Redes Sociais

Siga a Por Dentro de Minas no Instagram

Marcelo Harger

Opinião: Amar é construir

Na coluna de Dr. Marcelo Harger desta semana, leia: “Amar é construir”

Muitos dizem eu te amo. Mas será que essas pessoas sabem verdadeiramente o que significa amar e o que é o amor? Será possível explicar o amor?

Eu creio que não. O amor não se explica. Se vivencia. E cada um vive o amor a sua maneira. Amar é crer na pessoa amada. É respeitá-la acima das diferenças. É amá-la justamente pelo que tem de diferente. É gostar até mesmo dos defeitos. O amor não se compra em porções. Não se ama apenas um pedaço do ser amado. Ama-se o todo. Com suas imperfeições.

É algo como uma pedra bruta lapidada por um artista. Pode ter suas asperezas suavizadas, mas não se altera a essência. O mármore bruto tem a mesma consistência do mármore lapidado. Embora a pedra lapidada possa ter uma aparência mais agradável, continua a ser o mesmo mármore. Isso é amar. Quem ama, ama o mármore e não a escultura nele feita.

Amar é mesmo comparável à arte. Amar é ajudar o outro a lapidar o seu mármore. É ajudá-lo a tornar a pedra bruta uma escultura. E se a escultura não for tão bela, continuar amando, porque ama-se a essência, com suas imperfeições.

Quem ama não procura transformar o mármore em granito. Tampouco procura esculpir na pedra alheia. Quem ama deve servir de inspiração para que o ser amado lapide-se a si próprio tornando-se um ser melhor e deve inspirar-se no ser amado para curar suas asperezas.

Amar de verdade é progredir. É inspirar-se no outro para seguir em frente e servir de inspiração para que ele faça o mesmo. Amar é construir, pois o verdadeiro amor não destrói.

O amor que destrói não é o verdadeiro amor. É outra coisa. Lapidar a pedra alheia não é o verdadeiro amor. É intolerância. Transformar mármore em granito não é o verdadeiro amor. É dominação. Mas se isso não é o amor, porque tantos tentam em nome dele modificar o ser amado?

É porque estes não sabem o que é o verdadeiro amor. Não sabem o que é amar de verdade. Não compreendem que amar é mudar a alma de casa, mas que a casa continua alheia. Não somos donos do coração alheio. Somos apenas inquilinos. Não podemos derrubar paredes, apenas alterar a disposição dos móveis.

As paredes derrubadas jamais podem ser reconstruídas. Constroem-se outras. Jamais as mesmas, com os mesmos tijolos. E depois da derrubada, é da firmeza da parede antiga que se sente falta. Reclama-se da qualidade do novo tijolo. Sente-se falta do tijolo velho, que era a essência daquela casa. Do aconchego que proporcionava para alma. Até que um dia a parede mal feita cai e então nada resta. A alma fica sem casa.

É por isso que dizem que o amor acaba. Acaba quando a parede desaba. E acaba mesmo, mas nunca o amor verdadeiro, pois o amor verdadeiro somente constrói.

Marcelo Harger

Opinião: Democracia e ordem

Na coluna de Dr. Marcelo Harger desta semana, leia: “Democracia e ordem”

Sempre tive um profundo respeito pela autoridade. Creio que foi a educação que recebi. Professor, mesmo estando errado, estava certo. Era alguém a ser obedecido e não questionado. Era assim que procedia na infância por orientação dos meus pais. Após a faculdade de direito, mantive a mesma postura, mas agora com um acréscimo: as autoridades sempre devem ser respeitadas, mas quando estiverem erradas, posteriormente, utilizando os canais apropriados, devem ser questionadas e até responsabilizadas.

Faço essas observações porque a juventude de hoje perdeu o senso de autoridade. Aprendeu que tem o direito de se expressar, mas esqueceu da parte correspondente ao dever. Tratam professores como se fossem lixo. Desrespeitam policiais como se estes fossem cidadãos de segunda classe. Agem como os únicos detentores e sabedores da verdade e, para isso, estão dispostos a afrontar os direitos alheios e desrespeitar qualquer um que queira a eles se opor.

Quando chamados à responsabilidade, posam de vítimas alegando que o direito de expressão está sendo cerceado. Fogem da responsabilidade pelos atos que praticam, mentem e ficam de “mi-mi-mi” como se fossem crianças mimadas a levar um pito. Sei que essas considerações são coisas de gente velha. Aparentemente, estou deixando de ser um liberal e me tornando um conservador. Provavelmente, é porque atualmente tenho uma família a conservar e proteger. Hoje, tenho o que perder, e os valores que mais prezo são a segurança e a ordem.

Ao conversar com amigos da mesma idade, vejo que os anseios da maioria são os mesmos. Todos estão cansados da baderna e da falta de ordem que impera no País. Atualmente, uma dúzia de gatos- pingados é suficiente para aterrorizar e amedrontar a população ordeira de uma cidade. Cada vez mais pessoas sentem saudades da ordem de outrora, e tenho ouvido muitas manifestações favoráveis à volta dos militares ao poder.
Nada tenho contra os militares, mas prefiro as instituições de controle de um Estado de direito funcionando adequadamente. O fato é que, atualmente, elas não funcionam como deveriam, e se não começarem a funcionar com brevidade, talvez a democracia brasileira pague o preço.

