Redes Sociais

Eleições 2018

Confira o que pode e não pode até as eleições deste domingo

Eleitores vão paras às urnas neste domingo

• atualizado em 06/10/2018 às 14:27

As eleições acontece neste domingo, 7, mas algumas restrições já começa a valer já neste sábado, 6, véspera das eleições. Eleitores e candidatos deve já começa a cumprir uma série de regras determinadas pela Justiça Eleitoral.

As regras neste domingo, são ainda mais restritas, um exemplo, não será permitido a boca de urna, ou seja, fazer comícios, carreatas ou propaganda de partidos ou candidatos com alto-falantes, principalmente em locais de votação. Caso seja descumprido, pode  haver punições que variam desde o pagamento de multa até o cassação da candidatura.

Algumas restrições

Para o candidato, o que pode?

  • Até às 22h, podem ser distribuído folhetos, adesivos e impressos, independentemente de autorização, com responsabilidade do partido, da coligação ou do candidato;
  • Usar bandeiras portáteis em vias públicas, desde que não atrapalhem o trânsito de pessoas e veículos;
  • Colar propaganda eleitoral no para-brisa traseiro do carro em adesivo microperfurado; ou em outras posições do veículo, não ultrapassem a dimensão de 50 cm x 40 cm;
  • Usar alto-falantes, amplificadores, carros de som e minitrios entre 8h e 22h, com distância de 200 metros de distância de repartições públicas, hospitais, escolas, bibliotecas, igrejas e teatros;
  • Realizar comícios entre 8h e 22h, inclusive, com uso de trios elétricos em local fixo, que poderão tocar somente jingle de campanha e discursos políticos;

Já não pode para o candidato

  • Realizar fixações propaganda em bens públicos, exemplo, postes, placas de trânsito, outdoors, viadutos, passarelas, pontes, paradas de ônibus, árvores, inclusive, com pichação, tinta, placas, faixas, cavaletes e bonecos;
  • Deixar, jogar ou autorizar o derrame de propaganda no local de votação ou nas vias próximas, mesmo na véspera da eleição;
  • Fazer showmício com apresentação de artistas, mesmo sem remuneração; cantores, atores ou apresentadores que forem candidatos não poderão fazer campanha em suas atrações;
  • Fazer propaganda ou pedir votos por meio de telemarketing;
  • Confeccionar, utilizar e distribuir camisetas, chaveiros, bonés, canetas, brindes, cestas básicas, bens ou materiais que proporcionem vantagem ao eleitor;
  • Pagar por propaganda na internet, inclusive com impulsionamento de publicações em redes sociais ou com anúncios patrocinados nos buscadores, ou propaganda na internet em sites de empresas ou outras pessoas jurídicas, bem como de órgãos públicos;
  • Fazer propaganda na internet, atribuindo indevidamente sua autoria a outra pessoa, candidato, partido ou coligação;
  • Agredir e atacar a honra de candidatos, fazendo montagens, trucagens, computação gráfica, desenhos animados e efeitos especiais no rádio, na internet e nas redes sociais ou TV, bem como divulgar fatos sabidamente inverídicos sobre adversários;
  • Fazer propaganda de guerra, violência, subversão do regime, com preconceitos de raça ou classe, que instigue a desobediência à lei ou que desrespeite símbolos nacionais.
  • Usar símbolos, frases ou imagens associadas ou semelhantes às empregadas por órgão de governo, empresa pública ou estatal;
  • Inutilizar, alterar ou perturbar qualquer forma de propaganda devidamente realizada ou impedir propaganda devidamente realizada por outro candidato.

Para o eleitor, o que pode ?

  • Participar livremente da campanha eleitoral, respeitando as regras sobre propaganda nas ruas e na internet aplicadas aos candidatos;
  • No dia da votação, é permitida só manifestação individual e em silencio preferência pelo partido ou candidato, com uso somente de bandeiras, broches, dísticos e adesivos;
  • Manifestar pensamento, mas sem anonimato, inclusive na internet.

Já não pode para o eleitor

  • Fazer “selfie” no momento de votação.
  • Trocar voto por dinheiro, material de construção, cestas básicas, atendimento médico, cirurgia, emprego ou qualquer outro favor ou bem;
  •  Cobrar pela fixação de propaganda do candidato em casas, móveis ou imóveis;
  • Inutilizar, alterar, impedir ou perturbar meio lícito de propaganda eleitoral;
  • Realizar degradar ou ridicularizar candidato, ofendendo sua honra;
  • Fazer boca de urna no dia da eleição.

Eleições 2018

Zema lidera pesquisa de segundo turno em Minas Gerais

Nível de confiança é de 95% e a margem de erro é de 2,5 percentuais para mais ou para menos

• atualizado em 14/10/2018 às 16:13

Foto: Elberty Valadares/Por Dentro de Minas

O Instituto Paraná Pesquisa divulgou na última sexta-feira, 12, o resultado de uma nova pesquisa para o Governo de Minas. Se as eleições ocorresse hoje, o candidato do partido Novo, Romeu Zema, venceria Antonio Anastasia (PSDB) com 73,6% dos votos válidos, contra 26,4% do tucano.

A pesquisa realizada nos dia 9 e 10 de outubro, teve 1.750 pessoas entrevistadas em 82 municípios de Minas Gerais. A margem de erro é de 2,5 pontos percentuais para mais ou para menos e o nível de confiança é de 95%.

O pesquisa está registrado no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) sob o nºBR-06571/2018 e no TRE-MG (Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais) sob o nº MG-06869/2018.

