Redes Sociais

Siga a Por Dentro de Minas no Instagram

Marcelo Harger

Opinião: Fascista sem saber

Na coluna de Dr. Marcelo Harger desta semana, leia: “Fascista sem saber”

Hoje em dia é comum ver as pessoas acusando umas às outras de fascistas. É um termo que serve para designar alguém de quem não gostamos. O termo acabou por degenerar num insulto genérico, sem um significado preciso.

Yuval Noah Harari faz uma bela reflexão sobre o tema no livro 21 lições para o século 21. Segundo ele a palavra fascismo vem do latim “fascis”, que significa feixe de varas. Uma vara isolada é fraca e pode ser facilmente quebrada. Quando estão juntas numa “fascis” é quase impossível quebrá-las. É por isso que se privilegia a coletividade em detrimento da pessoa. A união é poderosa. O indivíduo é fraco. Os interesses do grupo, unido sob o conceito de nação, deve preponderar independentemente de quaisquer circunstâncias sobre os interesses dos demais.

O problema é que a banalização do uso do termo faz com que o fascismo pareça algo ruim. Um verdadeiro monstro. O óbice é que se aparentasse ser um monstro ninguém seguiria a doutrina. É o mesmo erro que os filmes de Hollywood cometem ao apresentar vilões como Voldemort, lorde Sauron ou Darth Vader. Os três são homens feios e cruéis até mesmo com os seus apoiadores. Como seguir alguém assim?

Conforme alerta o autor, “o problema com o mal é que, na vida real, ele não é necessariamente feio. Pode ser muito bonito na aparência”. Essa é a dificuldade em resistir às suas tentações. É também por isso que é difícil lidar com males como o fascismo. Os alemães olhavam a nação alemã na década de 30 e a viam como a coisa mais linda do mundo. Perderam-se na beleza daquele coletivo inventado.

O culto a essa coletividade é sedutor porque simplifica o mundo. Dilemas difíceis tornam-se fáceis. É simples avaliar a arte: se atende os interesses do grupo é boa. É também fácil avaliar a educação: a adequada é a que ensina o pensamento da classe. E por aí vai…

Além disso, é extremamente atraente porque faz as pessoas pensarem que participam do que há de mais belo no mundo. Integram um ideal, uma ideia de mundo. Ao se olharem no espelho, enxergam algo belo e não o fascismo que todos dizem que é ruim. Entendem, por isso, que a postura que adotam não é fascista.

Isso está a ocorrer com muitos brasileiros que defendem o combate à corrupção a qualquer custo. O ideal é belo, mas se para atendê-lo precisam pisotear a Constituição e os direitos e garantias individuais, assim o fazem. Esquecem os horrores que os defensores de belas ideias praticaram. Tornam-se fascistas sem nem mesmo saber.

Colunista do Por Dentro de Minas. Marcelo Harger, advogado, escritor, membro da Academia Joinvilense de letras, mestre e doutor em direito público.

Marcelo Harger

Opinião: Bom pra cachorro

Na coluna de Dr. Marcelo Harger desta semana, leia: “Bom pra cachorro”

Nunca tive animais. Sempre morei em apartamento. Acho que essa deve ser a razão. O fato é que nunca entendi direito a simbiose entre um cachorro e seu dono. O bichinho fica parecido com o dono e este, por sua vez, passa a considerar o animal como um membro da família.

Lembro da história de “um amigo”que ao fugir de dois pitbulls caiu e quebrou a mão. Quando o dono dos “animaizinhos” viu aquilo logo disse que não era preciso fugir. A Meg e o Tiquinho não mordiam. Enquanto isso o casal canino ficava olhando e rosnando. Pode uma coisa dessas? Desde quando Meg e Tiquinho são nomes de Pitbull. O fato é que o dono via dois bichinhos adoráveis e “meu amigo” via dois devoradores de homens.

Dono de cachorro é assim. Acha que a convivência com os seus “filhos” é adorável e sujeita os demais às mesmas “alegrias”. Quando mordem os outros é sempre pela primeira vez. Nunca tinham feito nada parecido antes. Quando latem pras visitas com caras ferozes dizem que estão dando oi, ou que fazem isso porque sentem medo. Acham uma graça quando os bichos vêm cheirar e lamber os outros. Não entendem como alguém pode não gostar de receber esse carinho.

Há quem não goste. Eu sou um deles. Nada tenho contra cachorros. São animais interessantes, desde que fiquem longe de mim. São bonitinhos quando vistos de bem longe. Longe mesmo.

Aliás, o mesmo vale para os animais em geral. Tenho o maior respeito por eles, mas não quero que vivam dentro da minha casa. Admiro profundamente o amor e carinho que certas pessoas dedicam aos bichinhos. Apenas constato que não consigo ter esse tipo de dedicação. Prefiro dedicar-me às pessoas.

Acho-as mais interessantes. Prefiro gastar o meu tempo livre com os seres humanos. Amo os seres humanos com as suas imperfeições. Certamente não possuem pelos demais um amor incondicional. Tampouco tratam a nossa chegada em algum lugar fosse um acontecimento digno de darem pulos. Fazem perguntas e criticam os nossos atos e essa é a grande magia.