Continue Lendo

Marcelo Harger

Opinião: Bom pra cachorro

Na coluna de Dr. Marcelo Harger desta semana, leia: “Bom pra cachorro”

Nunca tive animais. Sempre morei em apartamento. Acho que essa deve ser a razão. O fato é que nunca entendi direito a simbiose entre um cachorro e seu dono. O bichinho fica parecido com o dono e este, por sua vez, passa a considerar o animal como um membro da família.

Lembro da história de “um amigo”que ao fugir de dois pitbulls caiu e quebrou a mão. Quando o dono dos “animaizinhos” viu aquilo logo disse que não era preciso fugir. A Meg e o Tiquinho não mordiam. Enquanto isso o casal canino ficava olhando e rosnando. Pode uma coisa dessas? Desde quando Meg e Tiquinho são nomes de Pitbull. O fato é que o dono via dois bichinhos adoráveis e “meu amigo” via dois devoradores de homens.

Dono de cachorro é assim. Acha que a convivência com os seus “filhos” é adorável e sujeita os demais às mesmas “alegrias”. Quando mordem os outros é sempre pela primeira vez. Nunca tinham feito nada parecido antes. Quando latem pras visitas com caras ferozes dizem que estão dando oi, ou que fazem isso porque sentem medo. Acham uma graça quando os bichos vêm cheirar e lamber os outros. Não entendem como alguém pode não gostar de receber esse carinho.

Há quem não goste. Eu sou um deles. Nada tenho contra cachorros. São animais interessantes, desde que fiquem longe de mim. São bonitinhos quando vistos de bem longe. Longe mesmo.

Aliás, o mesmo vale para os animais em geral. Tenho o maior respeito por eles, mas não quero que vivam dentro da minha casa. Admiro profundamente o amor e carinho que certas pessoas dedicam aos bichinhos. Apenas constato que não consigo ter esse tipo de dedicação. Prefiro dedicar-me às pessoas.

Acho-as mais interessantes. Prefiro gastar o meu tempo livre com os seres humanos. Amo os seres humanos com as suas imperfeições. Certamente não possuem pelos demais um amor incondicional. Tampouco tratam a nossa chegada em algum lugar fosse um acontecimento digno de darem pulos. Fazem perguntas e criticam os nossos atos e essa é a grande magia.

Cada crítica que recebemos é uma oportunidade de perceber a beleza das diferenças entre os indivíduos. Ao saborear a complexidade das personalidades se constata que “bom pra cachorro” é estar com pessoas que nos permitem crescer.

Continue Lendo

Marcelo Harger

Opinião: Pesadelos

Na coluna de Dr. Marcelo Harger desta semana, leia: “Pesadelos”

Meu filho anda tendo pesadelos. Procuro evitar estímulos perto da hora de dormir, e não o deixo ver filmes ou desenhos violentos. Mesmo assim eles surgem. Algumas vezes acorda gritando ou dorme agitado, mas não lembra o que houve. Nessas horas procuro confortá-lo colocando-o no colo ou falando baixinho que estou ao lado dele. Ele se acalma.

Comecei a refletir porque isso acontece, e percebi que o conceito do que é terrível varia. Crianças têm uma percepção diferente das coisas, e os adultos não se dão conta disso.

Lembrei que, certa vez, uma menina pequena comentou comigo que vira um filme de terror. Tratava-se da fuga das galinhas. As penosas fugiam de um galinheiro para não virarem tortas. Aqueles que riram, achando que isso não é filme de terror, não pensaram que alguém pudesse tentar fazer torta de pessoas. Somente crianças pensam essas coisas.

Durante minhas reflexões, o Pedro lembrou-se de um pesadelo. Certamente foi um dos mais terríveis que já teve. O Drácula tomou todo o seu “mamá”, e deixou a mamadeira mordida. Quando ele viu aquilo jogou a mamadeira fora. O Drácula, então, entrou em sua blusa de pijama e fez BUUUU.

Nem sabia que ele conhecia o Drácula, mas fiquei pensando que o sonho foi mesmo terrível. O bicho feio veio, roubou o que ele mais gosta e largou o copinho mordido. Para terminar, entrou em seu pijama e fez BUUUU! Isso realmente não deve ter sido fácil.

Perguntei pra família como ele conhecia o dito vampiro, e alguém se lembrou que um dia viu o menino assistindo o desenho do “Scooby Doo”. O pequeno colocava a cabeça debaixo das almofadas do sofá nas partes “terríveis”. Algumas vezes espiava com o cantinho do olho, por debaixo das almofadas. Nem pensava em mudar de canal.

Depois de saber disso aboli esse desenho, e comecei a cuidar ainda mais do que ele assiste para que possa dormir melhor. Vinícius e Toquinho cantavam em uma de suas músicas, “dorme meu pequenininho, dorme que a noite já vem. Dorme meu pequenininho, dorme que a vida já vem”. Enquanto ela não vier, teu pai zela acordado o filho que ele quer bem.

Continue Lendo