Redes Sociais

Siga a Por Dentro de Minas no Instagram

Marcelo Harger

Opinião: Sofrendo a vida

Na coluna de Dr. Marcelo Harger desta semana, leia: “Sofrendo a vida”

Sofrer é bom. Mentira. Sofrer é ruim. É ruim, mas é bom. Trata-se de uma daquelas incongruências do ser humano. Há coisas que são boas e ruins ao mesmo tempo. Ninguém gosta de sofrer, mas é impossível deixar de reconhecer que é o sofrimento que forja a alma das pessoas. É como o fogo que transforma um pedaço de ferro em aço, e esse aço numa lâmina pontiaguda. Sofrer torna o ser humano melhor. Faz crescer.

Uma vida calma raramente produz grandes feitos. As grandes descobertas da ciência, as maiores obras de arte, as melhores poesias e as músicas mais sublimes foram o resultado da criação de almas atormentadas. Foram pessoas que sofriam, mas se recusavam a sentir a sua dor em silêncio. Partilhavam com o mundo a própria angústia e fizeram com que o próprio sofrimento não fosse em vão.

Alguns mostraram aos que sofrem que não estão sozinhos. Outros tornaram o mundo melhor com uma nova ideia, um invento, uma palavra de alento ou um som inigualável. Fizeram isso porque se recusaram a sofrer de modo ruim.

Sofreram de modo bom. Transmutaram a própria dor em algo positivo. Criaram. Transformaram toneladas de limões em vários litros de limonada e apaziguaram a sede de milhares de pessoas.

O fato é que a vida envolve sofrimento. É impossível viver uma vida inteira sem um único dia de sofrimento. Apesar de ser impossível evitá-lo, é possível mudar a forma como nos relacionamos com ele. Podemos descobrir o motivo que nos faz sofrer e rompermos com ele. Removendo a causa removeremos o efeito.

A Por Dentro de Minas é um portal que traz as principais notícias do Estado de Minas Gerais.

Marcelo Harger

Opinião: Maturidade

Na coluna de Dr. Marcelo Harger desta semana, leia: “Maturidade”

A idade traz experiência. É verdade. Traz também “experiências” que se incorporam ao nosso inconsciente como pequeninos softwares. Surgida uma situação similar àquela que já vivenciamos, o programa tem início. Lembramos-nos dos momentos bons que vivenciamos como se estivéssemos revivendo os momentos passados. Chegamos a ouvir sons, sentir gostos e cheiros.

O problema é que esses pequenos softwares não trazem apenas coisas boas. Trazem também momentos tristes e lembranças ruins. Não é possível desligá-los. Nem mesmo sabemos com exatidão o que os faz funcionar. Pode ser um cheiro, uma música, um lugar, uma pessoa, um gesto, um sorriso, uma paisagem ou um quadro. Normalmente são coisas que não ocasionam perigo, mas por alguma razão servem de detonadores de bombas emocionais que arrasam o nosso coração.

Trazem para o presente a tristeza, a angústia e o medo sentidos no passado. Voltam com força total e de maneira irracional acabam por motivar as nossas ações. É o passado comandando o presente e condicionando o futuro.

Infelizmente não somos computadores. Não é possível formatar o HD e implantar novamente todo o sistema operacional. Temos que aprender a conviver com esses programinhas mal intencionados e procurar utilizá-los a nosso favor. As lembranças tristes e ruins servem de alerta para não repetirmos os erros passados. Apenas precisamos retirar o automatismo que esses softwares implantam em nossas condutas. Precisamos temperar a força do sentimento com o poder da razão e utilizar ambos para fazer as nossas escolhas.

Essa é a grande mágica de envelhecer. Lentamente passamos a aprender a usar a informática da vida. Passamos a identificar os softwares que iniciam automaticamente e instalamos outro programa. Ele não apaga os demais. Apenas impede que comandem automaticamente nossas ações. Eles passam a piscar na tela do “nosso computador” alertando para situações potenciais de perigo. O novo software passa a exigir um comando do operador para que os demais entrem em funcionamento. Infelizmente ele não se encontra nas prateleiras para ser adquirido e tem um fornecedor exclusivo: o tempo. Ele se chama maturidade.