Cada crítica que recebemos é uma oportunidade de perceber a beleza das diferenças entre os indivíduos. Ao saborear a complexidade das personalidades se constata que “bom pra cachorro” é estar com pessoas que nos permitem crescer.

Continue Lendo

Marcelo Harger

Opinião: Pesadelos

Na coluna de Dr. Marcelo Harger desta semana, leia: “Pesadelos”

Meu filho anda tendo pesadelos. Procuro evitar estímulos perto da hora de dormir, e não o deixo ver filmes ou desenhos violentos. Mesmo assim eles surgem. Algumas vezes acorda gritando ou dorme agitado, mas não lembra o que houve. Nessas horas procuro confortá-lo colocando-o no colo ou falando baixinho que estou ao lado dele. Ele se acalma.

Comecei a refletir porque isso acontece, e percebi que o conceito do que é terrível varia. Crianças têm uma percepção diferente das coisas, e os adultos não se dão conta disso.

Lembrei que, certa vez, uma menina pequena comentou comigo que vira um filme de terror. Tratava-se da fuga das galinhas. As penosas fugiam de um galinheiro para não virarem tortas. Aqueles que riram, achando que isso não é filme de terror, não pensaram que alguém pudesse tentar fazer torta de pessoas. Somente crianças pensam essas coisas.

Durante minhas reflexões, o Pedro lembrou-se de um pesadelo. Certamente foi um dos mais terríveis que já teve. O Drácula tomou todo o seu “mamá”, e deixou a mamadeira mordida. Quando ele viu aquilo jogou a mamadeira fora. O Drácula, então, entrou em sua blusa de pijama e fez BUUUU.

Nem sabia que ele conhecia o Drácula, mas fiquei pensando que o sonho foi mesmo terrível. O bicho feio veio, roubou o que ele mais gosta e largou o copinho mordido. Para terminar, entrou em seu pijama e fez BUUUU! Isso realmente não deve ter sido fácil.

Perguntei pra família como ele conhecia o dito vampiro, e alguém se lembrou que um dia viu o menino assistindo o desenho do “Scooby Doo”. O pequeno colocava a cabeça debaixo das almofadas do sofá nas partes “terríveis”. Algumas vezes espiava com o cantinho do olho, por debaixo das almofadas. Nem pensava em mudar de canal.

Depois de saber disso aboli esse desenho, e comecei a cuidar ainda mais do que ele assiste para que possa dormir melhor. Vinícius e Toquinho cantavam em uma de suas músicas, “dorme meu pequenininho, dorme que a noite já vem. Dorme meu pequenininho, dorme que a vida já vem”. Enquanto ela não vier, teu pai zela acordado o filho que ele quer bem.

Continue Lendo

Marcelo Harger

Opinião: Tudo de bom

Na coluna de Dr. Marcelo Harger desta semana, leia: “Tudo de bom”

Há pessoas que são tudo de bom. Por alguma razão irradiam o ambiente de luz. Mal as conhecemos e sentimos confiança para confidenciar-lhes as nossas vidas. Trazem alegria. A própria presença faz bem.

Sentimo-nos confortados perto desses seres iluminados. Encaram a vida de cima. Não existem problemas insolúveis para eles, ou melhor, nem mesmo existem problemas. No máximo contratempos, vicissitudes. Nos momentos em que nos sentimos mais desesperados lá estão eles, com aquela serenidade para aconselhar e distribuir bom senso.

Tudo fica fácil depois de com eles conversarmos. Sempre tiram uma solução da cartola. Algumas vezes nos dizem o óbvio, que naquele momento está invisível aos nossos olhos. Outras ratificam o que já pensávamos. Mas a concordância dessas pessoas traz paz e segurança aos nossos corações. Há também ocasiões em que resolvem o impossível. Agem como verdadeiros mágicos.

Finalmente, há casos em que nada fazem, porque não existe o que fazer. Apenas nos olham com aquela cara de que nos compreendem e nos ajudam a aceitar o inevitável. De alguma maneira o fato de sermos compreendidos por eles é reconfortante. Traz alento. Diminui a importância das dificuldades.

Pessoas assim são raras como diamantes. São seres iluminados que “fazem o bem sem olhar a quem”. Vieram ao mundo para fazer a diferença e com suas atitudes o torna um lugar melhor para se viver. Agem de forma natural, sem esperar qualquer tipo de reconhecimento. Contentam-se em fazer o que é certo pelo simples prazer de acertar. Trazem poesia para um mundo em que cada vez existe menos amor.

É nesses indivíduos especiais que devemos pensar em nosso dia a dia. Sigamos o exemplo que eles nos dão. Imitemos, ainda que com imperfeições. Cada ser humano é diferente e, por isso, jamais poderíamos ser cópias fiéis. Utilizando-os como modelo, estaremos desenvolvendo a luz interior que existe em cada um de nós.

Continue Lendo