Fonte: Paraná Pesquisas | metodologia: a pesquisa ouviu 1.750 eleitores em 82 municípios de Minas Gerais de 9 a 10 de outubro.
A margem de erro é de 2,5 pontos percentuais e o nível de confiança é de 95%. O levantamento está registrado no TRE-MG sob o n º MG-06869/2018 e no TSE sob o nº BR-06571/2018.

Continua lendo

Eleições 2018

Veja quem são os candidatos eleitos para a Câmara por Minas Gerais

Foram eleitos em Minas Gerais, 53 deputados federais

Veja a lista dos deputados federais eleitos por Minas Gerais

  1. Marcelo Alvaro Antonio (PSL) – 230.008 votos
  2. Reginaldo Lopes (PT) – 194.332 votos
  3. Andre Janones (Avante) – 178.660 votos
  4. Paulo Guedes (PT) – 176.841 votos
  5. Aurea Carolina (PSOL) – 162.740 votos
  6. Gilberto Abramo (PRB) – 162.092 votos
  7. Cabo Junio Amaral (PSL) – 158.541 votos
  8. Eros Biondini (PROS) – 157.394 votos
  9. Rogério Correia (PT) – 131.312 votos
  10. Padre João (PT) – 131.228 votos
  11. Rodrigo de Castro (PSDB) – 131.120 votos
  12. Weliton Prado (PROS) – 129.199 votos
  13. Misael Varella (PSD) – 128.537 votos
  14. Hercílio Coelho Diniz (MDB) – 120.489 votos
  15. Stefano Aguiar (PSD) – 115.795 votos
  16. Patrus Ananias (PT) – 112.724 votos
  17. Zé Silva (SD) – 109.335 votos
  18. Marcelo Aro (PHS) – 107.219 votos
  19. Aécio Neves (PSDB) – 106.702 votos
  20. Eduardo Barbosa (PSDB) – 105.969 votos
  21. Diego Andrade (PSD) – 105.803 votos
  22. Lincoln Portela (PR) – 105.731 votos
  23. Emidinho Madeira (PSB) – 103.533 votos
  24. Lafayette Andrada (PRB) – 103.090
  25. Pinheirinho (PP) – 98.404
  26. Subtenente Gonzaga (PDT) – 93.932
  27. Margarida Salomão (PT) – 89.378
  28. Dr. Mário Heringer (PDT) – 89.046
  29. Odair Cunha (PT) – 87.891
  30. Bilac Pinto (DEM) – 87.683 votos
  31. Fred Costa (Patri) – 87.446 votos
  32. Domingos Sávio (PSDB) – 80.990 votos
  33. Paulo Abi Ackel (PSDB) – 79.797 votos
  34. Dimas Fabiano (PP) – 74.223 votos
  35. Tiago Mitraud (Novo) – 71.901 votos
  36. Vilson da Fetaemg (PSB) – 70.481 votos
  37. Newton Cardoso Jr (MDB) – 69.900 votos
  38. Leonardo Monteiro (PT) – 68.686 votos
  39. Euclydes Pettersen (PSC) – 65.316 votos
  40. Lucas Gonzalez (Novo) – 64.022 votos
  41. Fabio Ramalho (MDB) – 63.149 votos
  42. Doutor Frederico (Patri) – 60.950 votos
  43. Igor Timo (Pode) – 60.509 votos
  44. Julio Delgado (PSB) – 58.413 votos
  45. Mauro Lopes (MDB) – 58.243 votos
  46. Delegado Marcelo Freitas (PSL) – 58.176 votos
  47. Franco Cartafina (PHS) – 53.390 votos
  48. Charlles Evangelista (PSL) – 51.626 votos
  49. Léo Motta (PSL) – 51.073 votos
  50. Luis Tibé (Avante) – 50.474 votos
  51. Alê Silva (PSL) – 48.043 votos
  52. Greyce Elias (Avante) – 37.620 votos
  53. Zé Vitor (PMM) – 32.833 votos

Continua lendo

Eleições 2018

Nova legislatura contará com mais oito partidos na ALMG

Assembleia de Minas passa a contar com deputados de 27 agremiações; quem mais cresceu foi o PSL

Na 19ª Legislatura, a Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) contará com oito novos partidos, passando de 19 para 27 legendas representadas. O estreante que elegeu mais parlamentares foi o PSL, agremiação do candidato a presidente Jair Bolsonoro, com seis candidatos matematicamente eleitos.

O partido que mais perdeu representação foi o MDB, que ficou sem 7 das 14 vagas que possui atualmente. O partido com mais representantes será o PT, que passou de 8 para 10 ocupantes.

Dos novos partidos que comporão a ALMG, o PHS, o PSC e o Novo elegeram três representantes cada. O Solidariedade (SD) conseguiu duas vagas e as outras três novas legendas estreiam com um parlamentar cada: PRTB, PRP e Rede.

Além do PT, apenas o Patri ampliou sua bancada, alcançando uma vaga a mais, com dois deputados matematicamente eleitos. Todas as outras legendas perderam representação. PSB, que elegeu apenas um representante, reduziu em 3; PTB, PDT e DEM perderam duas vagas cada. Outros seis chegam com um deputado a menos em relação às bancadas atuais: PSDB, PV, Pode, PR, PCdoB e PPS. E seis mantiveram os mesmos números de deputados: PSD, PRB, Avante, DC, PP e Pros.

No início da 18ª Legislatura, foram eleitos deputados de 22 partidos. Ao longo dos anos, com o surgimento de novas legendas e as mudanças dos eleitos, atualmente existem representantes de 19 partidos na ALMG.

Veja a evolução da representação partidária

Continua lendo