Festival de Inverno da UFMG quer promover interação entre a cidade e o público

18/07/2015. Credito: Leandro Couri/EM/D.A Press. Brasil. Belo Horizonte – MG. Abertura do Festival de Inverno da UFMG na Praca da Liberdade com apresentacao de corais e cortejo de palhacos.


Durante toda a semana, o objetivo é que a cidade respire cultura e participe, já que toda a programação é aberta ao público e gratuita

Promover a interação entre a cidade e o público da universidade é o foco principal do 47º Festival de Inverno da UFMG, que começou neste sábado e vai até 25 de julho, com diversas oficinas e atividades culturais espalhadas pelo campus Pampulha e outros pontos de Belo Horizonte. Não é à toa que a abertura oficial reuniu os dois lados, com evento no campus na sexta-feira e hoje na Praça da Liberdade, seguido de cortejo cênico que foi da Avenida João Pinheiro até a Praça Afonso Arinos. Durante toda a semana, o objetivo é que a cidade respire cultura e participe, já que toda a programação é aberta ao público e gratuita.

Antes do cortejo, nesta tarde, uma concentração se formou nos arredores da Praça da Liberdade, em frente ao Memorial Minas Vale, onde os seis corais que fazem parte do Núcleo de Música Coral da UFMG se apresentaram. “Os corais, que reúnem mais de 100 integrantes, fazem parte de um projeto que a universidade ofereceu para a cidade. O programa é um feliz representante dessa interação universidade x cidade que queremos promover”, afirmou o coordenador do Núcleo e coordenador geral do Festival de Inverno, professor Ernani Malleta.

O cortejo foi organizado e preparado em pré-oficina do festival pelo professor Antônio Ildebrando, que ensaiou mais de 50 pessoas para o ato

“É época de férias. É muito importante que haja eventos culturais desse tipo dentro da universidade e pela cidade”, disse o estudante de teatro da UFMG Munish, enquanto esperava pelo cortejo cênico em que representaria um estudante de economia prestes a se formar. O cortejo foi organizado e preparado em pré-oficina do festival pelo professor Antônio Ildebrando, que ensaiou mais de 50 pessoas para o ato.

E demonstração de oportunidade a todos foi o que realmente não faltou. Enquanto o coral se preparava para a apresentação, o valadarense Amarildo Gomes, que se intitula MC Doidinho, passava pelo local, assumiu o microfone e sem o menor constrangimento agrupou quem passava pela rua ao som do “Maluco Beleza”, de Raul Seixas. “Isso é fantástico. É o que a gente quer. Que as pessoas se insiram”, comentou Ernani. Para ver a programação completa de eventos e oficinais, visite o site do festival.

Total
0
Shares

Relacionados
Total
0
Share