Continue Lendo

Marcelo Harger

Opinião: Dúvidas

Na coluna de Dr. Marcelo Harger desta semana, leia: “Dúvidas”

Antigamente as possibilidades de escolha eram menores. A profissão a ser seguida, quando o filho fosse homem era a do pai. As mulheres seriam donas de casa. Casar era uma obrigação, e a escolha do parceiro ideal era feita pela família. Havendo uma única opção o sofrimento causado pela dúvida inexistia. Inexistia também a culpa por escolher errado e a responsabilidade pelos próprios atos.

O mundo moderno trouxe uma maior liberdade para o ser humano. A quantidade de opções que temos em nossa vida torna o ato de decidir cada vez mais difícil. São tantas as opções que muitas vezes estacamos diante das escolhas mais básicas. Até mesmo comprar uma calça jeans pode tornar-se um sacrifício diante de tantas marcas e modelos.

A quantidade de opções ocorre também em relação às coisas mais sérias. Que profissão seguir? Casar, permanecer solteiro ou em união estável? É muito difícil que alguém tenha completa certeza quando faz escolhas desse tipo e o excesso de opções causa angústias.

É natural que isso ocorra, pois como ensinava Baltazar Gracián em a “Arte da Prudência”, é perigoso fazer algo de que a própria prudência duvida. Indagava, ainda, como poderia dar certo aquilo que, logo depois de pensado, já desperta receios? E concluía afirmando que o mais seguro seria nada fazer, porque os maus prognósticos normalmente se confirmam.

Embora esses conselhos devam ser respeitados, jamais poderão ser aceitos como uma verdade inatacável em todas as situações. Ser prudente não é o mesmo que ser omisso. Deixar de agir quando a ação era obrigatória pode causar mais prejuízos do que agir equivocadamente.

É necessário ter em mente que as dúvidas são inerentes aos seres humanos. Não há quem nunca tenha hesitado diante de uma decisão importante a ser tomada. Não é possível saber de antemão o resultado de cada escolha. É possível, no entanto, utilizar uma regra básica da filosofia chinesa para nos ajudar a escolher. O melhor curso de ação é sempre aquele que nos deixa sem culpa nem arrependimento. Agindo desse modo, mesmo quando as coisas derem errado, será possível dormir em paz.

Continue Lendo

Marcelo Harger

Opinião: Diferenças Culturais

Na coluna de Dr. Marcelo Harger desta semana, leia: “Diferenças Culturais”

Li, recentemente, uma lista na qual um americano, casado com uma brasileira, relatava as razões pelas quais detestou o Brasil. Lamentei o fato de não ter gostado de nosso país, porque gosto dos americanos.

Compreendo que ele se espante com a má qualidade dos serviços públicos, e com a corrupção. Os brasileiros também não gostam disso e estão lutando para melhorar.

As críticas que faz aos nossos costumes e à nossa gente, no entanto, decorrem do grande defeito que vejo na maioria dos americanos: eles querem que o resto do mundo seja igual a eles. Existe o jeito americano de ser e o jeito errado. Essa arrogância é um pecado terrível.

O Brasil é o quinto maior país do mundo. O gringo visita umas capitais e acha que conhece tudo. Chega ao ponto de falar que no Brasil faz calor o ano inteiro. O pessoal que mora em São Joaquim agradece. Agora podem tirar os casacos porque o americano disse que só tem calor por aí.

O cidadão vem de um país onde tudo é enlatado, só se come fast food, mas reclama que faltam sabores por aqui? Quando visitei os EUA fiquei encantado por descobrir uma nova cultura. Percebi que são muito práticos, e a praticidade se reflete até mesmo na comida. Não é ruim. É apenas diferente. Será que ele experimentou as frutas típicas do nordeste? Será que comeu pinhão? Será que provou uma moqueca? Certamente não. Essas coisas não existem nos Estados Unidos e, por isso, provavelmente têm um sabor terrível.

Reclamou que as mulheres brasileiras são obcecadas com o próprio corpo. É mais uma diferença cultural. Nos EUA vi muitas mulheres vestidas com roupas que seriam repudiadas por qualquer esquadrão da moda brasileiro. Não deixei de gostar do país por causa disso. É o jeito de ser da americana. Cada um tem seu gosto, e isso é natural. Apenas estranhei que o “reclamão” casou-se com uma brasileira.

Queixou-se, ainda, que a proximidade da esposa com a família complicava o casamento. Para atrapalhar o casamento certamente é problema de sogra. O gringo que me desculpe, mas sogra é problema universal. Consigo imaginar a mãe da brasileira perguntando para a filha: como você foi casar com um americano tão chato? Aparentemente, nesse caso, a sogra tem razão.

Continue Lendo