadania e ao estado de direito, fazendo, mais uma vez, um trabalho rumo à justiça social”.

O desembargador acrescenta que a iniciativa “retorna ao morador de rua a sua visibilidade, e é uma medida integrativa, representando mais um passo no sentido de reintegrá-lo e colocá-lo em contato com pessoas amigas e familiares de quem se afastou”.

Acesso à Justiça

A juíza auxiliar da Corregedoria-Geral de Justiça e integrante do Núcleo de Voluntariado do TJMG, Lívia Borba, e a juíza Cláudia Helena Batista, ambas integrantes do Rua do Respeito, ressaltam, entre outros pontos, os impactos da medida para o acesso à Justiça, já que a formalidade dos atos processuais exige a indicação de um endereço para correspondência.

Por isso, a caixa postal, como um indicativo de endereço, pode parecer algo simples e comum para a maioria das pessoas, mas tem grande impacto para quem vive nas ruas, destaca o promotor de justiça Walter Freitas de Moraes Júnior, coordenador da Rede de Voluntariado do Ministério Público.

“A caixa postal comunitária irá facilitar o exercício de diversos direitos e tornar mais simples o cumprimento de obrigações, tudo isso pela simples possibilidade de indicação do local onde a pessoa pode ser contatada. Penso que será também um instrumento para a manutenção dos vínculos, sociais e familiares”, observou o promotor.

O defensor público federal João Márcio Simões, atualmente defensor regional de direitos humanos, que considera a iniciativa “maravilhosa e libertadora para as pessoas em situação de rua”, lembra que “boa parte dos esforços por uma inclusão qualificada dessa população em programas sociais e por acesso a direitos será concretizada através de iniciativas como essa”.

not-reuniao-cxpostal-pop-rua1.jpg Os parceiros da iniciativa celebram a caixa postal como uma ferramenta para a inserção no mercado de trabalho e inclusão em programas sociais
Trabalho e futuro

Procuradora do Ministério Público do Trabalho, Elaine Noronha Nacif destaca que a caixa postal é um facilitador para comunicações de todo tipo, “inclusive as de inserção no mercado de trabalho, que são tão importantes para o resgate dessas pessoas à condição de cidadania”.

Para a procuradora, é preciso “estimular as instituições públicas e privadas a acionar as populações em situação de rua para comunicar oportunidades de emprego, renda e de acesso a direitos. O Ministério Público do Trabalho certamente fará isso”, afirmou.

Gelton Pinto Coelho Filho, presidente do Instituto Corecon Cultural de Minas Gerais, ressalta que o significado do projeto da caixa postal comunitária para quem está em situação de rua “é bem maior do que a interlocução entre setores governamentais”.

“Ele é a oportunidade que a maioria das pessoas em vulnerabilidade têm de reencontrar família, amigos ou de recomeçar. A economia, como ciência social aplicada, reconhece, através de seu instituto em Minas, a importância de se estabelecerem redes e de sonhar um outro futuro possível”, conclui.

Cartas de Natal

Samuel Rodrigues, integrante do Movimento Nacional de População de Rua, exalta a iniciativa. “Nossa luta é pelo direito à moradia, pois a habitação é a grande perda para quem está nessa situação. Mas essa iniciativa de proporcionar um endereço é muito boa, ainda que comece pequena, como um projeto piloto”.

Ex-morador de rua, Samuel destaca não apenas a importância dos parceiros que estão por trás da ideia, mas também as possibilidades abertas pela ferramenta. “Estamos na época do Natal e eu já fico pensando: essas caixinhas podem agora receber cartões de Natal”, celebra.

Rua do Respeito

O Rua do Respeito é resultado de um termo de cooperação técnica assinado em maio de 2015 pelo TJMG, pelo Ministério Público e pelo Serviço Voluntário de Assistência Social (Servas). A iniciativa se expandiu e hoje inclui outras instituições parceiras, como a Defensoria Pública e o Ministério Público do Trabalho.

Por meio do projeto, os órgãos buscam dar concretude e efetividade às políticas púbicas definidas para a população de rua no Decreto Nacional 7.053, de maneira a garantir a essas pessoas o mínimo existencial.

Com a iniciativa, pretende-se mobilizar, articular e integrar esforços em prol da população que vive nas ruas, viabilizando ações voltadas para a promoção do exercício da cidadania dessa comunidade.

Entre as medidas pretendidas, estão aquelas voltadas para a profissionalização, para o acesso à justiça, a proteção dos direitos, a reconstrução da vida e a inclusão social. Pretende-se também sensibilizar a sociedade para os direitos desse público.

7712 Publicações

Sobre
A Por Dentro de Minas é um portal que traz as principais notícias do Estado de Minas Gerais.
Artigos
Relacionados
Gerais

Tecnologia excessiva na pandemia pode ser um risco à saúde

Pesquisa aponta aumento no uso de celulares e computadores; conteúdos inadequados e horas conectadas podem atrapalhar sono, causar doenças psicológicas e diminuir…
Gerais

Polícia prendem suspeito de homicídio horas depois do crime em São Sebastião do Paraíso

Diligências continuarão para determinar a motivação do crime e se há outros envolvidos
Gerais

Polícia conclui investigação sobre morte de homem carbonizado em Vespasiano

Motivação para o crime seria o fato de a vítima já ter auxiliado em um atentado cometido contra um amigo do suspeito preso
Power your team with InHype

Add some text to explain benefits of subscripton on your services.

Deixe uma resposta